Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CRÔNICA DA VIDA ATRIBULADA

VIDA ATRIBULADA

O dia amanhece e anoitece com algum sinal interessante que se pode  observar. O clarão da madrugada invadindo o espaço celeste e a vermelhidão da nebulosidade no final da tarde são espetáculos imperdíveis. Há quem nunca os observa e, nem que os veja, não se impressiona.

A trajetória diuturna de um vivente normal tem suas peripécias. Dorme um sono pesado pronto para saltar da cama assim que o estridente som do despertador ecoa pelo humilde quarto de dormir. É a rápida higiene matinal, o pegar de algo que leva para o trabalho, às vezes até a marmita da bóia do meio dia, tudo enquanto mastiga um pedaço de pão com manteiga e engole uma xícara de café morno que está pronto na térmica em cima da mesa da cozinha. É já sair andando até a parada mais próxima onde já passa o ônibus que o transporta até a porta da firma.

E passa o cartão para entrar e começar o trabalho, ou então assina o ponto no livro para garantir a presença documentada. E trabalha, faz o serviço para que foi contratado ou nomeado. Lá longe ficam os problemas da família, a falta de dinheiro, a preocupação com os passos da parceira da sua vida – um leve sentimento de duvidoso ciúme – a crua realidade de uma vida onde os recursos escassos barram qualquer vontade de ver a aurora ou o arrebol. As cobranças do dono do armazém não saem da cabeça e o corte do crédito para o leite e o pão é iminente. As crianças pequenas precisam do alimento. Pedir um adiantamento na firma já não é possível, este recurso já esgotou no dia quinze. Tudo complicou quando precisou mudar de moradia a fim de pagar menos aluguel e teve que adiantar um mês para conseguir garantir a outra casinha. Atrasou no armazém e faltou dinheiro para a prestação na loja onde precisou renegociar. Agora não tem volta. No fim do mês é aluguel, prestação e armazém. O que receberá não será suficiente. Pedir emprestado a algum colega, quase impossível, todos têm as suas pendengas e para ninguém há dinheiro de sobra!

E a manhã se esvai. Trabalha com a cabeça doendo de tanto pensar. Chega o meio dia e o intervalo para o almoço. Vai ao refertório. Mecanicamente, como todos os demais da firma, serve-se da comida. A fome exige que coma. A cabeça exige que pense. O apetite é mínimo, o deguste, nulo.

A tarde segue seu curso. O ruído, as conversas, uma que outra risada, uma que outra fugidia troca de palavras com algum companheiro, tudo é totalmente rotineiro. A produção flui. A firma terá seu ganho. Todos terão seu salário. Terá o seu também, descontados a quinzena e os penduricalhos mensais, terrivelmente insuficiente para suas necessidades.

O horário termina, inicia o serão. Se pudesse ter feito horas extras o mês inteiro sua situação melhoraria um pouco, mas só nesta semana está autorizado o serão. Os pedidos diminutos não permitem produção em larga escala. A firma não pode sofrer prejuízos. E se fosse despedido? A pergunta surge como um raio na sua mente. Seria o fim. O seguro desemprego ajudaria por alguns meses. Se ficasse desempregado por um tempo maior estaria perdido. Um gosto seco invade a garganta que parece fechar. Vai ao bebedouro tomar uma água. Tem um gosto meio amargo. Segue a rotina.

Já é escuro. Embarca no ônibus que o leva para casa. Desce na parada. Passa em frente ao armazém. Sente vontade de entrar e pedir uma cachaça mas, sem dinheiro, não se encoraja. Chega em casa. Não há pão e nem leite. Uma última vermelhidão some no oeste.

OBS.: Crônica vencedora do Concurso da ASES – 2002 e publicada na coletânea “Mentiras em Tons de Verdade II” da Associação Santa-rosense de Escritores – ASES

Prof Roque
Enviado por Prof Roque em 09/12/2005
Código do texto: T82897
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://profroque.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Prof Roque
Santa Rosa - Rio Grande do Sul - Brasil, 67 anos
1899 textos (163597 leituras)
1 áudios (133 audições)
3 e-livros (1045 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:20)
Prof Roque

Site do Escritor