Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prostituição do paladar

Hoje de manhã recebi um dado emporcalhador: uma fatia de pão (25g) é a medida de calorias ingeridas por uma criança somaliana durante uma semana. Uma semana!!!!!
Quantos gramas de pão você come por dia?
Calculemos: quantas calorias tem uma fatia de pão? Vamos supor que, aproximadamente, 70Kcal. Provavelmente menos, mas arrendondemos para este valor. Bom, é-nos sabido que a sustentabilidade corpórea, considerando apenas energia, é de cerca de 2Mcal (aproximadamente). Baixemos este patamar para 1,5Mcal, para homens como para mulheres.
Sete dias na semana. 70Kcal. 10Kcal por dia. Uma bala Juquinha deve ter mais que isso. Aquela bala Juquinha que as criancinhas da nossa classe mérdia choram para obter e saborear, num hedonismo desmedido e fruto dessa acomedida lei dos sentidos que impera em nossa sociedade.
É à custa do nosso hedonismo que os outros passam fome. A sociedade capitalista ocidental perdeu completamente a noção filantrópica, e atingiu seu grau máximo de egoísmo, consumindo energia que seria suficiente para alimentar a maioria da população mundial, se não fosse gasta com produtos hipercalóricos, que só nos servem como fonte de prazer, desvirtuando totalmente o sentido do paladar, que é mostrar ao homem, enquanto animal, que açúcares são bons, sal em demasia é ruim, alimentos estragados nos fazem mal, etc.
Você já parou para pensar na quantidade de nutrientes de um Danoninho? Já parou para pensar na maneira como aquilo nos é utilizado? Nossas crianças são gordas. Nossos adultos são gordos. Toda secretaria tem uma gorda. Eu sou gordo. Assim fica difícil. Não dá mais pra comer tanta porcaria hiperenergética com tanta gente passando fome. Como mais calorias que meu corpo precisa, engordo, mas faço um regime, emagreço e beleza. Malho, transformo minhas adiposidades em calor, dissipando-as no ambiente, esquecendo que o mundo tem calor demais e justiça de menos. Essas mesmas calorias que não uso para nada poderiam alimentar fileiras de pessoas. Imaginar a cena é apavorante. Aproximo meu pedaço de goiabada com queijo da boca, enquanto, do lado de fora, dezenas de pessoas acompanham aflitas, na esperança de que abra meus olhos, veja-os, compadeça-me e abra mão de minha concupiscência, oferecendo a mim mesmo a oportunidade de tornar útil para o mundo algo que só serviria à minha vontade, à minha busca incessante por prazer.
E o pior é que isso acontece. Quando estamos em uma lanchonete, tomando nosso açaí com granola, alguém chega pedindo algo, e todo trabalho que temos é fazer um pequeno sinal de negação com a cabeça, e após uma mínima insistência do pedinte, gritar com ele, enxotá-lo e comentar com o nosso acompanhante como aquilo é inconveniente.
Como é inconveniente os meninos que não possuem nenhuma oportunidade na vida te abordarem com um caixote de graxa na mão, implorando pela oportunidade de poder engraxar seu sapato e ganhar dois reais, sem precisar roubar nem pedir de ninguém...
Como é fácil gritar e amaldiçoar o garoto que, sem querer, esbarra a escova de graxa na sua calça de linho italiano, manchando-a... sem parar para considerar que ele não teve oportunidade de fazer um curso no SENAI sobre graxa de sapato.
Talvez ele quisesse estar lá, na lanchonete, tomando açaí. Talvez ele quisesse saber como é o gosto desta fruta. Mas não sabe. Você não deixará ele provar seu suco.
Voltemos ao assunto da alimentação. Apenas acho que seria melhor que as calorias fossem mais bem distribuídas, para que a indústria alimentícia fizesse jus ao nome. Sim, pois as guloseimas que ingerimos estão para nossa alimentação como a prostutuição está para a reprodução humana. Não há nada de natural, nada relacionado à sua função natural.
Mas você não se importa com isso. Não se importa com nada. Então volte a comer seu biscoito recheado e faça a sua parte, contribuindo para a subnutrição de bilhões de pessoas ao redor do mundo.
Thiago Salinas
Enviado por Thiago Salinas em 02/07/2005
Código do texto: T30433
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Thiago Salinas
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 35 anos
40 textos (15564 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:21)
Thiago Salinas