Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O melhor de você

O melhor de você


Pedro Coimbra
ppadua@navinet.com.br



Que os usos e costumes estão mudando aceleradamente ninguém se engana...
Décadas passadas o tempo passava devagar, devagarzinho, infância era infância, cheia de brincadeiras e artimanhas, adolescência era um tempo mágico, com algumas violências e muito carinho dos participantes.
Ser adulto simbolizava muita realidade, responsabilidade e a senilidade o tempo de fazer um rol do passado, simbolizando tudo o que passou...
Hoje graça por todos os cantos a depressão, a angústia campeia solta, passamos do destemor para o medo, aqueles valores maiores se foram e o que existe é a perda de dignidade.
Em conseqüência de todos estes problemas do dia-a-dia ocorreu um fato sintomático que é a baixa da auto-estima...
Escreve-se e fala-se sem parar procurando-se fórmulas mágicas a todo instante para que se possam resolver tantos problemas e não acontece nenhuma solução.
As grandes cidades crescem e mesmo as médias e pequenas vão deixando um rastro de má querência pelo caminho.
Dia destes recebi no correio eletrônico, onde não se identifica uma mensagem emblemática dos dias de hoje: “O nosso inimigo não é aquele que nos odeia, mas aquele que nós odiamos!”
Será possível que chegamos a este ponto paradoxal?
É bem possível com tanta luta para chegar à conclusão de que A ou B vence tranquilamente o embate de toda hora, subjuga e estraçalha o adversário...
Gostaria de viver no tempo em que era fácil demonstrar o melhor de você.
Naquela época preservávamos tudo o que tínhamos do pouco que levávamos a escola: o lápis encurtava até desaparecer, o caderno esgotava sua última folha e a sola do sapato de tanto bater pernas desaparecia.
Vamos propor algumas mudanças para melhor: a depressão desapareceria sem ajuda de remédios, antidepressivos, bastando que houvesse uma boa conversa entre amigos e relacionamentos sem dolos; a angústia passaria a ser apenas o título de um de um grande livro de Graciliano Ramos e todos nós acordaríamos e dormiríamos muito mais felizes; a perda da dignidade seria impossível entremeio pessoas decentes, fatos corriqueiros e prosaicos, tudo bem longe das tramóias; e a baixa auto-estima afastada definitivamente pela crença em nós mesmos.
Agora mesmo com o nosso mundinho tomado de desastres eminentes, etnias se devorando e todo tipo de repressão caindo na Humanidade, melhor seria tomar algumas providencias benfazejas.
Que tal abandonar alguns programas de índios e sair pelas ruas e praças, lembrando-se daquelas inocentes brincadeiras de crianças?
Bolhas de sabão? Bolinha de gude? Pião?
Ou quem sabe soltar uma pipa com um longo rabo, muita linha e nenhum cerol?
Desta forma vamos jogar no lixo aquelas artimanhas traiçoeiras que nos esperam e nos dedicar, com certeza, a deixar sair da nossa alma, o melhor de nós. Mais emoções e sentimentos.
E ter mais coragem e esperança para enfrentar nossos defeitos...
Com certeza!


 
Pedro Coimbra
Enviado por Pedro Coimbra em 09/09/2007
Código do texto: T644944

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Coimbra
Lavras - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
18 textos (1291 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 02:40)
Pedro Coimbra