Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Onde andará minha princesinha? 


Era uma vez uma não-avó que vivia a sonhar com uma netinha. Imaginava-a com rebeldes cabelos castanhos encaracolados, lindos olhos esverdeados e um sorriso maroto encantador. 

Para ela compôs no coração músicas maravilhosas, desenhou vestidinhos rodados, aprendeu a enfrentar montanha-russa, a não enjoar em aviõezinhos e a fazer algodão-doce. 

Fantasiou dias inteiros de amarelinha, de corridas e pedaladas e esconde-esconde na praça. 

Reservou seus contos de fadas, ogros, silfos e decorou a história do rei que teve uma idéia toda azul. Junto com os livros empilhou elefantes, tigres, vacas e se preparou para enfrentar o monstro insone das cólicas. 

Só para ela idealizou uma casa no campo. Com uma enorme varanda em arcos, iluminada pelo amarelo da trepadeira de amor-agarradinho. E redes coloridas, com as franjas varrendo o chão para facilitar a subida das perninhas e vislumbrava-a sorrindo em sonhos, acalentada pelo barulhinho hipnótico do balançar. 

Plantaria metros e metros de gramado para vê-la correr, rolar e se deleitar com os gatos, cachorros e gansos. Isso mesmo, gansos. E aprenderia a fazer e empinar pipa, jogar bola-de-gude e futebol, porque dominando os segredos masculinos sua princesinha não teria rival. 

Todas as manhãs a não-avó elaborava futuras aulas de jardinagem, procurava aprender o nome de cada pássaro, a reconhecer pegadas e a montar armadilhas. Queria estar pronta. Desejava muito poder participar, ensinando um pouco de tudo. Do tricô à computação. 

Acreditava que toda avó deveria morar em um lugar apropriado para se passar as férias e, por isso, fazia planos de comprar uma aconchegante casa em sua praia favorita. Iria ensinar sua princesinha a amar aquele paraíso e a respeitar o mar. Passariam horas e horas catando conchinhas na areia, ou simplesmente deitadas embaixo das amendoeiras esperando o homem da carrocinha de tortas passar. 

Mas quem passava mesmo era o tempo. E o seu sonho não se realizava. Acreditava haver imaginado todos os detalhes e, no entanto, deixara um escapar. Esquecera de contar o seu sonho para quem poderia torná-lo realidade.



































Ly Sabas
Enviado por Ly Sabas em 25/11/2005
Reeditado em 30/06/2009
Código do texto: T76162
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ly Sabas
Osasco - São Paulo - Brasil
228 textos (15764 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:41)
Ly Sabas

Site do Escritor