Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALBERT EM BRUXELAS

Welington Almeida Pinto

- Chegamos, senhor. Esse é o hotel mais próximo da igreja Notre-Dame-de-la-Chapelle.
- Ah, sim. Obrigado. Esta nota paga a corrida?
- Dez Francos!... Ainda tem troco.
- Não precisa. Guarde o dinheiro.
- É mais do que o preço marcado pelo taxímetro, senhor.
- Não se preocupe. Resta-me outra, o bastante para pagar a pensão por esta noite – garante o passageiro.
- Agradecido, senhor. Bom descanso.
- Bom trabalho, camarada. Tiau.
Albert desce do táxi e entra no Hotel. Pára diante do balcão de atendimento e toca a campainha para chamar a atenção do recepcionista que lia o jornal, mergulhado numa poltrona.
- Boa noite.
O moço ergue os olhos:
- Sim, senhor.
- Meu nome é Albert, venho de Londres. Quero um quarto.
- Um quarto!?... admira o recepcionista, aborrecido com a interrupção da leitura por aquela estranha figura de pé na sua frente; um homem magro, a cabeleira branca, emaranhada, descendo pela nuca sobre um colarinho encardido.
- Sim. Um quarto, por favor – repete Albert, sorrindo.
- Muito bem, são doze francos. Pagos adiantados.
O homem põe a pasta de couro no chão, o capote sobre ela e busca nos bolsos do casaco o dinheiro. Acha apenas uma nota de dez francos e algumas moedas.
- É o que sobrou – mostra o dinheiro.
- Lamento, o senhor só tem dez francos e cinqüenta e quatro centavos. Não posso fazer nada.
- Mas...
- Não adianta insistir. Descendo a rua vai achar pensões mais baratas.
- Não, está tarde. Amanhã, pago o restante.
O hospedeiro cuspinha para o chão.
- Impossível.
- Calculei mal.
- Quanto pensa que tinha?
- Não sei o certo. Quando saí de Londres minha mulher me deu várias notas. Disse que era o bastante. Mas encontrei tantos pobres no navio, que me vi na obrigação de ajudar alguns.
- Pobres, é!... O que veio fazer em Bruxelas?
- Visitar amigos.

- Por que não fica com um deles?
- Sim, amanhã. Não quero importuná-los a esta hora da noite.
- São pouco mais de sete horas.
- É tarde. Acho que não devo.
- Importunar amigos, não pode. Me encher meu saco, pode. Vamos andando, cara. Descendo, você encontra hospedagem mais barata.
- Tudo bem. Mas, poderia me fazer um favor.
- Se prometer dar o fora.
- Sim. Antes, quero usar seu telefone.
- Combinado. Passe o número que eu disco.
- Só tenho o endereço.
- Tudo bem. Já estou com a lista telefônica na mão, desembucha.
- Castelo de Laken.
- Castelo de Laken!... Não. Não pode ser.
- Isso mesmo.
- É um trote, não é?
- Não, não é. Tenho uma grande amiga que mora lá.
- Lá é a residência real, cara.
O recepcionista torna a olhar Albert de cima a baixo. Depois de uma risadinha divertida, caçoa: - Suponho que toma chá com a rainha Astrid.
- Sim, às vezes. Ela é minha amiga.
- Fazendo hora com minha cara, não é?
- Não, não estou. Por favor, veja para mim o telefone do Castelo de Laken.
O moço pensa um pouco e relaxa. Desenha nos lábios um sorriso irônico e resolve divertir um pouco mais com o estrangeiro. Encontra na lista o telefone do Castelo, disca e passa o aparelho a Albert, dizendo:
- Fique aí batendo papo com a rainha que vou até a porta tomar um ar.
Enquanto Albert falava ao telefone, o hospedeiro sai e logo volta com um policial.
- Tudo bem, tudo resolvido – adianta Albert, ao avistá-lo novamente.
- Que foi que a rainha disse? – pergunta o hospedeiro, piscando para o guarda.
- Estava no banho. Deixei o recado com a Senhora Sudary, sua camareira. Passei o número do telefone do hotel. Fiz mal?
O moço da recepção balança a cabeça como quem diz que não adianta mesmo. O policial se aproxima de Albert, batendo uma das mãos nos seus ombros:
- Como se sente?
- Agora, melhor. E o senhor?
- Não se preocupe comigo. Vou providenciar uma ambulância para levá-lo ao Hospital.
- Para mim!?... Não estou doente.
- Sim, deve ser um surto passageiro – tenta explicar o agente.
- Acha que estou ficando tantã?
- Terá um bom tratamento em nosso Hospital.
- Pare com isso. A rainha vai me ligar daqui a pouco.
O policial ironiza, rindo:
- Ela telefona para o Hospital.
E dirigindo-se ao hospedeiro:
- Chame uma ambulância, por favor.
Albert perplexo:
- Seu guarda, não acha que está cometendo um grande erro?
- Por favor, controle-se.
Assustado e inquieto, Albert perde a paciência e ameaça deixar a recepção do Hotel, mesmo sentindo as pernas privadas de impulso. O policial dá um passo à frente, agarra com fúria o seu braço e sai empurrando o desconhecido para a calçada, onde acabava de estacionar a ambulância.
Albert consulta o relógio.
- Deus do céu!... E se a rainha me telefonar?
- Fique tranqüilo, senhor. Ela vai entender - caçoa o policial
- Moço, tenha juízo!... Assim o que é que a rainha vai dizer.
- Pois bem, agora podemos ir.
De súbito, a campainha do telefone toca dentro do hotel. O hospedeiro, que assistia tudo de pé junto à porta, corre e atende.
- Alô!... Sim, Majestade. Quem? Um momento, Majestade. Pode aguardar na linha, por favor.
O recepcionista imediatamente pousa o fone sobre a mesa, como se fosse uma jóia muito delicada. Em seguida, pula para a rua bradando:
- Esperem!... Esperem!... Há um engano.
O policial, que abria a porta da ambulância, sente o sangue abrasar-lhe o rosto:
- O que é agora?
Meio sem fôlego e com a fisionomia alterada, o hospedeiro fixa os olhos em Albert e pergunta:
- Por favor, seu nome completo?
- Albert Einstein.
- Então é o próprio!
O oficial interfere, nervoso:
- O que está acontecendo?
- Tem uma senhora no telefone querendo falar com você. Disse que é a rainha.
- Você também está ficando maluco, cara?
- Não, é verdade – insiste o hospedeiro. - Venha depressa.
Olham um para o outro, interrogando-se. O guarda corre ao telefone:
- Oficial Van Eck falando... Sim, Majestade... Certo, Majestade... Imediatamente, Majestade.
O policial larga o aparelho, ajeita no pescoço o nó da gravata e se dirige ao cientista.
- Doutor Albert, a rainha deseja falar com o senhor.
Os olhos do Cientista se iluminam de repente. Com o peito ofegante, caminha apressado para o hall do hotel e, depois de conversar com a rainha, volta para a calçada e encara o policial com um risinho crítico:
- Bem que tentei explicar. Pode dispensar a ambulância, a rainha mandou um carro me buscar.
- É claro, senhor.
O hospedeiro também se aproxima de Albert, recompondo-se:
- Perdoe-me, senhor.
- Bobagens! Tudo está bem quando termina bem – responde o Matemático.
E acrescenta:
- Eu e a rainha vamos tocar um dueto na noite do próximo sábado. Apareçam, serão meus convidados.


