Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Diário de uma adolescente - Parte I

Havia momentos de fragilidade,
Solidão e medo.
Doença impedindo-a de caminhar,
Desfazendo sonhos.
Épocas difíceis, daquelas que um dia, mais cedo ou mais tarde passaremos, ou não.
Uma família classe média achatada por planos e reformas,
Família enorme porque composta de povo.
Pessoas doentes em casa, alguns muito mal.
E ela não podia dar-se ao luxo para frescuras, febres e dores de barriga, colinho quente da mamãe, denguinho e remedinho a tal hora na boquinha,
Jamais!
Mas ela queria isso.
Não podia, mas queria mandar o mundo todo se explodir e ficar com eles inteirinhos só para ela.
Dane-se a fome e a miséria social, Tinha fome de atenção, De toda a atenção do mundo.
Não sabia como se portar,
Era uma mocinha,impelida a abraçar suas bonecas, mimá-las dar-lhes carinho e conversas.
Bobagem! As bonecas eram simplesmente objetos de representações ideológicas,
Mas que reinaram em sua fantasia durante toda vida de até então.
Crises de humor e choro, Refeitos em poucos minutos,
Olhos secos e brilhantes.
Eles tinham contar a pagar...
Tinham que trabalhar muito para garantir um futuro mais digno para ela...
Tinham de estar atentos às mudanças sociais, econômicas e políticas do país, Interferiam nisso ao modo deles.
Havia pessoas que deles precisavam
Pessoas carentes, doentes, que não podiam aparecer.
E ela?
Ela era uma menina mimada, burguesa, egocêntrica,
E vivia um terrível conflito: sua satisfação pessoal estava Em guerra Com os valores humanitários que aprendeu a carregar no peito.
Pessoas morrendo, Sendo torturadas, Perseguidas, Assassinadas.
E ela queria um sorriso, Um carinho.
Egoísta!
Arrependia-se de tais pensamentos,
Pedia perdão para o invisível,
Escondia-se na cama,
Nem mesmo sabia, ao certo, de que,
Talvez fosse dela mesma, Ou de seus pensamentos.
Magdala Moreira
Enviado por Magdala Moreira em 04/11/2007
Código do texto: T722609

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria de Magdala Cascabulho Moreira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Magdala Moreira
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
106 textos (10257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 01:56)
Magdala Moreira