Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DE VOLTA DE PASÁRGADA

DE VOLTA DE PASÁRGADA
Vivera dias felizes. Dormira na cama que quis. Namorara todas as prostitutas bonitas. Tinha sido amigo do Rei. A civilização fora outra.
Na viagem de volta recolhi-me ao eu. Vi nada da estrada percorrida. Estava totalmente envolvido com o ego. Fiquei a conversar com o subconsciente. Estava muito abalado com a expulsão do país dos sonhos. Temia pelo meu futuro. Acostumado com a boa vida, certamente ficaria traumatizado com as agruras da sobrevivência. A dor da partida custaria a passar.
As leis precisam ser novamente respeitadas. Precisam? Elas existem?
Existem. No papel. Nos gabinetes dos advogados. Nas salas dos juizes. Eu, pobre retirante de Pasárgada não as conheço. Por isso, não posso cumpri-las. Aliás, quem as cumpre? Cada qual reconstrói sua própria Pasárgada. Vive nela o tempo que lhe aprouver ou que a justiça deixar.
A justiça precisa ser novamente respeitada. Precisa? Ela existe?
Existe. Nos subterrâneos desta civilização. Nas bocas de fumo. Nas articulações dos subterfúgios. Eu, pobre retirante de Pasárgada, não a conheço. Por isso, não posso respeitá-la. Aliás, quem a conhece? Cada qual faz o favor que pode ao rei da área em que mora. Sua Pasárgada durará enquanto o braço direito do rei não a aniquilar.
Meu ego quer se revoltar. Deseja loucamente adotar a cor amarela da Ásia. Quer mudar o estado das coisas. Quer conhecer a sociedade dos políticos mortos. Ou será a Sociedade dos Poetas Mortos? Não pode ser. Os poetas são imortais, por serem incorruptíveis. Os políticos? Sim, os políticos! Não. Não há políticos em Pasárgada. Só há o Rei. Sou, aliás, era amigo dele!
O inconsciente está sempre na mesma despreocupação. Sorte sua! Tem nada a revelar mesmo. Não se lembra de Pasárgada. Seu único problema são os pesadelos e os sonhos de infelicidade causada pela expulsão. Precisa resolver isso na sua dimensão. Ele é seu próprio juiz e sua definitiva lei.
A longa viagem parece chegar ao fim. Já posso ver as favelas. Sua extensão parece ter aumentado desde quando fui embora prá Pasárgada. Também vislumbro, ao longe, os bairros ricos e o centro. Ah! que edifícios enormes, os de hoje! Ou será vertigem?
Existe vertigem? Existe! São números bilionários! Podem tudo! Mandam em tudo! Têm tudo! É a Pasárgada judiciária, legislativa e executiva.
Executiva? Quem executa?
Todo aquele que não acredita em Pasárgada!
Socorro! Posso ser executado a qualquer momento!

Prof Roque
Enviado por Prof Roque em 21/12/2005
Código do texto: T89034
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://profroque.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Prof Roque
Santa Rosa - Rio Grande do Sul - Brasil, 67 anos
1899 textos (163591 leituras)
1 áudios (133 audições)
3 e-livros (1045 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:45)
Prof Roque

Site do Escritor