Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Garrafa

 Abri os olhos e tudo me veio a mente. Junto aos dilemas morais, vieram também os efeitos biológicos de uma noite de bebedeira.

 A cabeça latejando, o corpo caído em uma cama dura, um faixo de luz queimando meu rosto, memórias soprando meus ouvidos. Como isso aconteceu?

 Um sintoma em especial se destacava dos demais: sede. Queria água. Gelada. Em Litros, de preferência. E ali estava ela. Branquinha, suada, me dando maior mole. Uma garrafa d'água.

 Parecia um milagre. Tudo que eu precisava naquele momento e que não estava degraus abaixo de distância.

 Mas mesmo diante da minha necessidade, ficar de pé me parecia um preço caro a se pagar. Despertar da minha incapacidade mecânica ou me confortar na mesma?

 Parei, pensei, filosofei... Decisões são sempre difíceis mesmo quando tudo parece tão óbvio.

 Segui meu coração (como sempre sugerem) e encarei o passo da morte. A perna formigava. Minha força estava concentrada em me manter acordado, e apenas isso. Mas aquela água gostosa não saía da minha cabeça. E lá estava eu, de pé, a um passo da glória.

 Estiquei meu braço em sua direção. Ela até brilhava com a luz da manhã (ou seria da tarde?) que entrava através da cortina.

 Finalmente pude colocar a mão naquela danadinha que me assistia dormir (ou morrer). A peguei com tanta felicidade que não deu tempo de perceber o que acontecera. Como pode? Depois de tanta luta e questionamento? Não acreditei que isso pode acontecer também nas camadas mais superficiais da vida.

A garrafa estava vazia!
 
Raphael Barros
Enviado por Raphael Barros em 13/09/2017
Reeditado em 13/09/2017
Código do texto: T6112597
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Raphael Barros
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 25 anos
4 textos (105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/17 03:14)
Raphael Barros