Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Inicio de vôo, final de caso

                                               BSB

Nove da noite. Hora mágica quando as coisas começam a acontecer. Estou em Brasília, a cidade que também é mágica, de partida se bem que não definitiva. As luzes do saguão do aeroporto acesas dão uma impressão feérica a tudo.
Ela veio me deixar aqui e já se foi.
Dirijo-me à sala AIS mais arrastando que carregando essa sacola já gasta de tantos pisos de aeroportos. Confiro os mapas meteorológicos para a minha rota, faço meu plano de vôo e enrolo o máximo que posso pois na saída da sala está meu avião ainda distante, e o pátio escuro que me espera. Escuro como ficou minha vida depois da conversa que tivemos hoje e como talvez vá ficar para sempre. As janelas da torre de controle acenam em vão suas luzes piscantes enquanto recordo: Pobre louco! Pensas que poderias construir uma vida a partir de um amor de infância ? Ilusão! Lembro das noites  que varávamos em busca de uma identidade perdida para sempre e de um amor que buscávamos racionalmente mas que já não existia porque amor não é racional. Um ano que valeu a pena pois enquanto fazíamos a busca, nos acompanhávamos. Dias em que chegava tarde e começava a buscá-la pelos `barzinhos`, de um em um até chegar em casa completamente embriagado sem encontrá-la, e dias em que ela simplesmente telefonava e a noite se iluminava pois hoje eu sabia onde encontrá-la com certeza e a volta para casa embriagado novamente, mas desta vez de felicidade. Dias em que a felicidade era completa simplesmente por estarmos juntos e dias negros em que  não conseguiamos sequer nos falar.
Agora acabou. Chegamos à conclusão de que não é amor, é sofrimento pois nesta vida agitada de aviação nunca sei onde vou pernoitar hoje nem amanhã. Elas... Ela e a Aviação. Escolha difícil, quase impossível pois meu amor é intenso da mesma forma.
Enquanto peso isto vou caminhando pela escuridão do pátio em direção ao amor maior e mais fiel que um aviador pode ter: o avião. Sua sombra me espera paciente na noite como outros iguais esperaram em outras noites também. Já está ultrapassado, mas suas asas rijas me conduziram com segurança por milhares de quilômetros e sei que ainda há muitos pela frente. Abro e enquanto espero os amortecedores da porta cederem, empurro a sacola para dentro. Subo lentamente os degraus, puxo-a e fecho-a atrás de mim com o sentimento de que estou encerrando uma etapa da minha vida. Já sentado na cabine inicio mecanicamente todos os procedimentos que fazem do avião a minha casa. Master ligado, todos os interruptores em `off` menos a chave geral dos rádios que trato de ligar.

- Torre Brasília Papa Papa Echo Papa Charlie pronto para acionar.
- Autorizado acionar, chame para o táxi.

Manetes de hélice todas à frente, potência a 1/4,  combustível cortados, master ligado inicio o procedimento de `starter` do motor direito, e o gemido familar da turbina subindo de rotação me parece semelhante à sua voz pedindo que fique e o do starter com a minha contestando `não posso`. Preciso ficar atento à temperatura por isso fecho os olhos momentâneamente para voltar a ver o frio painel com nitidez. Mesmo procedimento para a turbina esquerda mas desta vez ela me diz que não volte se não for para ficar enquanto o outro repete `não posso`.

- Echo Papa Charlie, instruções, táxi, decolagem com destino a Cuiabá.
- Pronto para copiar ?
 
As instruções da subida são transmitidas e vou anotando e repetindo de forma quase maquinal, a medida que vou iniciando o táxi para a pista dez. Porquê as coisas não podem ser mais simples ? Porque a gente tem sempre que querer modificar o ser com o qual convivemos ? Se o conhecemos daquela forma e assim o aceitamos e ficamos felizes, porque mudar as coisas ? Melhor perder tudo que ter uma parte ?
Tem sido assim sempre, e o táxi lento parece não querer deixar eu me afastar dela nem da cidade onde ela vive.
 
- Na posição dois pronto!
- Livre para a três e decolagem!

Entro na pista, alinho meu grande e agora único amor, reconfiro a tabela de torque, potência até o limite, freios soltos e inicio a corrida entre as duas fileiras de luzes paralelas que me levam para a frente e para o alto.

                                       Omar Morhy Neto
Recordações-Natal, 17/01/2004.
Corsario
Enviado por Corsario em 11/09/2007
Reeditado em 15/09/2007
Código do texto: T648341

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Omar Morhy Neto). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Corsario
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 65 anos
2 textos (364 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 16:29)