Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Subindo e descendo o Morro do Ouro


[SUBINDO]

Quando anunciei em casa que ia subir o Morro do Ouro, para fazer uma visita à Igreja da Sagrada Família, Betinha não escondeu sua preocupação.

"Vá bem-vestido", disse ela. "Os moradores dali andam muito impacientes com estranhos."

Bem-vestido!

Lá estava eu, na frente dela, pedindo sua opinião — bermuda de linho branca, sandálias de couro de búfalo (búfalo clonado, bem entendido) e camisa pólo cor de mostarda, além de minha bolsa de cânhamo, já famosa nesta terra de contrastes que é a Ilha do Governador. Por fim, toda esta pinta de anarquista mitigado que o morro talvez viesse a confundir com o que há de mais inócuo sobre a face da Terra.

Ainda assim, mesmo subestimando os temores e tremores de Betinha, não era prudente desconsiderar que entre o sopé e a igrejinha branca no topo da ladeira a barra podia ficar bastante pesada para o transeunte solitário, em meio ao insidioso silêncio da ruazinha deserta.

Quantas janelas não estariam de olho no pobre forasteiro do asfalto! Podia ser um pecador buscando o socorro da igreja, alguém que se enganara quanto ao endereço da ACM, ali perto, ou até mesmo um falso insulano preparando futuros assaltos a residências, coisa tão comum entre nós nos últimos tempos.

Sim, porque o Morro do Ouro é um morro de classe média, com seus prédios de apartamentos caros e casarões de bacana. Dá um medo danado passar sozinho por ali, sob a desconfiança universal de tanta gente fortificada atrás de seus muros altos e seus portões de ferro, sem falar na exasperada e barulhenta vigilância de grandes cães de guarda.

Bem-vestido!

Betinha tem razão. Vão pensar duas vezes quando o cronista passar, de onde quer que o estejam observando, e talvez até apareçam em suas janelas e varandas para cumprimentá-lo amistosa e civilizadamente. 


[DESCENDO]

Quatro da tarde.

Volto à Igreja da Sagrada Família, no alto do Morro do Ouro, e escrevo no adro, à sombra de uma velha mangueira. Além de mim, ninguém no pedaço. Gosto disso.

Há dois ou três minutos o sacristão veio dar uma espiada na pinta do cronista, fingiu concertar uma bola de pedra na mureta do adro, mais pesada do que ele, e afastou-se com um ar de neutralidade que me pareceu bastante tendencioso. Não posso culpá-lo. Em sua velhice de padre eterno, nos últimos 93 anos — a igrejinha branca é de setembro de 1913 — deve ter afugentado muitos casais de namorados que buscavam a solidão do matagal em volta e chamado a polícia para um sem-número de adoradores do grande barato.

Azar. Estou em outra. Ora anoto uma linha de minha crônica, ora contemplo, lá embaixo, o belo arco da Praia da Engenhoca repleta de banhistas na areia e nos quiosques. Na água, só os corajosos de sempre, em geral crianças, e uma grande festa de barcos e traineiras dos pescadores do lugar. Mais adiante, não longe da costa, a Ilha d'Água, inteiramente desfigurada depois que a Shell instalou ali — quem deixou? — seus imensos latões de óleo bruto. De onde estou, forçando um pouco a barra, a ilha parece um trombone em decúbito dorsal.

Próximo à velha oficina de lanchas, hoje um casarão sem estilo, um vulto de mulher acaba de atravessar a rua em direção a um quiosque. Daqui do alto, só percebo o balanço inconfundível do corpo e a nonchalance das deusas ensolaradas quando se misturam aos simples mortais. Dizem que são generosas com os poetas.

É melhor descer. Descer e conferir.



[18.3.2006]
Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 14/10/2007
Reeditado em 14/10/2007
Código do texto: T693855

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 69 anos
166 textos (17319 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 10:20)
Luiz Guerra