* Notas do autor. Albert Einstein, físico alemão, naturalizado norte-americano ( Ulm 1879 – Princeton 1955), além de ser um dos maiores cientistas de todos os tempos, foi um grande violinista. Recebeu o prêmio Nobel de Física, em 1921. Era um homem generoso, sempre ajudando os mais necessitados.



** Rainha Astrid, rainha dos belgas. Em 1926, aos 21 anos, casou-se com Leopoldo III.

*** Welington Almeida Pinto é escritor. Autor, entre outros livros, de Santos-Dumont, No Coração da Humanidade e A Saga do Pau-Brasil.

i.PÁGINAS:

* Biográfico:
www.welingtonpinto.blogspot.com
www.welingtonpinto.kit.net
www.recantodasletras.com.br/autores/welington

* POESIA:
www.versoslivres.blogspot.com
www.palavrascomarte.blogspot.com

* CONTOS INFANTIS:
www.mundodacrianca.blogspot.com
www.infanciasorridente.blogspot.com


* CONTOS & CRÕNICAS:
www.casadoscontos.blogspot.com
 www..contosparaeros.blogspot.com
www.contoslibertinos.blogspot.com
www.contosmininos.blogspot.com

* EDUCAÇÃO:
www.educacaoemfoco.blogspot.com

* SAÚDE BUCAL INFANTIL:
 www.infanciasorridente.blogspot.com

* ESCOLA LEGAL/Teatro infantil:
www.teatronaescola.blogspot.com


* LIVROS DISPONÍVEIS NA WEB

* O MÁGICO DE OZ:
www.omagicodeoz.blogspot.com - www.ieditora.com.br

* SANTOS-DUMONT, NO CORAÇÃO DA HUMANIDADE:
 www.paidaaviacao.blogspot.com

* A SAGA DO PAU-BRASIL (história):
www.asagadopaubrasil.blogspot.com


LEGISLAÇÃO FEDERAL DO BRASIL

* O CONDOMINIO E SUAS LEIS:
 www.condominiopredial.blogspot.com
 www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/condominio

* EMPREGADA DOMÉSTICA:
www.empregadodomestico.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/empregadadomestica

* ASSÉDIO SEXUAL NO LOCAL DE TRABALHO:
www.assediosexual.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/assediosexual

* CÓDIGO DO CONSUMIDOR:
www.codigodoconsumidor.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/consumidor

* LEI DO LIVRO
www.leidolivro.blogspot.com

E-mails:
welingtonpinto@yahoo.com.br
welingtonpinto@oi.com.br

Welington Almeida Pinto
Enviado por Welington Almeida Pinto em 10/10/2005
Código do texto: T58298
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Welington Almeida Pinto
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 67 anos
31 textos (104065 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:49)
Welington Almeida Pinto