Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Vazio Eterno

                 
                   Onde foi parar o amor? Aquele que nossos pais e avós assumiam para toda a vida? O tal do amor eterno, mesmo que eterno só enquanto dure como quis nosso poetinha camarada?
                  Na verdade para onde diabos foi a eternidade de nossos sentimentos, da amizade, da cumplicidade, do afeto?
                 Se der para perguntar por aí de porta em porta, se o tempo anda rápido demais, duvido quem negue ou deixe de reclamar que não há mais tempo para nada.
                  Mas o que mudou: a física ou o coração do homem?
                  Não sou física, portanto vou apostar na mudança do coração do homem, dizendo que hoje não somos mais “eternos”, assim deixamos de ser universais.
                  Hoje somos o momento.
                  E o momento tem de ser perfeito, pleno, temos de satisfazer nossas ansiedades, necessidades, tem que valer a pena  constantemente, senão não se vive. Será? Tenho cá minhas dúvidas.
                 Lembro quando menina que meu avô, após o jantar, sentava-se como um pássaro repousando na varanda da casa de minha tia,  enrolando um cigarro de palha, não dizia palavra, ficava em absoluto silêncio, absolutamente entretido com a simples e prosaica atividade.
                   Não criava nada, não discutia com ninguém, não chamava ninguém para lhe fazer companhia, permanecia em silêncio, terminava de enrolar o dito cigarro, dava longas tragadas, e, quando acabava olhava para o nada, respirava; ficava serenamente fazendo absolutamente nada.
                   Meu avô era dono do seu dia, e nele continha o universo, e neste cabiam  momentos de absoluto vazio, e sua mente repousava, sua alma respirava sem perder ou ganhar nada.
                   Talvez, e só talvez, essa nossa ganância por ter o melhor companheiro, a melhor festa, o melhor momento, torne o tempo insuficiente, e a nós mesmos permanentemente insatisfeitos.
                   Não é possível, acredito eu, ter um casamento, um namoro, ou mesmo um amigo, baseando-se na troca. È comum ouvir de casais, ou amigos estremecidos a frase: eu investi muito e recebi pouco.
                    Investiu o que? Não é um mercado de ações, uma transação comercial, não se declara imposto de renda de sentimento.
                    A gratuidade do afeto, a serenidade da compaixão, a franqueza da solidariedade, fazem parte de princípios universais que permitem silenciar a nossa angústia pelo futuro, pelo amanhã.
                    Não é necessário temer a solidão, a falência, o desamparo se vivermos na sociedade que afirma estes princípios, pois eles admitem a imperfeição, a possibilidade do novo realmente novo.
                    Não importa quantas horas de trabalho, mas a real qualidade do trabalho, não importa  o número de “eu te amo” dito pelo amante, mas certeza do sentimento.
                   O sucesso  almejado a todo minuto, em todos os momentos, como um jogo que termina e recomeça a todo o momento, encurta o tempo e não permite que tenhamos os necessários momentos de vazio, de silêncio, onde nada é buscado ou desejado, onde descansamos.
                   Deste vazio surgiu o universo, e, é, deste vazio que surgem as idéias revolucionárias, o novo nunca tentado pelo simples fato de pararmos para descansar a nossa tão fatigada alma.
                   Talvez a felicidade não esteja na busca incessante pela satisfação plena, pelo momento perfeito, pelo sucesso, mas no silêncio, na aceitação da imperfeição e no reencontro dos princípios universais do amor, da solidariedade, da compaixão, que marcam o compasso do tempo sem temor algum do amanhã.
                   O ser universal, contém o seu dia, porque se permite saber seu começo meio e fim, sem se entediar e sem deixar de criar a sua própria humanidade e urbanidade.
ana jacinta
Enviado por ana jacinta em 02/10/2007
Código do texto: T676879

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ana jacinta
Curitiba - Paraná - Brasil
8 textos (560 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 06:50)