Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tristeza

  Quanta tristeza já semeei nessa vida? Não sei se vingaram as almas que cortei com meu ancinho, meu ódio, meu amor. Sou o menino do dedo negro, tudo em que encosto apodrece. Se sei disso é minha culpa, se vejo antes todas as fraquezas recaindo sobre mim, todas as dores de quem me busca. Eu as filtro, destilo, condenso e devolvo em veneno. E mato. Tenho um cemitério particular de sonhos enterrados pelo meu caminho. Sou o menino do dedo negro e faço florescer o desprezo, a mágoa, a desilusão. Não é por querer, nem é questão de tentar ser outra coisa; não posso, simplesmente é o que me foi dado nessa breve vida: o dom de decepar as flores com os olhos, de espremer a inocência com as mãos, de afogar a esperança no poço infinito dos meus desejos. Sou o menino do dedo negro e logo não estou mais aqui.
Corujão
Enviado por Corujão em 06/09/2007
Código do texto: T640965

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "sinapses.rg9.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corujão
São Paulo - São Paulo - Brasil, 44 anos
15 textos (276 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 23:33)