Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Farrapos, republicanos ou imperiais?

Uma das grandes contradições na História brasileira é considerar a guerra dos farrapos ou movimento farroupilha (pretensa separação do Rio Grande do Sul entre 1836 e 1845) como sendo um movimento revolucionário de indivíduos maltrajados; maltrapilhos; miseráveis; pessoas desgraçadas.
Estes acontecimentos fazem parte da grande maioria dos movimentos ditos revolucionários no Brasil. Primeira questão. Farrapos? Militares farrapos? É comum considerarmos a participação de camadas sociais minoritárias dos seus direitos políticos e sociais como sendo representativa de direitos comuns (republicanos). Segunda questão, quais eram os objetivos do movimento separatista? Impostos pesados, má situação econômica, queda do preço do couro, da carne, influência da Argentina, crise contra a Igreja (notadamente conta o Padre regente Feijó). Como podemos considerar a luta de militares brasileiros contra militares brasileiros, uma luta de farrapos? Romance ou ficção? Se pensarmos em camadas minoritárias como pressuposto da explicação farroupilha, como podemos explicar a participação em massa dos escravos na Guerra do Paraguai? O Brasil não tem tradição revolucionária, isto quando se considera uma revolução popular (exceto ao que se refere a cabanagem). Isto preliminarmente explica de forma simples, é claro, a inconsistência dos movimentos populares no Brasil.
Militares farrapos é conseqüentemente a maior das explicações do movimento positivista já presente no Brasil, as idéias liberais e ditas revolucionárias se confundem para o entendimento do termo revolucionário; que se caracteriza pela inovação, pela originalidade, pela possibilidade de renovar os padrões estabelecidos; ousado.
Más quando na realidade dos maltrajados; maltrapilhos; miseráveis pessoas desgraçadas me parecem pouco consistente. Revolução (entendimento Político), caracterizada pelo conjunto de acontecimentos históricos que têm lugar numa sociedade e que envolvem o país inteiro, quando parte dos insurgentes consegue tomar o poder, e mudanças profundas (políticas, econômicas, sociais) se produzem na sociedade. Quando na perspectiva dos insurgentes (rebeldes) as implicações são diferentes. Lembramos de Tiradentes, o único moribundo do movimento.
Quanto aos farrapos em sua essência, ou quanto àqueles que nós lembramos... O que os diferencia do Império? Farrapos, quem eram eles? Os revoltosos (em seu sentido simples) republicanos? Os imperiais? Como diferenciar as fardas? As bandeiras (que inicialmente em batalha eram idênticas)? O vinho? A carne? Quem eram eles, os farrapos? Romance, sonho... Só uma ilusão revoltosa da mente, aristocratas de primeira linha, diversão para todos os gostos.
Alessandro Barreta Garcia
Enviado por Alessandro Barreta Garcia em 16/09/2007
Reeditado em 19/10/2008
Código do texto: T655272
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alessandro Barreta Garcia
São Paulo - São Paulo - Brasil, 40 anos
68 textos (27860 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 13:55)
Alessandro Barreta Garcia