Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto



                       Estou completamente convencido de que o shopping center é um mundo à  parte do mundo em que vivemos, um MATRIX mais iluminado e light. Pois bem, esse local que chamo de minha Little Jungle (selva), visto que lá os animais humanos, ou se você preferir os humanos animais, caminham mais relaxados, mais soltos, diríamos que todos usam uma armadura um pouco mais leve.  O relaxamento natural acaba trazendo situações inusitadas e muitas vezes engraçadíssimas. Muitos textos meus foram escritos nesse mundo ou pelo menos os fatos ocorreram lá.

          Uma vez mais fui ao shopping na tentativa de trocar um tênis com defeito. Uma vez mais saí sem o tênis. Como prêmio de consolação fui tomar um capuccino, Sento- me e enquanto espero o café,  ativo meus scanners para detectar algum movimento mais peculiar. Para cada situação eu dou uma pontuação. Dedo no nariz já não conta mais, puxão de mulher ciumenta ainda valem alguns pontos. Empurrar a sogra na escada do estacionamento é a segunda melhor pontuação.......curioso....querendo saber a maior de todas.....vai imaginando.....!!!!

          Meu café chega, no exato momento em que meu scanner temporo-mandibular superior esquerdo detecta sinais de alteração hormonal além da média à poucos metros de mim................depois de um breve giro de cabeça, encontro a fonte daquela anomalia hormonal. Quatro mulheres sentadas: duas jovens de aproximandamente 26 anos, uma senhora de 55 e a última que só  seria possível detectar a  idade dela pelo método do carbono 14, ou seja o mesmo que é usado para saber a idade de fósseis.

          O alvo das duas jovens eram dois rapazes frequentadores de academia, mais que de escola, com camiseta regata, vindo na direção de onde estávamos. Os caras, logicamente perceberam o interesse delas e estufaram o peito, como se fossem duas pombas no cio. O estranho foi que eles passaram reto, nem olharam para elas. As tadinhas mucharam que nem bolo mal feito.....sem fermento. 

          Liguei para um amigo, trocamos algumas idéias e terminei meu cappucino. Como sempre faço, levei o copo e a bandeja até  o balcão. As duas me olharam como se eu tivesse feito algo incomum, brega, sei lá qual bobagem poderia se passar na cabeça delas. Infelizmente sou civilizado e nessa selva nem sempre é muito comum tal comportamento.
           Levanto-me e vou em direção ao banheiro, todas as quatro mulheres também. As duas jovens caminham à minha frente com uma certa pressa. Uma delas, que vai mais à frente da outra, vira-se em direção a que vai atrás  e com os olhos mostra-lhe o banheiro dos homens como se dizendo que ela entrasse nele. Ela não só  não parou de provocar a prima, como ainda por cima faz um gesto como dizendo: " vai lá dentro com o pau de macarrão na mão ( macarrão foi  para aliviar o peso do pau) e bate na pia.   Juro pelo amor das minhas filhas que o que acabo de dizer é a mais pura verdade. Você ainda não viu nada.....

          Entro na banheiro e para minha supresa os dois rapazes,  que minutos antes passaram em frente ao café,  saem do mesmo banheiro.....de mãozinhas dadas.....suados.....com um ar muito romântico. Fiquei sem jeito e eles perceberam.     Dirigi-me então oa local para aliviar a bexiga e os dois continuavam lá. Um deles me olha meio estranho, como querendo explicar algo. Fiquei tão sem jeito que a bexiga travou. Se tem uma coisa que não funciona bem é pressa e vontade de descarregar a bexiga ao mesmo tempo.
           Eles ainda permaneciam lá, lavando as mãos, dando um jeito nos cabelos. Fui o mais rápido que pude, tanto que saí de lá sem lavar as mãos. Esperei que eles saissem.

        Minha decisão de esperar foi a chave do que viria. Saio do banheiro e as duas jovens estão do lado de fora (acho que também foram ao banheiro) babando pelos dois moçoilos que acabavam de sair do toillete. Começo a rir da situação e uma delas percebe. Os dois já caminhavam à frente quando um deles se vira e olha para elas. As duas quase saem correndo atrás deles. Na verdade eles estavam olhando para mim!!!! Um deles volta e pára na minha frente e diz: "meu amigo e eu estamos querendo nos divertir....tá afim?"

         Já fui assediado por gays, mas aquela foi a mais descarada de todas. A situação exigia uma ação rápida, sem delongas, sem deixar nenhuma dúvida. Digo-lhe que não e ele aceita a resposta sem réplica.

        As duas ouviram tudo!!!! A mais sacana (a que pediu para a amiga entrar no banheiro masculino) me olha como se eu tivesse  feito algo absurdo. Nesse momento quem ri são elas e eu completamente perdido naquela situação. Eu tento explicar, mas não havia o que explicar. Ela foca o olhar nas minhas calças e percebo porque ela ria: com a pressa de sair do toillete esqueci de fechar a braguilha!!!!! Bem nesse dia eu tinha que esquecer algo tão importante!!!! Foi quase um batom na cueca: como explicar?

         O que elas pensaram depois disso não sei, mas espero nunca mais encontra-las, e muito menos os dois rapazes alegres.
         Ficou a frase tão comentada por aí........A fruta da qual elas se deliciam, eles chupam até o caroço", ou quem sabe mais que isso.

        Um beijo às mulheres e um abraço aos homens!!!!

       



JOSÉ MIGUEL DELGADO
Enviado por JOSÉ MIGUEL DELGADO em 25/11/2007
Reeditado em 26/11/2007
Código do texto: T752457

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (José Miguel Delgado - www.jmdelgado.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JOSÉ MIGUEL DELGADO
São Caetano do Sul - São Paulo - Brasil, 56 anos
224 textos (35214 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 09:50)
JOSÉ MIGUEL DELGADO