Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

País abençoado (I)

   Nascemos e vivemos em um país abençoado. Já ouví essa frase, se não me engano. Mas, de uns tempos para cá, aliás, muito tempo, tenho pensado que o Brasil não é tão abençoado assim. Seriam diversos os aspectos que poderiam ser abordados para justificar o que tenho pensado.
   Por agora quero me ater ao ambiente político. Estamos convivendo com a existência, simultânea, de três CPMIs instaladas no Congresso Nacional. No princípio delas e durante algum tempo, eram motivo de expectativas esperançosas por parte da população desse país "abençoado". Afinal, um deputado havia feito uma séria denúncia: o partido do governo estava "comprando" o voto de parlamentares, para que ajudassem a aprovar as matérias oriundas do Planalto.
   A audiência televisiva das sessões das CPMIs batia recordes. Grande parte do povo comentava, entusiasmada, sobre os depoimentos de "depoentes" que, em geral, podiam mentir, protegidos que eram por cautelas judiciais. Os membros das comissões, quer da situação, quer da oposição, usavam e abusavam ao fazer suas perguntas aos íntegros depoentes. Era um espetáculo. Pareciam astros e estrelas do cinema diante das câmeras da televisão. Faziam discursos, falavam de suas vidas pessoais, dos seus feitos ou lutas em benefício de causas nobres, etc., etc..
   Os nobres parlamentares, excelências, também discutiam entre sí, ou seja, os aliados do govêrno e os do contra. Em resumo, objetividade zero. Nenhum planejamento, nenhuma disciplina, pouco conhecimento, pouca educação, enfim, uma baderna. Não tinham foco em coisa alguma e ficavam alí, horas e horas, "trabalhando", às custas dos impostos que pagamos e que lhes enche a pança.
   Agora, meses decorridos e muita falação, chegaram a uma brilhante conclusão: alguns partidos ou alguns políticos se utilizam de verbas não contabilizadas nas suas campanhas eleitorais. Em outras palavras, utilizam-se de recursos financeiros não declarados ao TSE ou aos tribunais regionais eleitorais.
   Belíssima conclusão. Até hoje sempre pensei que os políticos gastavam exatamente aqueles valores que informam ao tribunal. Como eu sou ingênuo.
Augusto Canabrava
Enviado por Augusto Canabrava em 16/11/2005
Reeditado em 21/03/2006
Código do texto: T72584
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Augusto Canabrava
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
77 textos (10686 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 19:04)
Augusto Canabrava