Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Voando alto como Ícaro

Pensava em ser livre, e, percebera em si, o sentimento de Ícaro.

Sentia vontade de voar. Sonhava voando muitas vezes, e, em sonho, saia do chão impulsionando o corpo, para cima, para baixo e para os lados, sem nenhum esforço e sem equipamento inventado pelo homem.

Voava como pássaro, e, sem bater asas. Sentindo a massa gasosa e, podendo enxergá-la, como certamente enxergam as aves planadores.

A massa gasosa lhe parecia levemente rosada para contrastar com as cores das matas e do céu.

Queria viver o presente, sem pensar num futuro próximo ou distante. Queria ter um tempo único e exclusivamente seu.

Subiu alto em sentido ao infinito, em busca do céu azul.

Não estava sonhando. Podia realmente voar, e voava. Sentia a brisa no rosto e o ar cada vez mais rarefeito.

A temperatura caia a cada dezena de metro que o corpo ascendia. Não havia frio no corpo. Só prazer. Quando o ar ficou ainda mais frio, o sentimento de Ícaro lhe fortaleceu.

Por várias horas seguia em frente. Não encontrava razão para olhar para trás.

Por um momento quis olhar para baixo e admirar a paisagem. Achou melhor, não.

O desejo de subir era mais forte, mesmo querendo, não olhava. Simplesmente subia pelo prazer de ir em frente, para fazer coisas que queria e não podia antes.

Desafiar o desconhecido, conhecer coisas novas que surgiam a sua frente a cada instante.

Parou. Porque parou? Perguntava-se e não tinha resposta.

Não precisava responder o porquê de suas ações. Era livre. Totalmente livre.

Ainda sem responder, finalmente observou que a vida lá embaixo, que passava devagar e em miniatura, quase insignificante.

Sentia-se feliz. O passado estava distante, invisível e muito mais abaixo. Inexistente talvez.
Tentava compreender o sentido de observar à distância sem pertencer às tramas da vida e sem coexistir naquela dimensão. Não conseguia.

Estava perto do céu e, como Ícaro, sentia-se uma estrela. Sempre fora uma estrela. Só não se dava conta do poder de admiração que provocava.

Afinal, também era amado e belo como uma manhã de primavera.

Seguiu em frente em direção ao sol e não olhou para trás.


www.reginamichelon.com
Regina Michelon
Enviado por Regina Michelon em 10/11/2007
Reeditado em 28/11/2012
Código do texto: T731773
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Regina Michelon
Simões Filho - Bahia - Brasil
309 textos (21414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 10:09)
Regina Michelon

Site do Escritor