Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENFIM OS 40!

         Ana Beatriz acordou naquela manhã com uma vaga sensação de que sua vida estava recomeçando. Sentia um leve enjôo e algumas dores pelo corpo, conseqüência de alguns “drinks” a mais, e de ter, em algum momento da festa de seu aniversário, encarnado Olivia Newton John, chamado seu cunhado de John Travolta e representado com ele uma das cenas musicais de Grease - Nos Tempos da Brilhantina. Que mico! Nos Tempos da Brilhantina..., pensava ela envergonhada enquanto suspirava. Também, festa de 40 anos queria encarnar quem? A Pink? Perguntou a si mesma, para em seguida enterrar a cara no travesseiro.
         Aos 33 anos, Ana Beatriz se questionou pela primeira vez sobre como se sentiria com o passar dos anos. Mesmo com a proximidade dos famosos 40 anos, ela continuava sentindo-se jovem, muito jovem, e nem se preocupava com isso. Lembrava sempre que, aos 15 anos, costumava observar as mulheres mais velhas, e naquela época, uma mulher de 30 era uma mulher já muito madura, usava esmalte vermelho e se vestia de maneira formal ou, às vezes, de maneira bastante sedutora. Ela mesma costumava dizer que quando fizesse 30 anos iria usar esmalte vermelho. Só que o tempo passou, e como suas amigas, continuava usando jeans, camiseta e tênis... E nunca passou esmalte vermelho.
         Agora estava com 40 anos, 17 de casada e dois filhos: Maria Eduarda de 5 anos e Pedro Henrique de 7. Ela e seu marido Mauricio optaram por ter filhos mais tarde porque queriam viajar muito, fazer aperfeiçoamento nos estudos após concluírem a universidade e construir uma carreira sólida. Mauricio tornou-se um grande cirurgião e Ana Beatriz uma pediatra respeitada, admirada e querida por colegas de profissão e pacientes.
          Naquele dia não havia nenhuma consulta marcada em seu consultório e ela ficou preguiçosamente ensaiando o início do seu dia; o quarto estava tão aconchegante que teve vontade de voltar a dormir. Mas não podia porque seus filhos logo chegariam da casa da avó onde passaram a noite e exigiriam dela atenção, carinho e disposição para muita brincadeira. Seu marido tinha viajado cedo a trabalho e ficaria dois dias fora. Pensando nisso levantou-se e foi direto para o banho. A ducha fria logo a deixou animada e bem disposta, e já nem pensava mais em crise dos 40. Isso tudo é bobagem e o que vale é nossa idade interior .
          Saiu do banho, olhou-se no espelho e ficou feliz com sua imagem. Era uma mulher bonita e estava em forma para alguém que não freqüentava academias mas que se preocupava com seus cuidados básicos. Vestiu uma roupa confortável e antes que terminasse de ajeitar o cabelo, ouviu as vozes e risadas das crianças no corredor. Invadiram seu quarto e se jogaram em seu pescoço. Passaram o resto do dia conversando, brincando, assistindo desenhos no DVD e comendo muita bobagem. No começo da noite as crianças estavam exaustas e Ana Beatriz exultante como uma adolescente.
            As crianças não iam muito cedo para a cama, então jantaram juntos após o banho e sossegaram no quarto.
            Ana Beatriz também se recolheu pois iria iniciar seu ritual de beleza de todas as noites, para depois deitar e ler um bom livro, seu “hobbie” predileto.
            Estava lavando o rosto quando percebeu Maria Eduarda se aproximando bem devagar.
            - Mamãe, posso ficar com você? Prometo que fico quietinha.
            Ana Beatriz assentiu e colocou a menina sentada ao seu lado.
            Passou um creme de limpeza que depois retirou com lenço de papel. Pegou então uma loção para diminuir a oleosidade da pele e passou por todo o rosto com um chumaço de algodão.
             Percebeu que Maria Eduarda observava cada gesto seu com atenção, e imaginou o que a menina estaria pensando nesse momento. Com certeza pensava que a mãe é a mulher mais bonita do mundo - todas as filhas pensam isso das mães. Também devia considerá-la a mulher mais inteligente do mundo.
            Olhou para a filha e piscou. A menina retribuiu com um sorriso e uma piscadinha meio desajeitada e linda.
            Virou novamente para o espelho e arriscou pensar que a filha deveria vê-la como a mais bela rainha dos contos de fadas. Sentiu seu peito inflar e sorriu orgulhosa.
            Pegou então seu último creme: um anti-rugas caríssimo e muito famoso. Começou a passá-lo em movimentos circulares pelo rosto e pescoço, e pôde observar pelo canto do olho que Maria Eduarda cruzava as perninhas e apoiava as mãos no queixo. Foi então que pela primeira vez a menina manifestou sua curiosidade:
             - Mamãe, o que é isso?
             - É um creme muito bom para a pele minha filha.
             - Mas para que ele serve mamãe?
             - É para evitar que apareçam no rosto aquelas marcas feias sabe, as rugas – respondeu sorrindo.
             - E porque não adianta mamãe?
             “Cadê o chão? Meu Deus! Isso que vejo no espelho sou eu ou um Shar Pei?”.
             Sem conseguir desgrudar os olhos do espelho foi fechando o pote de creme, virou-se para a filha e disse carinhosamente:
             - Filha, hora de dormir. Amanhã a gente conversa tá. Dorme com Deus e tenha lindos sonhos.
            Assim que a menina saiu, Ana Beatriz apagou a luz do banheiro. Foi em direção à sua cama sentindo os ombros caídos para frente e andava como se arrastasse bolas de ferro nos pés. Esqueceu o livro, deitou no escuro......
          A festa voltou à sua mente.... Enfim os 40!
          Depressão, me aguarde! Pensou enquanto enfiava novamente a cabeça no travesseiro.



Rose Elizabeth Mello
Enviado por Rose Elizabeth Mello em 17/11/2005
Código do texto: T72605
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rose Elizabeth Mello
Fortaleza - Ceará - Brasil
29 textos (2603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:50)
Rose Elizabeth Mello