Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO A CRÔNICA QUER SER CONTO

Naquela noite acordou com os gemidos e sussurros de sua mãe. No quarto ao lado o pai daquela noite parecia ser mais interessante do que os de outras. Ficou quietinho para não atrapalhar o prazer que se derramou noite à dentro. Conseguiu dormir. Na manhã seguinte vira uma mulher que não via a muito. Alegre, suave, firme e até mais carinhosa, mas sempre exigente. Não tinha do que reclamar. A roupa limpa. O café na mesa. Tudo arrumado para ir a escola. O lanche pronto. A escola paga. Livros à mão. Quero um doutor, sempre falava.
Testemunhei seus cuidados com sua cria criança e adolescente. Na Igreja aos domingos no banco mais afastado, na rua em casa e na escola. Sempre diziam ser o filho dela sem dizer seu nome.
Fez-se rapaz e o trabalho foi o pai e o marido que sua mãe não teve, mas sempre quis. Tudo mudara. Respeitei, assisti fiz o que pude e também fui feliz.
Fui para sua formatura. Uma linda formatura de um rapaz feliz, um homem feliz que soube entender a razão das coisas que o fim justifica o meio. Sem isenção de críticas e julgamento e preconceitos. Foi o Pai Maior que deu a incumbência e ela tinha isso bem claro e cumpriu Ele sabe como.
Nem por isso ele foi delinqüente nem maldisse da sorte, nem menos digno. Mudou só sua história e da sua família.
Nunca quis saber como tudo começou. Nem vi nenhum um outro parente naquela casa.
Quis o tempo todo ser seu pai nem que fosse naquela noite.
Crontei.

Manuel Oliveira
Enviado por Manuel Oliveira em 08/09/2007
Código do texto: T644333
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manuel Oliveira
Olinda - Pernambuco - Brasil, 62 anos
64 textos (5100 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 08:46)
Manuel Oliveira