Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Gabriel, onde estas?

Gabriel,  onde estas?
 Delasnieve Daspet


Ele chegou assim... de repente. Um guri franzino, esperto, inteligente, carente, como são todos os que não tem o conforto de uma família.
Danado que só – o Gabriel! Cheio de todas as malandragens que a rua ensina. E, ele tinha somente 7 ( sete) anos.
Chamou  atenção com rapidez. Quiçá pela desenvoltura, quiçá pelo jeito malemolente, quiçá pela constante busca de apoio e amor, que afirmava  não precisar.
- Onde andam teus pais, Gabriel? Perguntei um dia...
- Ah! Por ai... meu  pai esta preso e minha mãe é drogada. Dela, não sei!
Estabeleceu-se entre nós um grande carinho. Tenho um fraco por guris danados. Nunca esqueci os nomes dos meus alunos que deram  mais trabalho... Outro dia encontrei um deles – era um dos  gerentes no banco onde sou correntista.
Mas o Gabriel foi ficando...   Na ausência dos pais quem cuidava dele era uma tia. Todo o Gabriel era um  pedido de carinho, de atenção, de amor.  Brigava com todos; comia lanche dos outros; quebrava o lápis do colega; levava as borrachas; tomava os brinquedos...
Estava duro “ domar” aquela ferinha. A professora me chamou:
“ Doutora – não tem condições – ele coloca a perder os outros...”
Esqueci de dizer que presido uma instituição de caridade onde cuidamos em torno de até 70 ( setenta ) crianças. Nos lhes damos acompanhamento escolar, refeições, atendimento  psicológico, até médico, se for necessário e possível.
Respondi a professora: “ tem de existir algo que possamos fazer...”
Um dia a professora precisou faltar e  fui “ cubrir” o tempo da mesma...  Tanto tempo fora de uma classe...olhei naqueles meninos e pensei o que serão amanhã?
Pronto! Achei o que iríamos fazer naquela manhã. Uma redação.  Primeiro expliquei o que viria a ser uma redação. Daí,  passamos para o tema: “ o que quero ser quando crescer...”
Do que os outros disseram não me recordo muito bem...  numa classe de 35 alunos tem as mais variadas escolhas e desejos. Fixei-me naquele guri... o que ele gostaria de ser?
Ele encostou-se na minha mesa e me pediu: “ a senhora me ajuda? Eu não sei escrever ainda, mas sei o que quero ser!”
Claro – eu precisava saber o que Gabriel queria ser!
“Vamos lá – eu te ajudo”, respondi.
Só não caí da cadeira porque estava sentada... a resposta do Gabriel foi como um “tapa na cara”. Um tapa pelos descalabros da nossa política de integração, de inclusão, de se cuidar dos pequenos, melhor dizendo – da falta de uma política séria para esses assuntos.
“Fessora, escreve aí – que eu quero ser bandido. Quero ter dinheiro. Mulher bonita. Aparecer na TV. Andar de “licótero”...”
O menino queria ser bandido!
Mas claro!...  Nessa transvaloração em que vivemos – onde se valoriza muito o mal feito – onde  em cada dez notícias que lemos/vemos nove e meio referem-se a algum tipo de violência, algum desvio, alguma corrupção... Os “ grandes  bandidos “ passeiam pelo pais em condução exclusiva... e,  por aí vai!
Em quase todos os refletores da mídia são para os beira-mares e abadias da vida... enquanto não houver punições para os políticos safados que infestam nossa brasilis verde-amarelo, existirão crianças sonhando em serem bandidas!
O que eu podia esperar, afinal, de um menino largado, como são largados os nossos velhos... o ontem e o amanhã  estão a deriva. E o hoje, sabemos que, também, estão sem apoio!
É... realmente a liga com Gabriel teria de ter outro caminho... Procurei outra forma de chamar-lhe a atenção... Ele me  perguntou como era ser advogada e professora... “Taí!!”
Ele mesmo deu-me a deixa! Fiz-lhe um convite naquela hora:
“Gabriel – você gostaria de um dia vir a ser meu colega de escritório? – Você tem de estudar muito , sempre. O que achas ? “
Nem de longe imaginava o que viria a seguir...
A transformação foi completa. Tornou-se um menino estudioso. Aprumado, limpo, gentil, já não atazanava tanto os colegas, e me dizia:
“ Me espera, professora, vou trabalhar com a senhora, vou ser doutor...”
O resto do ano transcorreu na maior paz. Com alegria observava a construção daquele pequeno ser. Aquele ano findou. Meu menino já lia e sabia a tabuada de somar.
Nas férias fui informada que o Conselho Tutelar fora buscar o Gabriel e ele deu meu nome. Fui até lá. A tia não  suportava mais o menino e queria entregar-me pois somente a mim obedecia, ela disse. Conversamos e aparentemente tudo ficou normal.
Mas no outro ano o  Gabriel não apareceu. Fomos à casa dele e ficamos sabendo que o pai dele tinha saído da prisão, e, que ele fora morar com o mesmo.
Procurei saber para onde fora... Ninguém sabe, ninguém da noticia.
Fico angustiada – será que perdi para as mal-querenças da vida um brilhante futuro colega  de escritório?!
Precisamos ajudar os Gabriels perdidos na selva imensa  da vida.
Ninguém sobrevive sozinho... chega um momento em que a angústia e a solidão não darão tréguas e exigirão companhia... É a lei da vida!
Precisamos redescobrir e doar a esses meninos a gratuidade do amor.
Alguém que não tem experiência de um convívio familiar  onde todos se ergam no apoio mútuo, que não tem a vibração necessária  por uma vitória, onde todos sofram numa dor, onde haja o companheirismo, não saberá o que perdeu – porque nunca teve!
E a segurança vai definhando...
O amor não é utopia, ele se alimenta do dia a dia, e, isso torna a vida possível!
Gabriel, meu menino! Não deixe que a criminalidade te adote. E se alguém te disser que estou te procurando – retorne! A mestra te chama, volte! Conclua teus estudos. Venha assumir o escritório, como combinamos!
Se alguém vir na rua um guri franzino, serelepe, cabelos molinha, com mais ou menos oito para nove anos,  olhar de fogo triste e brilhante, traquina, me avise – vou busca-lo!
31.08.07 – Campo Grande MS






Delasnieve Daspet
Enviado por Delasnieve Daspet em 31/08/2007
Código do texto: T633048
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Delasnieve Daspet
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
691 textos (29881 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 13:19)
Delasnieve Daspet