Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palestra FÉ RACIOCINADA

Hoje eu vou contar pequenos fragmentos de vida de alguns garotos:

Vamos começar pelo Pedro – 01 ano
O Pedro, apesar da pouca idade, já está ficando mal acostumado com alguns sabores. Ele gosta do leite com bastante açúcar e sistematicamente tem rejeitado papinhas que contenham legumes.
Após a consulta médica de rotina sua mãe foi  orientada para diminuir a quantidade de açúcar em seu leite e deixa-lo passar um pouco de fome e insistir na papinha de legumes, e assim ela fez.
Pedro faz birra, cospe o leite e a papinha fora e no fundo deve se achar injustiçado, não entendendo sua mãe.

Mas o Pedro tem um irmão Leonardo – 06 anos.
Leonardo que já passou por uma fase semelhante à do Pedro é um menino forte, cheio de vida e acaba de ganhar uma bicicleta de seu pai.
Seu pai tenta que ele ande sem as rodinhas. O incentiva dizendo: Firme, comece a pedalar  segurando forte o guidão que você não cai.
Mas o pai, sabendo que por medo, se Leonardo cometer um vacilo poderia cair, corre atrás (sem que o Leonardo saiba) para se for preciso segura-lo.
Mas Leonardo trava. Seu medo é maior.

Lucas – 17 anos Vizinho dos irmãos Pedro e Leonardo.
Lucas se desespera, briga com seu pai, se tranca no quarto. Triste, se considera injustiçado, não entende porque todos os seus amigos já podem dirigir, alguns tem motos , mas seu pai não permite que ele pegue o carro antes de tirar a habilitação, nem facilita sua vida para que ele ande de motocicleta.

Poderíamos contar uma infinidade de casos aqui que apesar de aparentemente diferentes, tem o mesmo pano de fundo. E vocês perguntariam:
- Qual a conexão entre um bebê manhoso, um menino medroso e um adolescente revoltado?
Eu diria: A visão embaçada, a falta de conhecimento da realidade, a presunção (filha do orgulho) e principalmente a falta de fé.
E diria mais: Eu você, todos nós continuamos tendo 01, 06 e 18 anos em nossas vidas. Continuamos cometendo EXATAMENTE os mesmos erros.

Hoje mais maduros: Qual conselho  daríamos para o Pedro?
- Querido, entregue sua vida para sua mãe. Faça o que ela determina e tudo correrá bem. Ela te ama e está cuidando de você, afinal, você ainda não sabe se cuidar sozinho.
Diríamos para o Leonardo: Garoto- solte sua vida nas mãos de seu pai. Ele nunca deixará você se machucar. Confie na sua força e competência que irá se equilibrar na bicicleta, mas acima de tudo, tenha fé no seu pai.
E ainda aconselharíamos o carrancudo Lucas: cada coisa a seu tempo. A paciência é uma grande virtude. Mas se você não conseguir entender os motivos da espera, espere mesmo assim. Entregue esse tempo ao seu pai, até porque você tem dois caminhos. Ficar trancado no quarto chorando ou ir para a vida a pé, mas feliz... Porque o carro você não vai pegar mesmo.

Pedro, Leonardo e Lucas, acreditavam saber o que era melhor para eles.
Pedro, Leonardo e Lucas, não acreditavam que seus pais queriam e faziam o melhor para eles.

Alguém aqui se identifica com os garotos?

Vamos começar com uma  perguntinha básica: Os pais (humanos , consequentemente cheios de erros), que ainda não conhecem o amor incondicional e todas as leis da natureza, querem o bem para seus filhos, certo?
DEUS, o Pai que é o próprio Amor o que faz pelos seus filhos?

