Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Seu Irineu

Seu Irineu entra no estúdio da TV vestido com sua gravatinha borboleta, seu cachimbo, seu relógio de bolso herdado do avô e suas pantufinhas, prevenido contra o frio do Sul, mesmo em novembro. É casado com uma moça muito mais nova, que “o ama” pelo dinheiro que ele usa para sustentar a família dela. Seu Irineu é elitista, esnobe, vaidoso, mas submete-se a viver com a família da mulher, uma vez que os poucos parentes que lhe restam não lhe querem abrigar.

A Repórter convida-o a sentar e ele olha tudo muito curiosamente, pois nunca havia estado num estúdio de televisão antes.

Depois da introdução do programa, a Repórter anuncia que está no estúdio o Sr. Irineu Matarazzo, conhecido mecenas das artes cariocas, hoje na cidade como paraninfo de formatura do curso de artes de uma universidade.

- O Sr pode apresentar-se para os telespectadores?

Ele se levanta da cadeira e, constrangedoramente, aperta a mão da apresentadora.

 - Muito prazer. Meu nome é Irineu de Alcântara Matarazzo. – responde com voz rouca, sentando-se com dificuldade – Dos Matarazzo de São Paulo, o senhor deve conhecer. Temos uma casa no Morumbi que resiste ao assédio da especulação imobiliária, mas moro mesmo no Rio de Janeiro com Pérola, minha esposa. Nessa casa do Morumbi promovíamos muitos saraus, freqüentados por grandes personalidades do mundo das artes! Compareciam poetas e escritores de todos os gêneros. Lá ouvi Nélson Rodrigues, com suas risadas rouquenhas, a contar histórias escabrosas sobre seus personagens. O poeta Carlos Drummond recitava poesias para a prima Didinha, que ficava encabulada com medo que Tio Ataliba não gostasse. Prima Maysa cantava, sempre fumando: “Meu mundo caiu e me fez ficar assim...” às vezes acompanhada de Bené Nunes ao piano. Uma verdadeira maravilha! Bons tempos! Dos Alcântara o senhor também já deve ter ouvido falar. Meu tataravô Pedro é bastante conhecido dos livros de história. Os Alcântara, sabe? E a senhora de que família é? – indaga à Repórter.

- Sou da família Planela, diz a Repórter embaraçada.

- Dos Planela, daqui da fronteira com o Uruguai? Donos da Fazenda Santa Rita de Cássia?

- Não, somos aqui de Pelotas, de família humilde. Meu pai era lavrador.

- Ah! – exclama Seu Irineu, enfadado. Minha Tia Pitoca sempre disse: “Il faut une elite!” Referia-se ela ao fato de termos necessidade de uma elite para comandar este País de gente preguiçosa, burra e analfabeta!

- Que idade o senhor tem, Seu Irineu? – pergunta a Repórter tentando mudar de assunto.

- Minha filha! – exclama ele – Bem se vê que a senhora não tem berço! Não lhe ensinaram que é indelicado perguntar a idade das pessoas! Francamente!

Olha o relógio, incomodado.

- A que horas termina esta entrevista? Preciso ir ao banheiro, tenho problemas urinários, sabe?

A Repórter, percebendo que havia sido inconveniente, toma-lhe a mão, afaga e diz:

- Perdão, Seu Irineu, nós temos mais dois minutos apenas. Podemos continuar?

Seu Irineu responde:

- Sim, minha filha, mas solte minha mão, pois estou ficando com uma indisfarçável ereção peniana...

Entram subitamente os comerciais.

(Quem quiser ver a foto do Seu Irineu acesse:
http://www.blogdotaba.blogspot.com)
Taba Lucas
Enviado por Taba Lucas em 05/12/2007
Código do texto: T765614
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Tabajara Lucas de Almeida). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Taba Lucas
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 68 anos
66 textos (11581 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 09:41)
Taba Lucas