Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 

E AINDA TEM GENTE QUE RECLAMA DA VIDA !

 

 

   Sabe desses dias que você prefere ficar na cama, se incomoda com qualquer barulhinho, discute com as pessoas por ninharias ? Pois é, hoje foi um desses dias.

   Sabe quando você entra no chuveiro e esquece de trazer uma toalha de banho limpa ? Quando vai escovar os dentes e cai um pouco de pasta no seu pijama e você solta o primeiro palavrão do dia ? Quando procura aquela camisa que ainda não foi passada e reclama muito e principalmente, quando a torrada com geléia cai da sua mão justamente em cima da sua calça nova minutos antes de você sair para o trabalho ? Sabe desses dias em que o transito está um caos, você não se livra de um engarrafamento brutal e aí liga o rádio e não consegue ouvir nenhuma música que preste ? Pois hoje foi um desses dias.

   Geralmente não sou de resmungar nem de reclamar. Raramente fico irritado, mas não sei porque xinguei tanto e não consigo entender porque as coisas não aconteceram da forma como gostaria que acontecessem, o que convenhamos, é uma enorme tolice. Hoje foi um desses dias.

   Consegui chegar ao escritório com quase uma hora de atraso, o elevador estava lento, nem respondi aos cumprimentos do cabineiro e entrei na minha sala de cara amarrada, disposto a não falar com ninguém. Desejei ardentemente que o telefone não tocasse, que ninguém me procurasse e que o mundo me esquecesse. Sabe desses dias em que você pede para que nada aconteça e aí é que tudo acontece ? Pois hoje foi desses dias.

   Chegou a hora do almoço e ainda muito mal humorado desci sozinho, pedindo aos céus para ficar invisível. Não consegui ser atendido o que significava que justamente hoje, poderia ser feriado lá no céu.

   O almoço foi horrível e nem a salada que gosto tanto me apeteceu. O cafezinho estava amargo, a caixa estava sem troco e acima de tudo o ar-condicionado daquele restaurante não estava funcionando bem.

   Muito irritado, primeiro por não saber o motivo e segundo por que normalmente não gosto de ficar desse jeito, resolvi esfriar a cabeça caminhando um pouco. Estava tão distraído que nem percebi que estava numa praça próxima ao meu prédio. Raramente passava por aquele lugar e resolvi entrar por me parecer que o local estava um pouco deserto e naquele momento o que eu mais queria era um pouco de paz.

   Sentado num dos bancos e protegido pela sombra de uma frondosa árvore ví alguns pássaros que numa enorme algazarra pareciam tomar banho numa espécie de tanque em forma de taça que ficava bem no centro de um jardim que observando melhor, estava cercado de lindas flores de várias cores.

   Não percebi que por trás daquele jardim aproxima-se um homem muito mal encarado, bem maltrapilho e com os mãos e o rosto sujos de poeira ou terra, não pude distinguir bem.

   O homem chegou até ao tanque e tive a impressão de que ele conversava alegremente com os pássaros pois estes não se assustaram com a sua presença e muito pelo contrário, estavam ainda mais felizes.

   A cena era realmente estranha pois o homem lavou o rosto e as mãos naquelas águas e os pássaros pareciam não temê-lo, muito ao contrário, davam-me a impressão de estarem contando as últimas novidades para o novo companheiro. O mendigo terminou de lavar-se e sentou-se num outro banco bem em frente a mim.

   Abriu uma sacola suja, tirou um embrulho que parecia ser de um pedaço de pão e a primeira coisa que fez foi fechar os olhos como se estivesse fazendo uma prece agradecendo por ter aquele humilde alimento.

   Depois cortou alguns pedaços que desfez em pequenos farelos que deixou cair cuidadosamente em cima do banco, olhando para os pássaros que continuavam em cima do tanque. Estes, como se aguardassem o convite para o almoço voaram ao mesmo tempo e pousaram ao lado do homem.

   Aquela cena com o mendigo comendo um pão velho ao lado de pássaros amigos fez com que algumas lágrimas rolassem pelo meu rosto. Como tinha sido um tolo! Tanta coisa boa acontecendo ao meu redor e eu perdendo tempo em dar atenção a um mau humor tolo e inexplicável.

   Voltei ao escritório com outra disposição. Antes, fiz questão de cumprimentar o mendigo e garantir com uns bons trocados o seu jantar e as suas refeições do dia seguinte. No escritório tudo parecia bem diferente e por incrível que pareça a tarde foi absolutamente tranquila e agradável.

   Sabe desses dias em que você precisa de uma boa sacudida para dar mais valor à vida e procurar entendê-la para aceitá-la como ela é ? Pois hoje foi um desses dias...

 

                              **************




(.....imagem google.....)

WRAMOS
Enviado por WRAMOS em 27/03/2008
Reeditado em 09/01/2013
Código do texto: T919184
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
WRAMOS
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
4039 textos (311767 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/12/14 13:05)
WRAMOS



Rádio Poética