Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANO NOVO?

[Esta crônica foi publicada em 01 de janeiro de 2004. Para mim, ela é sempre atual. Desculpem...]

O velho ano novo desperta em meio a muitas luzes e muito barulho. E nem mesmo esse despertar é novo... nunca muda...

Mas o ano, este sim, é novo: um algarismo se alterou na contagem do tempo.

A humanidade crédula se entusiasma com uma perspectiva repetida todos os anos... incansavelmente! Toda a gente se alvoroça fazendo planos e propósitos, alimentando o sonho de mudanças sempre para melhor. Mas sabe no fundo que nada vai mudar e que vai chegar ao fim deste ano, hoje novo, com o mesmo gosto amargo do velho. Ninguém quer ver, mas sabe que vai chegar a hora de jogar fora novamente, ao findar deste ano a mais, os planos e propósitos que envelheceram sem que nenhuma mudança tivesse acontecido. E tem que jogar porque as nossas gavetas pedem espaço para guardar os mesmos sonhos, agora renovados, ao lado das mesmas mazelas que não precisam ser planejadas.

E todos sabemos que um dia, num ano que mudou de algarismo, tudo vai se acabar e não teremos tempo de jogar fora os sonhos irrealizados e a capacidade absurda que temos de sonhar.

Pobre e admirável humanidade!

Nota: Enquanto escrevo esta crônica amarga e realista, meu cão está deitado ali no sofá ao lado, atento a cada gesto meu, como faz todos os dias, entra ano e sai ano, num gesto de fidelidade que jamais vai mudar.
Sal
Enviado por Sal em 26/12/2005
Código do texto: T90490
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sal
Marília - São Paulo - Brasil, 78 anos
507 textos (44790 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:20)
Sal