Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

De cometas e “Cometas”

– Você viu o Halley?
Esta pergunta foi feita inúmeras vezes por milhões e milhões de pessoas em todo o mundo, nas mais diversas línguas. Fundamentava-se na expectativa alimentada nas últimas décadas pelo reaparecimento daquele cometa que não é o maior, não é o mais bonito, mas é o mais discutido de todos os cometas de que se tem notícia.
Geralmente o que se ouvia em resposta era um frustrante “não”. Frustrante e frustrado. Mas, olhando por uma outra ótica, será que já não vimos outros Halleys em nossa vida? Quantos e quantos “cometas” não existiram ou passaram em todos os ramos das atividades humanas? Nosso cotidiano está repleto desses humanos astros errantes.
Nós conhecemos ou já ouvimos falar em pessoas com “carreira meteórica”, se bem que a analogia seja inversa, pois, enquanto sua carreira e seu prestígio sobem, o meteoro cai.
Pessoas há que passam a vida sem aparecer, ficam na Nuvem de Oort - formadora potencial de cometas -, à espera da interferência de alguma estrela que os empurre de encontro ao sol, e, assim, sejam notados, E aí há aqueles que literalmente se eliminam numa rota de colisão e outros que, politicamente, passam ao largo, circundam e utilizam a luz daquele astro para aparecerem com uma bela imagem, quando interiormente são “um monte de poeira”.
Muitos se comportam na vida como os cometas jupiterianos, entrando em evidência com muita freqüência sem, no entanto, brilharem o suficiente para serem notados. E com isso se desgastam rapidamente.
Outros há, coitados, que, à semelhança do Halley em 1986 - previsível - ou do Kohoutek em 1973 - desconhecido -, são ofuscados pela luz e a poeira de todos os problemas a que está afeta a humanidade, e não serão mais que um pontinho interessante.
É necessário, em alguns casos, passar bem perto, bem evidente, e marcar sua presença pelo temor que sua proximidade causa, a exemplo do mesmo Halley em 1910, para que se dê importância ao que se é, e não ao que se parece.
Portanto, analise, perscrute, abstraia-se e responda a esta pergunta:
– Você já viu o Halley?

junho/1986

Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 05/04/2005
Reeditado em 03/09/2005
Código do texto: T9955
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260164 leituras)
36 áudios (10732 audições)
6 e-livros (1672 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:22)
Paulo Camelo

Site do Escritor