Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As almas das flores

Essas noites quentes que antecedem o verão
quase sempre fazem a gente deixar 
a janela aberta p
ra arejar.
Eram quase 6h da manhã e por ela
entrou uma luz amarela,
brilhante, forte.
Linda, como as luzes das estrelinhas 
das fadinhas da minha infância.
Banhou-me. Invadiu minha alma e me fez sentir.
Tua alma é mais do que você imagina, ela dizia.
As pessoas te amam de uma forma muito verdadeira.
Você inspira isso. O que cada um sente em você é solidão.
Tanta capacidade sem expansão.
Sobressaltei!
Corri pra janela e avistei no meu horizonte
um pé de ipê amarelo.
Distante, lindo, meio torto e solitário.
A mesma voz continuava:
 - Ele na verdade parece você,
todo glamouroso, forte, um pouco triste.
Eu pasmo, já chorando de novo,
igual fui dormir ontem por sua ausência,
perguntei: quem é você?
- Sou a alma das flores do Ipê amarelo.
Eu sou a luz do sol.
O mesmo sol que brilha todos os dias
na esperança
de que aproveitemos seu brilho.
Faça isso, dizia ela,
por ti...
por mim...
por todos que te querem bem.
Augusto Servano Rodrigues
Enviado por Augusto Servano Rodrigues em 09/10/2007
Reeditado em 09/10/2007
Código do texto: T687225

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Augusto Servano Rodrigues
São Paulo - São Paulo - Brasil, 69 anos
156 textos (50681 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:51)
Augusto Servano Rodrigues