Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Guerra no Coletivo

- Alcides! Manda passar o elemento!

- Sim senhor, delegado.

- Então, o senhor foi acusado de agredir o passageiro que estava ao seu lado no ônibus Porto Alegre - Rio Grande. O senhor pode ser condenado por lesões corporais. Que justificativas o senhor alega?

- Bem, não cheguei mesmo a agredir o rapaz. Falseei o pé na escada e acabei empurrando o cara na escada do coletivo.

- Mas, ele alega que o senhor vinha implicando com ele a viagem inteira.

- Não é verdade, seu delegado. Foi ele quem inticou comigo, desde o começo. Quando cheguei para me sentar, ele tinha colocado uma baita sacola entre as pernas e o pé dele estava ocupando o meu espaço. Daí eu pedi para ele colocar a sacola lá em cima, no bagageiro. Ele disse que não cabia. Eu retruquei que ele, então, colocasse ela no bagageiro externo. Ele resmungou um pouco e saiu com a sacola. Quando voltou, levantei para ele passar e tudo e ele, mal-agradecido, sentou, cruzou as pernas e enfiou um tênis sujo pro meu lado. Ah, não prestou! Eu bati na perna dele e disse que ele devia descruzar a perna porque estava invadindo o meu espaço, de novo. Ele me olhou com raiva e se encolheu. Daí, eu peguei o meu gibi do Homem-Aranha para ler e ele pegou o Diário Gaúcho e abriu bem as páginas. Ia lendo a coluna esportiva e aquela folha me cutucando na cara. Foi me dando uma agonia, mas eu me cheguei mais pro lado e decidi esquecer. Daí a pouco, o motorista ligou a televisão. Era um filme dublado, uma comédia sobre uma barbearia de negros nos Estados Unidos. Não sei se o senhor viu, não é ruim, mas eles passam esse filme toda a viagem que eu faço. Não agüento mais ouvir as mesmas piadas. Aí, eu resolvi ouvir música no Ipod que o meu filho me deu de Natal no ano passado. O rapaz do lado olhou com inveja. Ele puxou o celular e começou a experimentar os toques do telefone. Eu olhei pra ele com cara de brabo e uma senhora atrás reclamou e ele parou. Daí a pouco, começou a jogar videogueime com o celular, uma musiquinha irritante que passava pelos meus fones e atrapalhava. Eu estava ouvindo o último CD da Teresa Cristina – Delicada – não sei se o senhor conhece.

- Não, nem sei quem é. Mas, isso não vem ao caso. Continue. Mas apresse essa história!

- Mas eu tenho que lhe contar em detalhes, senão o senhor não vai me perdoar! O tal barulhinho era irritante só pra mim pelo jeito, porque a tal senhora não reclamou desta vez. Aí eu desliguei o Ipod e resolvi dormir um pouco. Foi aí que começou a guerra de cotovelos. Ele queria colocar o braço no apoio do meio das duas poltronas e me empurrava. Eu botava o cotovelo mais pra frente e logo vinha ele. Tirei o cotovelo do apoio pra poder dormir e ele resolveu que era dono de tudo, recostou a poltrona, cruzou os braços no peito, e fincou o cotovelo no meu braço. Eu desisti de dormir e peguei, na mochila, um pão de queijo, que eu comprei na rodoviária, já que o ônibus não pára mais no Grill, nem pra gente mijar. Eu acho um desaforo, mas tem gente que prefere, pra chegar mais cedo em casa. Foi então que ele derramou a gota no copo d’água cheio. Não é que o cara tira um pacote de Beiconzitos da bolsa e começa a comer?! Crock, crock! E o cheiro, seu delegado! Aquele troço tem um cheiro insuportável. Me deu uma raiva! Uma raiva!... Quando a gente saiu o ônibus, deixei ele ir na minha frente e, sem querer, falseei o pé na escada e empurrei o cara. Ele deu de fuça numa coluna. Nem se machucou muito. Tá fazendo onda... Vai ver que a raiva dele foi porque eu não deixei ele sair pra ir ao banheiro do ônibus. Fingi que estava dormindo...

- Alcides! Libera o elemento. Cheiro de Beiconzitos é uma justificativa mais que plausível...
Taba Lucas
Enviado por Taba Lucas em 28/09/2007
Reeditado em 28/09/2007
Código do texto: T672037
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Tabajara Lucas de Almeida). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Taba Lucas
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 68 anos
66 textos (11581 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:43)
Taba Lucas