Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por Que o Planejamento Educacional

Falar da educação no Estado de Alagoas é uma questão bastante difícil e sensível. Alagoas nada mais é do que a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade. Educação em Alagoas nada mais é do que uma combinação mal engendrada e friamente sistematizada de contradições. De acordo com uma das interpretações expostas pelo o autor Danilo Gandin (2007), da relação escola-sociedade, que predomina nos espaços de educação escolar no referido Estado, é feita a partir de um ponto de vista, de um critério, este critério é uma finalidade: o desenvolvimento*. Nesta interpretação alinham-se os economistas, outras pessoas interessadas em crescimento econômico e muitos professores menos idealistas. "A escola é indicada como investimento para a formação de mão-de-obra" (GANDIN, 2007). Tendo em vista que esta forma de ação deve ser superada, pois, a idéia de desenvolvimento se funda no processo de invenção cultural que permite ver o homem como um agente transformador do mundo. Enfim, que as políticas de desenvolvimento deveriam ser estruturadas por valores que não seriam apenas os da dinâmica econômica. O desenvolvimento tem a ver, primeiro e acima de tudo, com a possibilidade das pessoas viverem o tipo de vida que escolheram, e com a provisão dos instrumentos e das oportunidades para fazerem as suas escolhas.

O crescimento econômico, tal qual o conhecemos, vem se fundando na preservação dos privilégios das elites que satisfazem seu afã de modernização; já o desenvolvimento se caracteriza pelo seu projeto social subjacente. Dispor de recursos para investir está longe de ser condição suficiente para preparar o melhor futuro para a massa da população. Mas quando o projeto social prioriza a efetiva melhoria das condições de vida dessa população, o crescimento se metarmofoseia em desenvolvimento (Furtado, 2004, p. 484).

Construir uma concepção de relação escola-sociedade é uma proposta bastante atrativa e bonita, exposto por Gandin (2007), principalmente aquela dos que querem mudança a partir do que existe. Mas, será possível?
Sabe-se que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz (nada ativa). A sociedade sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra. Sem nenhuma contradição. É disso que Alagoas e o Brasil precisam: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem. A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar. E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.

Obviamente, que ao ler Gandin (2007), dar-se a ter uma visão bem sucinta de qual sistema se quer formar: o dos extremos conservadores, o dos extremos revolucionários ou o dos que querem mudança a partir do que existe (para os quais a realidade desejada e a realidade existente têm pontos de contato e pontos discordantes).

Em um contato mais profundo com a realidade da educação em Alagoas, tendo caracterizado a escola por ocasião do Estágio Supervisionado I, na cidade de Arapiraca-AL, percebeu-se que há uma necessidade de uma qualificação profissional que retrata uma melhor qualidade do ensino, com dedicação e lealdade, visando uma educação que retoma vigorosamente a luta contra a seletividade, a discriminação e o rebaixamento do ensino das camadas populares, ou seja, não se deve reproduzir, e sim, construir. A educação está totalmente desprestigiada, seja ela qual forem pública ou privada, nossos alunos estão cada vez menos consciente da realidade.

Naturalmente, Alagoas é um Estado que sempre ficou ou esteve vulnerável a desigualdades regionais. Porque desde os seus primórdios foi caracterizado pelo o desenvolvimento desigual, por causa do seu processo histórico-político-cultural. Portanto, o sentido de transformar essa sociedade não se fundamenta de mudanças na escola, mas, hoje em dia, é essencialmente solucionar o problema social. O investimento na educação é reflexo do próprio desenvolvimento sócio-econômico e humano.

Referências Bibliográficas:

* Ver o texto de Gandhi, “As teorias do desenvolvimento: do evolucionismo à globalização”, 1997. Gandhi, defensor do nacionalismo e da independência indiana, tenta mostrar para o leitor o sentido do desenvolvimento, fazendo com que ele perceba com criticidade e consciência as comparações desenvolvimentistas que implicavam o desejo de incentivar a racionalidade e os comportamentos direcionados ao desenvolvimento capitalista.

FURTADO, Celso. O Brasil do Século XX – Entrevista com Celso Furtado. [s.l]. 2004. p. 484.

GANDHI. As Teorias do Desenvolvimento: do evolucionismo à globalização – Sociologia do Desenvolvimento. [s.l.] 1997. p. 148-163.
GANDIN, Danilo. A Prática do Planejamento Participativo: na educação e em outras instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 14. Ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2007. p. 32-34.
Tiago Gomes
Enviado por Tiago Gomes em 03/07/2009
Reeditado em 13/11/2011
Código do texto: T1679793

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (DOS SANTOS, T. G.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago Gomes
Feira Grande - Alagoas - Brasil, 26 anos
9 textos (3743 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/14 09:02)
Tiago Gomes



Rádio Poética