Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Gaveta Mágica


Havia alguma coisa diferente naquele quarto.
A porta era igual as outras, o tamanho também.
As paredes então... Iguais!
Tinha também uma janela pela qual eu não podia entrar, pois não era o vento,
Tão pouco o sol de Primavera.
Mas tinha, por certo, algo diferente naquele quarto...
Era o quarto de minha irmã.
Nesse cômodo da casa, havia um armário, uma cama sempre bem arrumada,
Uma escrivaninha para estudo e um gaveteiro.
Ai, ai... Aquele gaveteiro... Que tinha, entre outras, uma gaveta, onde nela
Tinha uma caixinha, e na caixinha...
Quando minha querida mana estava estudando, deixava-me mexer na gaveta.
Ela era mágica e muito me atraia... Era colorida, uma beleza, forrada de Tranqueirinhas, todas bem organizadas.
Nela tinha copinhos, papeis de bala, de bom-bom e chocolates dos mais diversos; cartinhas, palitos de sorvete, velhos bilhetes de cinema, algumas fotos. Lacinhos e fitas coloridas, nem se fala. Bibelôs vários, chaveiros, brinquedinhos, folhas e rosas secas bem guardadas em papel celofane. Medálhas de santinhos e de campeonato de volei. Tinha fotos de minha mãe...
Tinha, na caixinha, as jóias de minha mãe e as fotos de todos os meus irmãos.
Pequenos cachos de cabelo em envelopes de plástico, tudo perfumado com sachês aromáticos.
Eu adorava tirar tudo do lugar... Brincar horas e horas com tudo aquilo...
Passou o tempo... Minha irmã cresceu, virou moça, se casou... E foi embora...
Não tinha mais Lúcia, nem cama arrumada com bonecas, nem gaveteiro...
Muito menos gavetas. Menos ainda, a gaveta mágica.
Mas; havia alguma coisa diferente naquele quarto.
E agora, depois de grande e quase sábio, descobri:
Naquele quarto, que era mágico, havia Lúcia e seu amor por mim.
Nele sentia-me seguro, em paz.
Aquela gaveta, que tanto facinou os olhos de uma criança, agora entendo e into, era a gaveta das lembranças de minha irmã mais velha... Doces lembranças pois, lembranças ruins, não merecem lugar nenhum em gaveta alguma.
Hoje; minhas lembranças não guardo em uma gaveta. Guardo sim em um cofre chamado coração. E delas, dessas jóias, faço sempre meu inventário
Em forma de letras, um poema, uma história ou crônica. Talvez não tão organizada como a mágica gaveta de minha irmã, que se foi para ser feliz, mas repleta de coloridas lembranças... Tesouros preciosos que só o tempo e a maturidade nos dá...
Mas, que tinha alguma coisa diferente naquele quarto...
Há, isso tinha...há tinha sim!!


Opus Sewaybricker   29/08/07
Opus Sewaybricker
Enviado por Opus Sewaybricker em 30/08/2007
Código do texto: T631631
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Opus Sewaybricker
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 53 anos
113 textos (10605 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 22:57)
Opus Sewaybricker