Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Você e Eu - II


Você me pune
                                  Eu te faço imune
Cada vez mais te desejo
                                  E careço do teu beijo
Você me maltrata
                                  Não me tenhas por ingrata
Eu me retrato
                                  O amor é abstrato
Você me apunhala
                                 Nada ao meu amor se iguala
Eu te perdôo
                                 Eu só  finjo que magôo
Você me despreza
                                 O sentimento é que pesa
Cada vez mais te amo
                                 Acredite, eu não engano
Você se afasta
                                 Você me arrasta
Eu me arrasto
                                 E te afasto
Você diz não
                                 E penso sim
Meus olhos imploram um sim
                                 Meus lábios mentem o não
Você corre
                                 Quem  socorre?
Eu não consigo sair do lugar
                                 Jamais deixarei de te amar
Você vive
                                 Estou no declive
Eu morro
                                 Eu corro
Você se protege
                                 Temo tanto, quanto o herege
Eu me exponho
                                 Quero um sonho
Você escuta os outros
                                 Prefiro te ouvir aos poucos
Eu sou surdo
                                 Eu me urdo
Você vê com clareza
                                 Desejo a tua  leveza
Eu fiquei cego
                                 Se mentir, eu nego
Você fala coisas sábias
                                 Pouco assunto e muita lábia
Eu permaneço mudo
                                 Você reside em tudo
Você afasta o amor
                                 Eu te quero um ganhador
Eu sofro intensamente a dor
                                 Me fascina o teu humor
Você tem sua vida
                                 Vou invadir  tua lida
A minha, sinto, está perdida
                                 Quero ser tua guarida.
Você dorme
                                 Em sonho disforme
Eu vivo esse eterno pesadelo
                            Eu morro nesse constante desvelo
Você já se levanta
                                 Qual pesadelo adianta?
Enquanto ainda estou acordado
                                 Eu levo o ventre  bordado
Você se veste
                                 De carinho teu, não viste?
Eu me dispo
                                 No meu olho um cisco
Você come
                                 Aquela canção sem nome
Eu bebo
                                 Num dia de enlevo
Você respira
                                 A gente cantava e ria
Estou sufocado
                                 Desejo estar ao teu lado
Você é luz
                                 A dor pesa como a cruz
Eu a sombra
                                 Você não sabe e 'inda zomba
Você nem vê
                                 A vida nos lê
Você é racional
                                 Somos a ordem vital
Eu um animal
                                 Você é o espiral
Você tem certezas
                                 Das minhas correntezas
Eu, os enganos
                                 E, lamentando os danos,
Você a clareza
                                 Ainda é dono da beleza
Eu a confusão
                                 Deste frágil coração
Você me tem
                                 Que hoje vem
Eu não.
                                 Pra segurar tua mão.

Dario Castellões
Enviado por Dario Castellões em 02/05/2006
Código do texto: T149039
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dario Castellões
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
26 textos (2350 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:17)
Dario Castellões