Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Reivindicação

Reivindicação

Fiz um poema para Natália quando ela ainda
era pequenina e dançava. Muitos já o conhecem.

Natália
maria da graça almeida

Linda!
Sua graça encanta.
Seu riso criança
devolve longínquas
as delícias da infância.

Meiga, viva, dança.
Sacode a cabeça, balança
os ombro e o quadril
como se fosse sem fio,
fina pipa de papel
leve e solta no céu.

Natália
do jardim é a dália,
flor colorida, cheia de vida!
Flor que sem os espinhos
enfeita e tinge os caminhos.

Sob a testa suada,
graciosa, dança a Dália.
E passos pequenos, miúdos
metidos em pouca sandália,
conduzem aos rodopios
a doce e meiga Natália.

Depois veio Ricardo, o moreninho.
E enfim chegou João, o clarinho .
Ricardo chorava. A lágrima era seu suporte e esporte preferidos.
Um dia, descobriu-se que seu choro traduzia ciúme. Ciúme da Natália que mais velha contava com honrarias de dama maior; do João, que menor, recebia -sob sua ótica- mais atenção e cuidados.

Quando eu soube, logo tratei de fazer-lhe um poemimha. Ricardo adorou, sentiu-se importante. Levou-o para a professora ler.Vivia com o poema, pra lá, pra cá.

Ricardo
maria da graça almeida

Assim tão bonito...
e ninguém me adula!
Não sou o primogênito,
nem sou o caçula.
Não sou o primeiro,
tampouco, o terceiro.
Sou filho do meio
e de graça sou cheio
Do tal sanduíche
sou só o recheio.
Mas...digo a verdade
e ganho a aposta:
sempre é do recheio
que todos mais gostam!


Adriana, a mãe, contou-me que os meninos, conduzidos pela irmã,navegavam no site Usina de letras- onde tenho meus escritos- uma vez que entre eles constavam os poemas dedicados
à Natália e ao Ricardo.
Achei prometedora a busca e também a curiosidade dos pequenos.

Uma noite o telefone tocou, atendi meio sonolenta.
Natália com a vozinha meiga e pausada:
-Oi, tia Gra  ça, o João quer fa  lar com vo  cê.
-Oi, querida, tudo bem?
-Tudo bem, só que o João não pá  ra de cho  rar...
- É mesmo? O que aconteceu?
- Ele vai fa lar:
- Tia Gaça... você faz pa mim um ingal do Cado?

Imaginem se não faria...
Imediatamente! E na medida do possível introduzi as mesmas palavras que utilizei nos versos ao Ricardo.

João
maria da graça almeida

Não sou o primeiro,
nem sou o do meio,
eu sou caçula
e todos me adulam.

Cabelo anelado,
risinho engraçado...
Eu sou brincalhão,
meu nome é João!

---------------------------------------
Pronto! Cada qual
com um poema do seu tamanho.

maria da graça almeida
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 12/03/2005
Código do texto: T6460
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14647 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/16 01:56)
maria da graça almeida