Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

5 am

Acordava todos os dias às cinco da madrugada, com o despertador aos berros. Sim, aos berros. Começava baixinho, dizendo: "acorda, vai trabalhar", e a cada vez que repetia, acrescentava um xingamento, e cada vez mais alto. Lá pela quinta vez, aquela voz irritante gritava muito alto um "Acorda seu filha da puta, viado, levanta da merda do colchão e vai trabalhar", fazendo irromper tumultuado de seus sonhos agradáveis; sua mãe sempre escondia o despertador em um lugar diferente, para impedir que ele simplesmente apertasse o botão e voltasse a dormir. Então levantava. Puto. Mas levantava.
Caminhava atordoado até o banheiro, acendia a luz e se olhava no espelho. (...) Contemplava sonolento sua face cansada com olheiras dignas de um viciado em heroína. Olhos matutinos, verde-musgo. Lavava as mãos, só então urinava, e voltava a lavá-las. Espelho...olheiras, sono do caralho. Abriu novamente a torneira e lavou o rosto. Aquela água gelada toda vez que tocava seu rosto de manhã, fazia seus olhos mudarem de tom, de musgo, para algo mais vivo, tipo folha. Vestiu-se, nem lenta, nem rapidamente; no seu tempo, pegou a mala e destrancou o portão, devolveu a chave e surrupiou um cigarro de sua mãe, bateu a porta atrás de si e saiu.
Era uma segunda-feira, e o machucava pensar que só conseguia viver aos fins de semana. Digo VIVER, com maiúsculas, sentir com intensidade. De segunda a sexta vivia no automático, assim, com minúsculas. O ponto alto eram as 4 horas e meia de sono diárias, onde encontrava quem quisesse, como quisesse, era livre. Mas isso são sonhos, e não há sonhos após o despertador. O maldito arauto da realidade, o que grita.
E imerso nesses pensamentos, entrava no ônibus, rumo ao trabalho. O primeiro deles. Quando dava sorte, ia sentado, o que não quer dizer acomodado, suas pernas eram grandes e mal cabiam naquele espaço. Mas isso era só o começo do estupro mental.
A viagem transcorria quase sempre sem incidentes, (quando não pegava no sono e passava do ponto, ou saía distraído antes do mesmo).
Sete e sete chegava na megalópole, descia do ônibus e fazia como todos. Corria. Atravessava o centro em direção ao terminal rodoviário, e tentava coordenar seus pensamentos com um certo reflexo necessário para desviar-se dos transeuntes. A opção 'automático', lhe tornava mais contemplativo, e mesmo depois de meses naquele lugar, ainda se deslumbrava com os edifícios, gostava de pensar que caminhava nas ruas de New York City, enquanto cantarolava baixinho a nostálgica 'someday' dos Strokes.
Terminal. As escadas rolantes estavam sempre abarrotadas, então sempre subia pelas inertes, dois degraus por vez, assim minimizava o risco de ser atropelado por alguém com mais pressa. Havia uma longa passarela, abaixo dela uma avenida, e sobre ela a correria. Passos largos, decididos, atentos, apressados. De frente vinham pessoas correndo, nem sempre atentos e muito apressados. Por vezes esbarrava em alguém e se desculpava, quando olhavam para trás, muitas vezes esbarrava e não se importavam. Demorou a descobrir o quão normal era tudo aquilo. Nada pessoal.
Seguia até seu segundo inferno coletivo. Esse o levava até a zona sul, lugar bonito. As ruas tinham àrvores (!), e haviam livrarias com café expresso, onde gostava de passar nem que fossem alguns minutos. Trabalho, modo automático, interatividade moderada e o olho sempre preso ao relógio. Quanto mais rápido aquele dia acabasse, mais próximo estaria de si mesmo. No fundo, aquilo o desgastava, o deixava em cacos. No meio da semana, seu estado já era deplorável e na sexta era quase um cadáver.
No sábado, seu coração voltava a bater, e agia totalmente aleátorio, expontâneo. Livre, caminhava lento e sereno e na direção que bem entendesse. Mas havia uma recorrente, e não se chamava norte, nem sul, nada que uma rosa-dos-ventos pudesse saber. Nem ele. Ela sabia, de certa forma tinha o controle de todo aquele furor, mas só até a página dois. Depois disso, é impossível prever o que acontece..."


marvin rosa
Enviado por marvin rosa em 11/09/2007
Reeditado em 12/09/2007
Código do texto: T648083

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
marvin rosa
Santa Isabel - São Paulo - Brasil, 29 anos
204 textos (10939 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 16:52)
marvin rosa