Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Café da manhã

Café da manhã

 
Nunca Márcio acordara tão abatido, como naquela quinta-feira, 12 de setembro, com a boca seca, garganta dilatada e pernas bambas.
O aparelho de tevê ainda estava ligado e as emissoras transmitiam os jornais matutinos revivendo o grande drama da véspera.
Sentou-se à mesa e serviu-se de suco de laranja, coalhada síria, presunto e pão francês.
Nem de perto este desjejum parecia com o dos seus amigos muito pobres, dos tempos de infância, vindos da Bahia, que se serviam de água de pó de café ralo e farinha de pau, que era como denominavam a farinha de mandioca.
Márcio estava muito triste, melancólico mesmo com os rumos da política brasileira.
Pensava no seu tempo de estudante em Belo Horizonte, participando de assembléias e passeatas sem fim, em defesa da Democracia e contra a Ditadura Militar.
Idealizara desde então o homem público ideal. Com serenidade, mas sem ser apático. Prudente, mas sem denotar fraqueza, hesitação ou medo. Defensor da honestidade e da sinceridade. Corajoso, sem ser temerário.
Décadas passadas chegava à conclusão que os homens públicos brasileiros marchavam na contramão destes princípios, da História e da opinião pública.
A mídia tornou-se o grande investigador dos poderes constituídos em todas as esferas. Felizmente...
Lembrou-se então da história do Padre Antônio Vieira pregando em Lisboa o "Sermão do Bom Ladrão", diante de D. João 4º e sua corte.
Imaginou o desconforto do auditório, constituído de juízes, ministros, conselheiros da coroa e os mais altos dignitários do reino, ouvindo Padre Antônio Vieira falar de ladrões e ladroeiras públicas.
"Nem os reis podem ir ao paraíso sem levar consigo os ladrões, nem os ladrões podem ir ao inferno sem levar consigo os reis. O que vemos praticar em todos os reinos do mundo é, em vez de os reis levarem consigo os ladrões ao paraíso, os ladrões são os que levam consigo os reis ao inferno.
Prosseguirei com tanto maior esperança de produzir algum fruto quanto vejo enobrecido o auditório de tantos ministros de todos os maiores tribunais, sobre cujo conselho e consciências costumam se descarregar a dos reis".- disse Padre Antônio Vieira.
“Pela exaustão proveniente da corrupção, em todos os escalões da vida nacional, o modelo político acabou, mas não podemos pensar mudá-lo neste cenário e com estes protagonistas, pois são poucos os homens públicos que fugiriam a pecha de egoístas” , raciocinava Márcio.
Lembrou-se do pensador Maquiavel: Virtú e fortuna são os conceitos-chave para a ação política do indivíduo.
Virtú é a qualidade do homem que o capacita a realizar grandes obras e feitos. É a força de vontade, a motivação interior, o carisma que induz o homem a enfrentar a fortuna. Esta significa o acaso, o destino cego, o fatalismo, a necessidade natural, o curso da história. O homem de ação, ou seja, o homem político, se move entre essas duas forças. A fortuna apresenta a oportunidade que, sem a virtude, seria desperdiçada; a virtude, sem a ocasião, seria inútil. As qualidades do homem político têm a ver com sua capacidade de apoderar-se da oportunidade, não ficar sujeito às surpresas do acaso.
Nesta manhã de quinta-feira, 12 de setembro, quando o Senado brasileiro ficou menor, Márcio pensava como seria o nosso futuro.
E sua enxaqueca aumentava cada vez mais...
 
Pedro Coimbra
Enviado por Pedro Coimbra em 19/09/2007
Código do texto: T659358

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Coimbra
Lavras - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
18 textos (1291 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 03:32)
Pedro Coimbra