Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Alice todos os dias

A chuva lava as ruas.
Observo-a pela janela, entre uns goles de xingu e o sono.
Carregará consigo restos de lixo, deitará aos esgotos uma micelanea de fluidos e dejetos, humanos ou não, proporcionando festa às baratas e aos ratos, os mesmos que passeiam alheios aos nossos olhares ( fossemos gatos...), pelas ruas de Iracema.
Uma descrição da peste negra - imagem de terror recorrente -fruto da ultima leitura da noite vem à mente.
O medo das pestes, o mundo das torturas, as alucinações que senti nas catacumbas de Paris.
Medo.
Como serão os subterrâneos de minha mente?
Labirínticos, infindáveis, negros?
Que momento é esse, quando retorno ao gosto pelo gótico?
Continuo alinhando-me às descrições e aos sinais porque há um teatro subjetivo, um não sei quanto consciente, onde causas e consequencias se confundem.
Sei que há um script a ser seguido, palavras expressas, palavras impressas, o comando subliminar que proporciona sensações intensas mas diversão garantida, um trem-fantasma psicológico.
Alice todos os dias.
Anete Antunes
Enviado por Anete Antunes em 11/11/2005
Código do texto: T69992
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anete Antunes
Fortaleza - Ceará - Brasil, 51 anos
8 textos (602 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:37)
Anete Antunes