Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Insustentável leveza do "querer" ser

Creio eu que, a sociabilidade entre as pessoas existe desde
o nosso nascimento. Não poderia ser diferente,já que, nascemos
dentro de uma família, seja ela como leva a vida.
Muitos de nós nascemos cercados de riqueza, outros nem tanto,
mas, com certeza já viemos ao mundo dentro de uma sociedade.
Nessa sociedade aprendemos a andar, falar, comer e claro,
aprendemos sobre conceitos, condutas, responsabilidades no geral.
Eu por exemplo, recebi dessa sociedade que chamamos de "família"
uma educação conservadora. Claro que isso não quer dizer que
sigamos todas as regras; mesmo porque nunca acreditei quando
diziam que "Quem com manco anda, manco fica"; caso o fosse, eu
teria me jogado ao mundo das drogas, fugido de casa, casado
grávida e tantos outros eteceteras. Mas vou dar um salto neste
tempo todo. Algum tempo atrás e não é muito, comecei a reparar no
comportamento de pessoas que denominamos "amigos". Quem disser
que não tem amigos, sim senhor, é um grande mentiroso. Sempre
esperamos de um amigo o ombro, o ouvido, o colo, a confiança, o
respeito e principalmente a lealdade. Meus pais sempre me diziam:
- Filha, tens dois tipos de pessoas ao teu redor. O amigo e o
colega. - e creio,que no início dessa descoberta, sempre surge a
dúvida: "Quem é amigo e quem é colega?"
Com o tempo, distinguimos o colega, aquela pessoa que convivemos
no dia-a-dia, porém, não com tanta afinidade. Aquela pessoa que
cumprimentamos com um - Olá, como vai.- pessoas comuns, num meio
de vida comum; já o amigo, é aquela pessoa que necessitamos ter
ao lado, para contar um problema, chorar uma situação triste,
contar uma novidade que nos trouxe alegria, e claro retribuir da
mesma forma, pois, outro ensinamento que tive e sigo até hoje é:
"Faça e fale às pessoas o que gostarias que fizessem ou dissessem
à ti" e tem muito fundamento tudo isso. Sim, mesmo porque creio
que o ser humano é uma força de energia tão pura e forte e sim-
plesmente não conhece o poder que tem. Normalmente os seguidores
deste ensinamento passam grande parte da vida, se decepcionando
porque confiam demais nas pessoas ao seu redor, acaba por ficar
tempos numa cegueira quase que sem volta. Eu digo quase, porque
chega uma hora que a luz brilha em nossa frente e mostra na
verdade, o caráter de cada um. Quem não segue este ensinamento,
normalmente é cético moralmente. Já ouviram dizer na expressão
"Quem usa do veneno para matar, por fim morre com seu próprio
veneno". A manipulação não existe apenas nas fórmulas medicinais.
Ela existe no íntimo das pessoas. Sentem-se com um poder tão
grande e forte de dominação, que envolvem inconscientemente
outras pessoas. E quando estes  céticos, mostram-se como verda-
deiramente são, e começam a olhar pelos dedos das mãos, e ver
que pessoas escorregam por entre eles, cria-se uma sensação
de perda; é onde começa a maldade, a intriga, a injuria.
O poder do mais forte contra o mais fraco. Poria isso entre ""?
Não, não preciso. Milhões de pessoas não admitem perder ou
estarem errados. E quando isso acontece, começa então, o "querer
ser". Querer ser o certo, o justo, o injustiçado, o coitado. Mas
para isso, precisa de um alvo. Duas pessoas que viveram tantas
situações, confidencias, alegrias e tristezas. Por um motivo ou
outro, separam-se. Um segue seu caminho, quer ser o que sempre
sonhou, livre, continua a andar e a acreditar no ser humano. O
outro não se conforma, segue outro caminho; o da perseguição.
Inventa estórias absurdas afins de denegrir o outro. Usa outras
pessoas com o intúito de angariar seguidores, opa, seguidoras;
aproveita-se da carência humana e joga o veneno. Escreve na mente
doentia uma estória,que nada mais é do que o próprio reflexo de
si mesmo. Faz de suas próprias atitudes, o falso caráter do outro
que continua seguindo seu caminho de liberdade.
Enfim, vamos concluir que: O manipulador tem em mente que é
inteligente a ponto de ludibriar pessoas jogando uma contra outras;
De denegrir quem está em seu caminho, de criar injurias, mas se
esquece ignorantemente que, quando extende a mão e aponta o dedo
indicador para alguém, não enxerga que outros 3 dedos voltam-se
contra si. E mais cedo ou mais tarde, tudo que é feito, lhe volta
muito mais forte.
A insustentável leveza de "querer" ser mais que os outros.
A insustentável leveza de ser "pequeno".

 
Anna Müller
Enviado por Anna Müller em 02/12/2005
Código do texto: T79856
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anna Müller
Boa Vista - Roraima - Brasil, 52 anos
89 textos (4243 leituras)
11 áudios (4397 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:33)
Anna Müller