Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
TOMÁS EDISON - SEU DISCURSO

Mensagem do cientista Edison
************************

""" Ideei alguns desses brinquedos elétricos que os humanos , eternas crianças , chamam pomposamente " Grandes Inventos " .

Não me envergonho - é preciso fazer alguma coisa para passar o tempo e pôr em uso aquela pequena astúcia do cérebro que nos incomoda quando não é aplicada .

Por outro lado , alguns desses brinquedos , sob o ponto de vista prático , podem ser úteis à vida comum , fixar os sons num disco , ampliar vozes , aperfeiçoar lâmpadas elétricas ou o rádio , mas não significa aumentar a felicidade nem aproxima-nos dos segundos do Universo .

Agora que estou velho , verifico que consagrei toda a minha vida a coisas de pouca importância .

Quando vejo os homens de hoje que se entusiasmam com a velocidade de seus aparelhos , não posso deixar de rir .

Os aviões com seus trezentos quilômetros à hora são , comparados com a velocidade da luz , lesmas .

Quando eu era novo imaginava , nesciamente , que a vida consistia nas máquinas .

Construí algumas máquinas felizes e continuamos no mesmo .

Mais de meio século de cálculos , de investigações , de vigílias , de tentativas para chegar a introduzir no comércio bagatelas cômodas ou ruidosas ....

Confesso que o homem de rua é uma criatura extraordinariamente indulgente e otimista .

Os ignorantes têm a necessidade de iludir-se , os operários de trabalhar e os industriais de ganhar dinheiro .

Sinto o céu como coisa estranha , remota , inimiga .

Os Cometas que arrastam sua cauda pelo infinito , sem um objetivo razoável , nada me dizem que me console .

As nebulosas , amontoados confusos de poeira cósmica , exasperam-me como todas as coisas informes e não acabadas .

No que diz respeito a planetas e aos satélites aduladores extintos que dão voltas para obter a esmola de um poço de luz , causam-me repugnância e desprezo .

Não compreendo os astrônomos : como é que nenhum deles fica doido nem se suicida ?

Imagino que são homens sem fantasia , incapazes de sentir o insulto permanente das constelações refugiadas no fundo dos desertos do espaço , medindo e calculando , iludem-se talvez pensando que dominam o céu ou , ao menos , que são admitidos como hóspedes .

Mas um homem autêntico não pode experimentar , ante a voragem esparsa dos fogos errantes , senão ira ou temor .

O céu tem influência sobre mim e nunca a poderei ter sobre ele .

Se o contemplo , amesquinha-me .

Se o ignoro , castiga-me .

Tem uma vida sua , misteriosa e solene que não consigo , de forma alguma , turvar ou mudar e inspira-me , contra minha vontade , pensamentos mortificantes que me maltratam , me deprimem e me tiram coragem de viver .

Por isso , prefiro não o ver .

Agradam-me as regiões e as estações do ano em que o céu está sempre encoberto , onde a noite é muda e total e nos sentimos , sob a colcha próxima de névoa , familiar

Invejo os habitantes de Vênus porque , ao que se diz , o seu planeta está quase sempre envolto em vapores e é-lhes impedida a visão do irritante lucilar das inúteis constelações e daquela odiosa Via-Láctea que atravessa o firmamento como fumarada de embuste fosforescente .

Os poetas , idiotas como crianças , extasiam-se diante dos vaga-lumes errantes do infinito .

Para mim que , por fortuna ou por desgraça , não sou versificador nem místico , o céu é apenas o velório sinistro onde leio todas as noites a sentença da minha irremediável nulidade . """
Valdemar Ferreira Ribeiro
Enviado por Valdemar Ferreira Ribeiro em 24/06/2005
Reeditado em 05/08/2010
Código do texto: T27240
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Valdemar Ferreira Ribeiro
Angola
127 textos (38332 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:17)
Valdemar Ferreira Ribeiro