Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Após receber muitos pedidos para utilização parcial dos meus discursos, declaro que não autorizo utilização parcial ou total de nenhum deles. Lamento que haja gente ignorante que considere minha obrigação permitir que utilizem-no sem o devido crédito só porque está publicado. Se fosse um discurso de um escritor renomado seria considerado plágio, porque não neste caso? Não vou mais discutir esse assunto e nem autorizar comentários mal educados a respeito do assunto. (reeditado em set/2012)



Discurso Formatura - Turma 2006

Senhores Diretores,
Senhor Patrono,
Senhores professores,
Senhores Pais,
Formandos e formandas,
Demais autoridades presentes,

Meu cordial boa noite a todos. Peço licença para, neste momento, dirigir-me aos formandos, os quais tive o prazer de conduzir até o presente momento dentro da sala de aula e cuja formatura traz momentos de alegria mesclados de certa saudade antecipada pela separação inevitável e necessária.
Mais uma vez estou aqui vivenciando um momento único: o final de um ciclo e o início de outro. Vocês, a quem eu tive a ventura de acompanhar durante o ensino médio, vencem uma etapa e partem em busca de novos horizontes. Estou feliz por ter feito parte desse processo evolutivo e tenho a certeza de que sementes muito promissoras foram plantadas. Agora, vocês colherão os frutos dessa semeadura.
O papel do educador extrapola o limite dos bancos escolares. Não necessitamos mais da relação fria que limitava a proximidade dos alunos com seus professores. Hoje, vivemos um momento em que a amizade é ponto importantíssimo para que o desempenho dentro das salas de aula sejam plenos e satisfatórios. Essa relação de amizade que aconteceu gradativamente será duradoura, permanente, mesmo que cada um de vocês siga seu caminho e nunca mais nos encontremos. Deixarei um pouco de mim e ficarei com um pouco de vocês. Isso se chama vida.
Enfim, estamos aqui celebrando todo esse processo de plantio e cultivo, e os frutos são vocês, prontos para prosseguirem na escalada para o topo, cuja altitude cada um de vocês definirá. Mas vocês não devem ter medo de voar. Jamais permitam que o medo os impeça de prosseguir nessa jornada que para vocês apenas se inicia.
Como disse Bertold Brecht: “Há homens que lutam por um dia, e esses são bons; Há homens que lutam por um ano, e esses são melhores; Há aqueles que lutam por muitos anos, e esses são muito bons; Porém há os que lutam por toda a vida: Estes são os imprescindíveis.”

Essa é a maneira mais simples de dizer que não se pode desistir jamais de um ideal. Joseph Campbell, em sua obra O Poder do Mito, fala sobre o momento certo em que devemos “voar”, citando os pássaros como exemplos: “Um filhote de pássaro sabe quando pode voar. Havia alguns ninhos perto de nós, quando tomamos o café da manhã, hoje, e vimos várias pequenas famílias se lançarem ao vôo. Esses pequenos seres jamais cometem um erro. Eles se mantêm no bando até saberem que podem voar, e então voam. Penso que, de um modo ou de outro, interiormente, uma pessoa também sabe o equivalente a isso.” (Trecho do Livro 'O Poder do Mito' – Joseph Campbell)

Vocês também saberão que estão prontos para voar. Alcem vôo, ganhem seu espaço, lutem por seus ideais. Aprendam mais e mais, sempre. Assim como Fernão Capelo Gaivota, na obra de Richard Bach, ousem! Não sejam simples gaivotas que voam apenas para comer: “Lembro-me de um jovem pássaro impetuoso, por exemplo, chamado Francisco Coutinho Gaivota. Acabava de ser banido; estava pronto a lutar com o bando até a morte e começou por construir o seu próprio inferno amargo nos domínios dos Penhascos Longínquos. E aqui está ele hoje, construindo o seu próprio paraíso em vez do inferno, e guiando todo o bando nessa direção... "Não há limites, Fernão!?", pensou. "Bem, então não está longe o dia em que aparecerei na sua praia e lhe mostrarei uma ou duas coisas acerca de vôo!"
E embora tentasse mostrar-se severo com os seus alunos, Francisco Gaivota viu-os de repente como eram realmente, por um momento, e, mais do que gostou, amou o que viu. "Não há limites, Fernão?", pensou, e sorriu. A sua corrida para a aprendizagem acabava de começar.” (Trecho do Livro Fernão Capelo Gaivota – Richard Bach)


Não há limites para o aprendizado e essa é a certeza que todos temos em relação a vocês. Seus pais certamente estão orgulhosos em vê-los galgar os degraus do conhecimento, praticando os primeiros vôos solos de uma vida inteira, e eu, assim como todos os demais professores, confiamos plenamente nessa capacidade imensa de voar que cada um de vocês possui, pois somos parte desse processo e estaremos sempre torcendo por vocês.

Agradeço a Deus pela oportunidade de aqui estar em mais um ano de trabalho e troca de experiências, agradeço aos seus pais por nos permitirem entrar em suas vidas e a vocês, por confiarem na nossa capacidade de lhe ensinar alguma coisa, por menor que seja. Agora, é com vocês. Tenho certeza de que saberão de onde devem continuar. Felicidade e sucesso, hoje, amanhã e sempre. Um grande abraço em cada um. 

(05/12/2006)

Akasha De Lioncourt
Enviado por Akasha De Lioncourt em 05/12/2006
Reeditado em 18/09/2012
Código do texto: T310291
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Akasha De Lioncourt
Bauru - São Paulo - Brasil, 43 anos
706 textos (983738 leituras)
72 áudios (108641 audições)
30 e-livros (55599 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/11/14 09:06)
Akasha De Lioncourt

Site do Escritor



Rádio Poética