Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Memória

MEMÓRIA

Pedro Coimbra
ppadua@navinet.com.br

O prazer da leitura é sem igual, mas é diferente nos seus estilos: conto, romance, poesia, biografia, memória...
Veja este trecho da biografia de Cecília Meireles, que é a história da vida de alguém: “Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área de minha vida. Área mágica, onde os caleidoscópios inventaram fabulosos mundos geométricos, onde os relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as bonecas o jogo do seu olhar. Mais tarde, foi nessa área que os livros se abriram e deixaram sair suas realidades e seus sonhos, em combinação tão harmoniosa que até hoje não compreendo como se possa estabelecer uma separação entre esses dois tempos de vida, unidos como os fios de um pano”.
A memorialista, relativa à memória, à lembrança: “As dramistas de Guriú aprenderam, me ensinam e nos ensinam a engolir gota por gota com entusiasmo os versos do Gonzaguinha. Fizeram da vida algo mais do que tristeza, melancolia, repetição monótona de movimentos cotidianos e domésticos...Enfrentaram a dominação masculina que oferecia os peixes e os esperavam fritos dias após dia. Apostaram na alegria de dramatizar, cantar, dançar a possibilidade de momentos felizes de dramas; Viver e não ter a vergonha de ser feliz/Cantar a beleza de ser um eterno aprendiz/Eu sei que a vida deveria ser bem melhor e será/Mas isto não impede que eu repita/É bonita, é bonita e é bonita”.
Me apetece mais as memórias, quase diários. Agora mesmo me chegou as mãos um livreto quase artesanal, Os dois cadernos, de Geny Lopes de Carvalho. Que começa assim: “Vó Geny: Você me presenteou com seus dois cadernos. Páginas amarelas, capas soltas e vários rabiscos denunciaram o tempo e como nós, crianças e jovens distraídos, só víamos ali algumas folhas de papel.Nas curvas de sua caligrafia, conto por conto, descobri o tesouro recebido: suas memórias anotadas, sua intimidade revelada, um material não publicado no Valeu a pena e que vale muito a pena. Preciosidades que agora compartilho com nossos amigos e familiares. Os dois cadernos resgata suas lembranças e nos apresenta nossa história, com a narrativa de uma observadora que tem o mais puro encantamento pela vida. Te amo demais! Scheilla”.
Geni desenvolve a mediunidade - uma capacidade psico-física - transcende períodos imemoriais. Porém, a psicografia não é a técnica utilizada pelos médiuns para escreverem um texto sob a influência de um Espírito desencarnado.
São vinte e cinco textos: Ternura - “Fui a São João Del-Rei e conversei com diversos primos sobre a personalidade da vovó. Talvez a imagem que eu tenho dela não seja a real, porque eu somente ia para Vitória nas férias. Todos concordaram comigo, vovó era a ternura personificada. Ela casou-se com 13 de idade. Era comum vovó chegar em casa e encontrá-la brincando com a cunhada, trepadas nas laranjeiras, com as bonecas nos braços. Dizem que quando vovô viajava, perguntava-lhe qual o presente que ela desejava ganhar. Sua resposta era seguinte: ‘Uma boneca ou uma piorra’. Nosso teatro - “Com o passar dos anos a vida na fazenda foi se modificando. Meu pai morreu, mamãe casou-se com Guedes.Guedes colocou luz elétrica na fazenda e comprou um rádio. Para nós, os artistas, o rádio foi um sucesso. Passamos a imitar os cantores, esquecemos a nobreza e encenávamos as peças imitando as mini-novelas do rádio”.
As histórias de Os dois cadernos me encantam, principalmente O pôr do sol da vida - “Gosto muito do pôr do sol. Observando o final do dia com as nuvens ofuscadas e coloridas pelos últimos raios do sol, formando uma saia multicolorida e ondulada no poente, enquanto do outro lado as sombras vão se apossando do dia, as luzes da cidade se acendendo, as primeiras estrelas surgindo... Sentimos a confirmação do transformar, concluir. Nascer, morrer, renascer, desaparecer e surgir. A certeza de que mais um dia foi vivido. Análise das horas passadas, avaliação dos minutos e segundos. Recordar”.

Pedro Coimbra
Enviado por Pedro Coimbra em 09/09/2007
Código do texto: T644937

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Coimbra
Lavras - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
18 textos (1291 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 15:21)
Pedro Coimbra