Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENTRANDO NUMA FRIA

                                                 
                             Quem pensa que viu de quase tudo nessa vida ainda não tomou conhecimento deste fato pitoresco ocorrido no seio de uma tradicional família, mais precisamente no clã dos Santiagos. Família de descendência nobre, de paladar exigente e adepta dos frutos do mar na hora do "lunch". Não esquecendo é claro do bom uisque e quem sabe até de um bom vinho. Agora difícil é manter uma relação estreita entre compra no varejo e programa policial.
                              Hora do almoço na casa de Dona Terezinha, sogra do Santiago, candidato a deputado com o número 171 e na tv um bom programa de ação com tiros, balas, acidentes de carros, motos e tudo o mais que se espera. Mas não é que lá pelas tantas a velha não é tentada por uma promoção que a princípio parecia cair do céu; ou seria vinda do inferno... bom o fato é que Dona Terezinha acreditando que Jesus e Genésio são a mesma pessoa fez a compra de uma geladeira pelo telefone, para descontar em suaves prestações nos seus proventos de aposentada.
                             - Água agora, só bem geladinha. Disse com todo bom humor do mundo após fechar o negócio lá no telefone público em frente a bodega do Raimundinho. Este como bom fofoqueiro, ouviu todo o negócio e resmungou:
                             - Mais fácil cair um toró em Irauçuba do que essa geladeira chegar por estas bandas.
                             Em tempo, este fato se passa nos confins do sertão central cearense.
                             Água quente para tomar banho não era novidade na casa de Dona Terezinha, afinal com uma temperatura média de 40°(sombra) na cidade, não tinha caixa d'agua que desse jeito prá esfriar um pouquinho que fosse o líquido armazenado. A geladeira seria o fim de todos os problemas de garganta da família porque beber água quente do sol não é recomendável prá ninguém. A velha era devota do Padim mas nem assim o precioso bem chegou ao destino no dia marcado. Depois de muitas reclamações e muitos resmungos do Raimundinho que não aguentava mais tanta confusão na sua porta; afinal o telefone público era quase seu, o caminhão chegou na pequena cidade trazendo a maravilha das maravilhas. Várias pessoas aglomeraram-se em frente a casa da aposentada para receber a preciosidade,  pois na missa de domingo dona Terezinha já tinha se queixado até com o padre Elpídio sobre o episódio, e este é claro apelou em alto e bom som para todos os santos em busca de uma solução. A geladeira desceu e a água benta já foi arremessada pelo vigário que é lógico queria tomar vinho gelado na celebração vindoura e isto acompanhado do vereador Nascimento, representante do prefeito, que como sempre estava para a capital. Segundo consta hospedado no Beach Parque, afinal ninguém é de ferro. A banda de música estava um pouco desafinada mas afinal quem se importava, o certo é que a geladeira estava entregue. Após estar bem acomodada foi dado um tempo por recomendação do Dr. Elvécio(médido da cidade) para o gás se aquietar e só então o cabo de força ser anexado a tomada. Após o tempo recomendado a geladeira foi ligada e o motor começou a funcionar. Logo uma fila formada lá fora de várias pessoas trazendo garrafas com água foi se chegando para a estréia.Tinha gente que dona Terezinha nem conhecia direito mas que queria também tomar partido da comemoração deixando uma garrafinha guardada no frio para pegar no dia seguinte.
                               Geladeira cheia e uma noite mal dormida depois, seu Arnóbio marido da anfitriã teve o privilégio de abrir o portal do gelo e para decepção de todos a água depositada estava quentinha como sempre. A geladeira veio com um pequeno defeito: não funcionava. Foi uma comoção na cidade e todos ao telefone para reclamar. Depois de várias desculpas, o banco que financiou o objeto passou para a loja, que transferiu ao apresentador do programa policial que disse para a dona Terezinha não entender muito de geladeira. Caos total. Até que foi sugerida uma troca do motor... Dona Terezinha não aguentava mais e aceitava até um motor de fusca desde que o eletrodoméstico funcionasse. Uma opinião daqui e outra dali até que em consenso geral decidiram com um plebiscito que a geladeira teria de ser nova. Até o MST decidiu invadir a loja que vendera o produto. Os líderes da cidade se reuniram e decidiram partir em caminhada rumo a capital. A imprensa foi chamada... finalmente a cidade seria reconhecida no mapa, depois de tantos anos no quase anonimato.
                               O apresentador do programa policial quando foi informado do fato ficou como um doido, afinal iria participar do episódio como protagonista do mal. Uma equipe foi enviada rapidamente ao local, mas já era tarde o furduço já estava formado. Uma equipe do programa rival já havia se antecipado.
                                - Qual o nome da Sra.? Perguntou o repórter no empurra, empurra da multidão.
                                - Teresa...
                                - Tão indo prá onde?
                                - ... beira mar.
                                - Quê?...Beira Mar....? Terezinha Beira Mar! Parente do Ferreirinha...!!!!!
                                A notícia se espalhou rápido. Em cadeia nacional... eu disse cadeia? Nem o Ferreirinha, que estava preso, sabia dessa tia distante. A família Santiago estava em polvorosa quando foi surpreendida pelo caminhão do Faustão. Logo atrás vinha o caminhão do Gugu com patrocínio das casas Bahia. E tome geladeira. De todos os tipos. Era uma disputa ferrenha pela audiência do programa dominical. Um vale tudo dos bons. Dona Terezinha quase sofre uma parada cardíaca, eram muitas emoções.
                                A verdade é que Dona Terezinha agradeceu a todos pela solidariedade e disse que gostaria apenas de ter em sua casa aquela geladeirazinha modesta que lhe saciasse a sede com água bem gelada. Não queria geladeira "frost..." alguma coisa que tinham lhe mostrado e outras com duas portas, gelo seco e mil e uma utilidades. Aprendeu a lição e passou a não acreditar mais em tudo que vê na sua televisão.

 

José de Aragão
Enviado por José de Aragão em 03/12/2007
Reeditado em 13/05/2012
Código do texto: T762960

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (by José de Aragão). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José de Aragão
Fortaleza - Ceará - Brasil, 53 anos
36 textos (2002 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 20:49)