Então vai a pergunta:
Você acredita em DEUS?
- Claro, rezo para ele todos os dias. Ontem mesmo eu pedi que Ele me curasse da diabete.
E você está certa que o melhor para você, nesse momento é conseguir a cura?
E se você ainda não aprendeu o que precisava com a doença? E se você ainda não mudou seus sentimentos de amargor que se somatizou na doença?
Não seria melhor pedir: Senhor, me de lucidez para entender o porquê dos meus problemas, força para mudar aqueles que eu  posso e resignação para enfrentar os que não posso mudar?
Senhor, minha vida está em suas mãos então eu posso me acalmar. Farei a minha parte, mas de forma serena, sabendo que alguém zela por mim.
Vamos nos colocar no lugar do Pedro:
Se ele não tem fé que sua mãe sabe o que é melhor ele vai pedir. Mãe me dê apenas balas e doces, não permita que eu coma essas coisas desagradáveis.
Leonardo: - Pai, Não me torture mais, deixe-me andar para sempre com as rodinhas. Não me deixe enfrentar meus medos.
Lucas: - Ó Pai amantíssimo. Deixe-me pegar o carro e bater no primeiro poste....

NÓS SOMOS CRIANÇAS. Não sabemos o que é melhor para nós. Então a oração deve servir apenas para nos lembrar de manter essa conexão com Deus, pois centrados, escutaremos Suas orientações. Comeremos os legumes, acreditaremos em nossa capacidade de andar de bicicleta e teremos paciência para só dirigirmos o carro na hora certa.
Não fica claro isso?

Mas alguém poderia dizer. E o nosso crescimento. Seremos eternamente crianças?
Claro que não. Eu não estou falando sobre uma fé dogmática, cega. Vamos alimentar em nós a fé raciocinada.  Ora , se nos alimentarmos adequadamente, Se confiamos na força da dupla(nós e Deus)  para andarmos de bicicleta e provar ( para nós mesmos - para Ele não precisa) que confiamos nEle, e que temos paciência e resignação para deixar nas mãos de Deus aquilo sobre o que não temos controle, vamos apaziguando nosso coração, iluminando nossa mente, e nos firmando no caminho da iluminação. ISSO NOS TRÁZ A VERDADEIRA FELICIDADE.






Um dia um pai desesperado levou seu filho a JESUS:
“ Senhor, tem compaixão de meu filho que é lunático. As vezes cai no fogo , outras na água e tendo levado aos seus discípulos eles não o puderam curar”.
E Jesus respondeu:
“- Ò geração incrédula, até quando hei de estar convosco?Trazei-o. E Jesus expulsou o demônio curando imediatamente o rapaz.
Os discípulos perplexos o chamaram em particular:
-“Jesus, Por que não pudemos nós lança-lo fora?”
E  Ele respondeu: - “ Por causa da vossa pouca fé. E lhes digo. Se tiveres a fé do tamanho do grão de mostarda direis a esse monte: passa daqui para lá e de lá para cá. E nada vos será impossível.”

Será que Jesus se referiu a montanha de pedras? Ou teria Ele se referido às montanhas que nos travam o crescimento.
Nossa descrença, nosso orgulho, nosso pessimismo, nossas paixões e vícios de toda ordem. Verdadeiras barreiras que nos seguram como ancoras que não nos permitem sair do lugar.

Jesus nos ensinou que com a fé e a perseverança, transportamos as montanhas do desespero e da dor.

Estamos no final de nossa apresentação. Chegou o momento da verdade.

VOCE TEM FÈ em Deus? Ou Acredita em Deus?

Vamos ver a diferença. Até a poucos séculos, a humanidade acreditava que a Terra era o centro do Universo e o Sol girava em torno. Acreditava ainda que as doenças eram introduzidas pela pele, assim, não deveríamos tomar banho pois a sujeira serviria como uma proteção para as doenças.  Não, não é brincadeira. Acreditávamos nisso tudo. E depois deixamos de acreditar.

A Fé que me refiro não e aquilo em que a gente acredita, mas QUE SABE.

Eu não acredito em Deus(poderia deixar de acreditar). EU SEI QUE ELE EXISTE! E que faço parte Dele e ele de mim. Isso é mais que simplesmente acreditar.
E o dia que realmente tivermos essa fé, nada nos abalará.
Doenças , mortes, perdas financeiras, e daí?
Foi a vontade dEle e com CERTEZA é o melhor para meu crescimento, ou seja, minha aproximação definitiva com a LUZ , com a PAZ , com o AMOR:

Fiquem com DEUS!
Edson Montemor
Enviado por Edson Montemor em 10/11/2007
Código do texto: T731345
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edson Montemor
Rio Claro - São Paulo - Brasil, 51 anos
98 textos (14895 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/11/14 07:45)
Edson Montemor



Rádio Poética