Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Camisa Amarela


Camisa Amarela

Alguém sempre me pergunta como sei tantas histórias de Poções. Naturalmente elas vêm quando lembro das fisionomias das pessoas.

A igreja me ajudou muito. Tive a oportunidade de ser coroinha por um bom tempo. Sabia onde as pessoas sentavam, qual congregação pertencia, da freqüência na igreja e na fila da comunhão. Essa observação transcendia para as ruas. Conheci muita gente e assim, hoje, me vem as histórias.

Da convivência na igreja, me lembro de algumas passagens do nosso imortal Padre Honorato Nascimento de Andrade ou Padre Norato, mais comumente chamado.

Na porta lá de casa, quando avistávamos o padre subindo a rua, colocávamos atrás de qualquer porta uma vassoura de cabeça para baixo com um pano enrolado. Era a simpatia mais usada para que o Padre não demorasse muito. Algumas vezes deu certo. Outras vezes, só depois do meu pai oferecer uma bebidinha para ele.

Não bastassem as visitas inesperadas, a mais constante era perto do meio dia para ser convidado para o almoço. Mas minha mãe tinha a manha e dizia: - Já estava fazendo um prato para mandar levar na casa do Monsenhor.
Pronto! questão resolvida.

O padre era um sujeito muito inteligente. A surdez o prejudicava. Ele desenvolveu a visão e julgava os fatos pelo que via. A mudança da missa em latim para a missa em português obrigou a desenvolver mais os temas religiosos. Muitas vezes, a prática era sobre o comportamento particular da pessoa e, lógico, não tinha nada com a igreja. Acabava virando tema de discussão da semana.

A compreensão do que se falava era assim: - Padre, amanhã a missa será às sete? Prontamente respondia: - Não, não, às sete, às sete.

Na hora dos batizados, ele colocava a vela na mão de cada criança e perguntava: - Nome deste? Eu dizia o nome mas não colocava na frase: - Fulano, eu te batizo em nome do pai e do filho.
A mesma coisa era na hora dos casamentos. Ele nunca disse os nomes dos noivos para declará-los marido e mulher.

Usava aparelho de surdez e aumentava o volume para ver se conseguia ouvir melhor as pessoas. Era uma microfonia só. Um zumbido que as pessoas ouviam de longe.
 
O aparelho era alimentado por baterias especiais e vendidas apenas no Centro Auditivo Telex, aqui em Salvador. Por causa dessas baterias, viajei por conta do padre muitas vezes. Ele pagava as passagens, o táxi e o lanche da viagem. Saia de Poções na sexta à noite, comprava as pilhas no sábado pela manhã e ficava o resto do final de semana por conta.

Todas as pessoas que o Padre abordava na rua eram chamadas de Joaquim. Ele dizia: - Joaquim, seu fim vai ser morrer! E nessa onda, certa vez, Michele levou o amigo Joaquim Mendes para passar uns dias em Poções. Cruzou logo com o padre e anunciou para o amigo: - Vamos apostar como ele vai adivinhar o seu nome? Não deu outra e ouviu a frase famosa. Joaquim, admirado, perdeu a aposta.

Outra coisa boa era confessar para o padre surdo. Ele fazia as perguntas e a gente só respondia sim ou não. A sentença não deixava de ser a mesma – uma Salve Rainha, três Ave-Marias e três Pai-Nosso.
 
O padre comprou para a igreja um moderno sistema de alto-falantes. O amplificador parecia uma geladeira, tal o tamanho. Os microfones eram do estilo pedestal e direcionais. Ele mesmo fazia questão de regular o volume, os graves e os agudos. Entendeu que não tinha condições de fazer e passou a adotar marcas pré-definidas nos botões. Para testar o microfone, dava forte soprada e olhava para um de nós pra saber se estava no volume certo. Depois, confiou essa tarefa para Tonhe Gordo.

O tempo passou e a minha colaboração na igreja chegava ao fim. Comecei a espaçar a ajuda e só aparecia na missa de sábado à noite. Como havia comprado uma camisa amarela, de “banlon”, modelo “cacharrel” (gola olímpica) e só usava nas noites de sábado, o padre assimilou o fato do uso da camisa ao meu afastamento da igreja. Passou a me chamar de “camisa amarela” toda vez que nos encontrávamos.

Foi fiel à batina e ao barrete. Poderia ter pregado melhor o “pacem terris” de João XXIII, onde dizia que a paz verdadeira está assentada em quatro pilares: justiça, verdade, caridade e liberdade.

Bom ou ruim, o padre teve o seu lugar por 48 anos à frente da paróquia de Poções.

O poeta Afonso Manta, em texto publicado sobre o Padre, comentou: Cabe apenas a Jesus o julgamento do nosso “Noratin”.
Luiz Sangiovanni
Enviado por Luiz Sangiovanni em 27/08/2007
Código do texto: T626661
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Sangiovanni
Poções - Bahia - Brasil, 60 anos
59 textos (8322 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 14:19)
Luiz Sangiovanni