Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Síndrome de Shakespeare

Eles virão me buscar e espero que demorem até o apocalipse... (no quarto do hospital).
A maca desliza barulhenta pelo corredor, vejo as luzes que vão chegando e indo embora e penso que talvez este corredor seja tão grande que desistam no caminho... (no corredor do hospital).
Dou de cara com uma imagem religiosa, e eu peço a todos, todos os santos que me protejam e que façam o pequeno milagre de não permitir que a porta se abra... (em frente ao elevador).
Lá vem um médico e tenho certeza que ele irá me dizer que descobriram a cura para todas as doenças, não dou muita sorte, é o anestesista. Que os deuses guiem suas mãos, deuses, orixás, orixás, deuses...(na sala de preparação para cirurgia). Ele pergunta calmamente o que pode fazer por mim, para que eu me sinta melhor, penso que se ele deitasse no meu lugar e passasse pelo que passarei e resolvesse meu problema, já seria uma boa coisa, mas é claro, eu quero o impossível...(já na sala de cirurgia, ainda lembro de Odair José).
Abrem meus braços como se eu fosse um cristo e exatamente ali admito que se a humanidade dependesse de mim, estaria perdida... Eu não alcanço nem as palavras nem as escolhas de Jesus, o Cristo, por isso peço perdão aos dois ladrões, o bom e o mau...Minha humanidade faz com que eu me agarre desesperadamente a todas e quaisquer possibilidades. Aquele homem vem em busca de uma veia com a mesma ânsia de um vampiro, claro! No que poderia pensar naquele momento?...(na mesa de cirurgia).
Há um corredor enorme e meus ouvidos que viraram uma arma de guerra, escutam cada som que vem dali e dentro do meu coração sei quando quem chega é o médico que terá minha vida em suas mão por alguns segundos... (na mesa de cirurgia, quase fazendo um pacto com o capeta).
Naquele estado desesperador penso que seria melhor mesmo morrer, houve um grande caminho para chegar ali no limite. Pensamentos misturam-se as cores das luzes que acendem sobre mim. No instante que abro os olhos a primeira palavra que me vem é: NÃO! Eu não quero morrer ainda não, e tenho minhas dúvidas se um dia irei crer que chegou o tal do momento... (no pós-operatório)
Esta coisa de dizer que se quer morrer, a gente só diz quando está bem longe, muito longe de estar doente, mesmo que a doença seja um resfriado; na hora que o bicho pega, ah! Eu vi gente se mijando de medo, ah, se vi!!!
Rose Stteffen
Enviado por Rose Stteffen em 18/09/2007
Reeditado em 21/04/2011
Código do texto: T658090
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Rose Stteffen). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rose Stteffen
São Paulo - São Paulo - Brasil
1306 textos (175868 leituras)
11 áudios (1658 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 01:25)
Rose Stteffen