Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Redação

Redação
Jocenir Barbat Mutti
Nov/07

Com grande facilidade ultrapassei o curso primário, mas quando entrei no ginásio me senti atropelado por um rinoceronte.
 Como num passe de mágica apareceu na minha classe um americano careca falando inglês. Cheguei a pensar que o homem tinha errado de sala, não tinha. Ainda bem que ele brincava muito e fazia os alunos dizer “yes”, “no” e... pronto,  todos obtinham a nota necessária.
 Não demorou muito, pintou uma professora de francês. Acreditei que eu estava captando sua mensagem e me aventurei a responder a uma pergunta.  Ela prontamente me advertiu:
- Jocenir, estamos estudando francês, não espanhol!
 Para vencer essa barreira, meu pai teve que pagar uma aulas particulares.
 Apareceu então um padre com quatro livros em baixo do braço, do “Ludus Primus” até o “Ludus Quartus”. Era um livro por ano. A mensagem era simples.Tinha que aprender Latim para conhecer a etimologia das palavras da língua portuguesa. Era verdade, até hoje consigo decifrar o significado de algumas palavras com esse recurso. Otimista, pois acompanhava as missas em Latim, achei que ia me dar bem, mas não foi o que aconteceu. Quando tinha uma tradução não era tão difícil, mas nas versões, ou seja, passar um texto do português para o Latim, era outra patada do rinoceronte. No dia dos professores era costume os alunos darem presentes. Para esse professor de Latim - e lá ia um cinto da Sapataria - eu me sentia pedindo nota, na hora de presenteá-lo.
A passagem do primário para o ginásio calcou fundo. De uma hora para outra derramaram na minha cabeça essas quatro línguas diferentes, pois tinha mais o português, que não era o meu forte.
Vamos falar do português. A professora era uma viúva ( assim a enquadrei, pois se vestia sempre de preto) considerada muito competente. Em letra bonita, enchia o quadro negro com um enorme dum período. Tínhamos que achar o sujeito, o predicado, o objeto direto, o indireto, as locuções adverbiais etc.... Eu achava um barato quando tinha um sujeito “oculto”. Seria um homem invisível?
Passei os quatro anos do ginásio acreditando que o currículo de português era sempre o mesmo. Não me conformava, pois passava de ano e parecia que eu estava em recuperação. A avaliação final dessa professora era a redação. Ela acreditava que tudo o que ensinava era para os alunos fazerem um bom texto.  Outra patada do rinoceronte era a nota da minha redação. Não passava de três. Confesso que uma vez tirei zero. Meu pai quis tirar satisfação, não conseguia engolir aquela nota. Mas eis que no segundo semestre do ano de 1958, fiz uma redação sobre a Copa do Mundo de Futebol. Três dias após, a professora apareceu com a notas. Eu, que já ia murchando, como de costume, me preparei para receber chumbo grosso. Notei então que ela se dirigiu na minha direção, séria, e falou alto para todos ouvirem:
- Jocenir, meus parabéns, tua redação foi a melhor, te dei nota oito (até hoje me lembro daquele oito escrito em lápis no canto superior direito da folha, com um tracinho em baixo).
Aquilo não estava acontecendo, pensei, era um sonho, eu estava delirando. O que será que tinha acontecido?
 Com calma, mais tarde descobri que a causa fundamental do meu problema era de conteúdo, de não ter o que dizer. A professora pedia para fazer uma redação “sobre um livro que você leu”. Daí eu comentava um livro que meu pai dizia ter lido. Não tinha jornal, a não ser vez por outra o Correio do Povo dominical que meu tio assinava, e também não havia televisão. Rádio, sim, eu ouvia a Bandeirantes de São Paulo. Naquela redação, coloquei  tudo  o que eu sabia de futebol.
Hoje não sou um leitor como eu gostaria de ser... Dos livros que li, me impressionou o de Saramago,“ Todos os nomes “. Ele   descreveu em três páginas um homem subindo um telhado. Que descrição! Que facilidade para escrever! Acredito ser impossível a TV conseguir mostrar os detalhes que esse homem nos faz imaginar nessa cena descrita. Outro escritor que me chamou atenção foi Vargas Llosa, em “ Batismo de Fogo”, com sua maneira de narrar,  toda segmentada, parecendo um filme. Tive que ler um terço do livro para entrar na dele, no seu modo de inserir o personagem. E como filosofo, pensador, sociólogo, físico, biólogo e otras cositas más... Edgar Morin. Ele deve estar entre os homens mais estudiosos ainda vivos. Num determinado momento em seu livro “ Meus Demônios” ele chegou  a me convencer de que o errado podia ser um caminho preterido por não ter sido entendido ou melhor estudado!
Tudo isto é para explicar por que agora ando escrevendo  esta e outras crônicas que os amigos estão engolindo. A explicação vem lá daquele zero em redação.

Jocenir Mutti
Enviado por Jocenir Mutti em 26/11/2007
Código do texto: T753490

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jocenir Mutti
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
18 textos (10179 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 22:04)