Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E AI AMOR, E AGORA?

Evaldo da Veiga


CADÊ A SAÍDA?
A saída esta logo ali; aqui, é o mais provável.
Sempre existe uma saída.

Fui por ai num processo de perdas, derrotas e quedas sem fim.
Vi a cor do fracasso materializada em todas as cores do arco-íris;
figuras Dantescas pensei na época. Mas qual o quê, 
não existe nada tão feio se visto de perto e que não se possa contornar. 
Ta ruim, ta feio? Dê uma volta, ande um pouco mais, 
mas em caminho traçado pelo bom senso.
O tempo aniquila, tortura, enterra, mas também ressuscita.
Viva o tempo, até por que, não temos outra alternativa. 
O tempo, é como já disse um político cassado, "é o senhor 
da razão" . Vejam, até os políticos cassados por corrupção,
em alguma área, às vezes, têm razão.
Só quem já sofreu grandes derrotas pode avaliar o verdadeiro 
sentido de uma pequena conquista.
Um corpo sem voz, com necessidade de dizer e sem 
um canal de comunicação próprio, tendo um paredão 
de chumbo interpondo-se na comunicação oral. 
Um  silêncio imposto que amordaça até a alma, 
um dia é obstáculo neutralizado

A mesma vida que agride de forma cruel, também trás soluções.
Até contorna dores e se apresenta, às vezes, como doce amiguinha.
Quando não se pode de um jeito a vida oferta um outro; 
sempre existe um meio.
Se um mecanismo está emperrado inútil, se não se pode dizer no jeito
primário do som, a vida apresenta símbolos.
Para amar e fazer amor não existe obstáculo intransponível.
Quando  não se pode dizer, o som que vem de fora é festa, 
sublime enlevo o ato de ouvir.
Não podemos dizer, mas valorizamos sobremaneira o que vem de fora.
É a vida. E a vida, tira agora e compensa depois, interligando o agora
e o quem vem após. A vida às vezes, ainda, permite a observação
dos movimentos inanimados e é ai que entra o show, a faculdade de se perceber a autêntica beleza, mesmo 
em estágio indumentário dos mais simples.
E a vida se torna bela: tirou de um lado e, generosamente, 
fez uma linda oferta compensatória, valorizando 
mais o que se tem agora do que o tesouro perdido antes.
E assim, de gorjeta, ensina que é bem melhor um por cento de algo lindo,
do que cem por cento da vulgaridade revestida de rótulos,
de um momento em que o mundo é uma inversão de valores.
Levanta-te alma! 

Imagem: Gala, a Musa do Salvador Dali.

evaldodaveiga@yahoo.com.br

Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 04/12/2007
Reeditado em 05/12/2007
Código do texto: T764956

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
952 textos (314108 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 13:28)
Evaldo da Veiga