Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cuidado com o que você pede

Lembro quando eu era muito pequena e minha avó dizia:
- Cuidado com o que você pede!!!!
Não entendia, afinal de contas se estou pedindo é porque quero, então que tolice era aquela!?
Hoje entendo bem porque os mais velhos são considerados sábios!
Entendo também o valor dessa recomendação.
CUIDADO,MUITO CUIDADO, COM O QUE VOCÊ PEDE!
Há uns 4 meses atrás, entrei em um processo doentio de urgência de afeto, não suportava mais um segundo de solidão e ter como hino :
“Eu hoje acordei tão só mais só do que eu merecia”, estava quase pedindo para Oswaldo Montenegro pagar os direitos autorais.
Decretei que cama vazia só quando eu estivesse trabalhando, ouseja fora dela. Ora, cama de casal é para casal, o próprio nome já diz.
Percebi que minhas armas estavam se esgotando ou estavam sem munições, então resolvi apelar para fé e nada mais justo que para o Santo casamenteiro, Santo Antônio.
Agarrei com fervor em uma novena, como sempre tive a dúvida se novena são 9 dias ou nove semanas, fiz 9 dias seguidos e nove semanas também.
Não falhei um santo dia, caso fosse para rua, pedia perdão para o Santo e fazia a reza mais cedo, não ia rezar bêbada né? Até por que para um embriagado tudo está bom mesmo, e eu tinha minhas exigências.
Repetia a ladainha de exigências com muito rigor, faltei desenhar para que o meu padroeiro não interpretasse nada errado, já que, DEUS perdoe-me, mas Santo Antônio é meio gágá.
Tipo se você pede um homem louco por você, ele manda um homem louco de insanidade, agora
“ por você” é uma outra história, vai depender se o Santo souber interpretar ( muito raro), pois a criatura não vai ser louca por você, vai ser louca por que simplesmente é patologicamente louca e você vai ser a cura e depois de um tempo a causa.
Mesmo já escolada, mantive minha novena, tinha um cuidado para falar, quase contratei um fonoaudiólogo para ajudar para que eu não engolisse nenhuma vírgula e fosse mal interpretada. Só que esqueci dois itens um tanto quanto importante:
*Um homem bem financeiramente... de preferência rico, tudo bem não precisava ser o dono do mundo, mas que pudesse ao menos pagar todas contas das nossas saídas e que uma vez por mês me levasse para viajar. AAAAAAAAAAAAAAAAH!
*Um homem que eu admirasse, tanto que a paixão fosse uma conseqüência e não uma resposta insana da urgência de meu afeto.
Na quarta semana, Santo Antônio atendeu minha ladainha incompleta, mandou o namorado pobre e que eu não conseguia admirar nem um pouco.
No começo foi até bom....hum...toda novidade é boa. O pior é que teve dia que o namorado estava na minha cama de casal e era dia de seguir o ritual, então eu catava a reza e ia para o banheiro, o que estava na cama achava que estava morrendo ao banheiro e o Santo deveria pensar: - Menina burra, eu já entendi!!!!
Porque eu fazia a reza com o mesmo fervor de quando eu não tinha namorado.
No começo eu até achava normal pagar a conta, afinal MEU NAMORADO estava a 10 dias no seu novo e primeiro trabalho de carteira assinada ( ele tem 30 anos {??}), até isso eu achava bonitinho....

PUTA QUE PARIU!!!! Início de namoro para "velho" é algo totalmente desaconselhável, porque o desespero é tanto que tudo passa, tudo é tolerável....e tudo vai ser melhor!
Até que as coisas começaram a apitar dentro de mim, na verdade parecia que tinha uma tribo indígena habitando meu interior, até que um dia lá pelas 4 horas da tarde depois de dar uma aula fudida, fui fumar um cigarro e vi 5 ligações não atendidas no meu celular.
Detalhe: ele ligava a cobrar (não usem isso contra mim).
Resolvi ligar para ver o que era, nesse momento não foi uma apitada só, foi a morte do pajé tamanho o a bagunça que virou meu âmago a hora que eu ouvi:
Ele: - Amor temos que sair para comemorar. Pedi demissão.
Eu: - Como assim? ( começou a dança da chuva).
Ele: Na verdade não pedi, levantei e fui embora e deixei um cliente falando sozinho, aquilo lá não é para mim, eu sou muito para aquela empresa.
Mais um detalhe: Era uma mega multinacional.
Eu ( Enterrando o pajé): Ok Amor, você tem mesmo que seguir seu coração, vamos comemorar sim. (EU PAGO... pensei ).
Os dias foram passando, o namoro arrastando e eu pagando...
Todas às vezes que eu chegava em casa e via a imagem de Santo Antônio, eu falava: -BURRO!
Como nem sempre tenho dinheiro para esbanjar, muitas vezes ele me levava para os bares mais risca faca que um setor ou bairro pode ter, tipo eu não podia passar um simples rimel pois corria o risco de ofender as moças do setor que geralmente tinha acabado de largarrrrr o serviço e ido tomar um dedo de pinga.
Três meses de namoro, e a frase que povoava minha mente era: Vai trabalhar vagabundo!

Até que no dia do meu aniversário de 33 anos acordei como se tivesse nascido de novo, ele tinha viajado para vacinar os gados da fazenda penhorada dele e o número de gados eram 3. (???)
( Pessoas, nada contra pobre, mas pobre metido a besta e vagabundo NÃO!!!!)
Esse renascer só pedia uma coisa: ACABA!!!!! não é ele e nunca vai ser, pois nem o corpo nem a alma quér, perder tempo é coisa para gente que não tem o que fazer e não sabe o que quer, só nos apaixonamos por algo que nos toca a alma e para isso urge admiração, caso contrário é coisa muito pouca.
Cinco segundos, depois da decisão, tudo voltou ao normal e ficou leve. Nessa hora Santo Antônio e os Pajés fizeram festa e eu também para comemorar meu aniversário.
Nada contra esse moço, até torço muito pela sua felicidade.
Mas como eu sempre acho que tuuuuuuudo tem seu lado positivo, tirei uma grande lição dessa história toda: SE PEDIU AGÜENTA!!!!!

Hoje estou no maior caso de amor com a solidão e faço essas as minhas palavras:
“Se não for para me fazer voar bem alto, por favor, nem me faça tirar os pés do chão.”
(Lembrando: para fazer voar tem que ter asas.)

Ps: Santo Antônio não estou pedindo um pássaro.rsrsr


Lo
Enviado por Lo em 20/10/2007
Reeditado em 30/03/2010
Código do texto: T702280

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lo
Goiânia - Goiás - Brasil, 42 anos
14 textos (1150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 16:04)
Lo