CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Sobre competências e gestão de competências

        A história, as tradições e os valores que estão enraizados na sociedade são determinantes não só na forma como as pessoas se posicionam perante os produtos/serviços que lhe são colocados à disposição como, também, na forma como encaram o seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional e o seu relacionamento com as entidades empregadoras.

         Diante das rápidas mudanças, características de uma  economia  globalizada,  a organização deve estar pronta a responder de forma ágil, mediante a apresentação de soluções, produtos  e  processos  inovadores.  Empresas que conseguem  gerir  seu  conhecimento, habilidades  técnicas,  competências,  experiências  organizacionais  e  sua  capacidade  de aprendizagem,  de  forma  a  criar  novos  produtos,  desenvolver  novos métodos,  processos  e serviços, obtêm vantagem competitiva  sustentável através de sua capacidade de alavancar e melhorar o desempenho organizacional.

“Um agrupamento de conhecimentos, habilidades e atitudes correlacionadas, que afeta parte considerável da atividade de alguém, que se relaciona com seu desempenho, que pode ser medido segundo padrões estabelecidos, e que pode ser melhorado por meio de T&D”.

         Esta é a definição de competência para Scott B. Parry (in RABAGLIO, Ferramentas de Avaliação de Performance com foco em competências).

         Em Magalhães  et al (1997, p.14) diz respeito ao “conjunto de conhecimentos, habilidades e experiências que credenciam um profissional a exercer uma determinada função”, ou seja, ela está diretamente relacionada à combinação de experiências com destrezas com vista ao alcance de um determinado propósito.

         Philippe Zarifian, na obra  Objetivo competência, afirma que a competência é de iniciativa e de responsabilidade do indivíduo sobre as situações profissionais ao qual se defronta. Para ele, ter competência é “assumir responsabilidades frente a situações de trabalho complexas” a partir de uma postura reflexiva no trabalho.

         A tabela abaixo reúne classificações de competências, propostas por diversos autores e usadas na prática:

Autor                       Tipos de Competências
Rabaglio                   Técnicas e Comportamentais
Benjamins                 Específicas (Hard) e Sociais (Soft)
Marcket                   Técnicas e Comunicativas
Gramigna                  Diferenciais, Essenciais, Básicas e Terceirizáveis
Fonseca                   Gerenciais, Técnicas e Sociais
           
         Outros autores abordam a competência não somente como um conjunto de qualificações que um indivíduo detém, mas também como o resultado ou efeito de tais qualificações aplicadas ao ambiente de trabalho.  Le Boterf (1999) afirma que cada ação competente é produto de uma combinação de recursos e é no saber mobilizar e aplicar esses recursos que  reside a riqueza profissional, ou seja, a competência. Contudo, Dutra  et al (1998) tratam a competência como a capacidade de uma pessoa gerar resultados de acordo com os objetivos organizacionais, isto é, pelos resultados e desempenho obtidos através do conjunto que qualidades que lhe é inerente.

         Diante essa variedade de definições é possível elencar como elementos constituintes da competência o conhecimento, a habilidade e a atitude.

         Assim os pilares da Competência são o conhecido CHA, sendo que:

         C - Conhecimento - é o saber, é o que aprendemos nas escolas, nas universidades, nos livros, no trabalho, na escola da vida. Sabemos de muitas coisas, mas não utilizamos tudo que sabemos;

         H - Habilidade - é o saber fazer, é tudo o que utilizamos dos nossos conhecimentos do dia-a-dia;

         A - Atitude - é o que nos leva a exercitar nossa habilidade de um determinado conhecimento, pois ela é o querer fazer.

         Um dos indicadores de desempenho empresarial, talvez o mais importante no atual contexto de mercado, é a sua capacidade de atrair, desenvolver e reter pessoas talentosas. Neste sentido, um modelo vem se formando como um dos mais utilizados aos novos tempos: gestão por competências. Trata-se de uma maneira que possibilita a formação do capital intelectual de uma instituição, maximizando os talentos existentes e em potencial.

         A  gestão  por  competências  é uma  nova  tendência  na gestão  de  pessoas. Desenvolve  as  seguintes  atividades,  como observado por Fischer  (1998):

         a) captação de pessoas: visando a adequar as competências necessárias às estratégias de negócio formuladas, as organizações buscam por pessoas que tenham um nível educacional elevado e, para  tal,  se valem de programas para atrair novos  talentos.

         b)  desenvolvimento  de  competências,  visto  que  as organizações contam com a possibilidade de desenvolver as competências dos indivíduos mediante  as  mais  diversas  formas,  com  o intuito  de  adequá-las  às  necessidades organizacionais.

         c) remuneração por competência, que é uma prática utilizada por organizações preocupadas em resguardar o conhecimento tácito de seus colaboradores e mantê-los na organização.  Envolve: participação nos resultados, remuneração variável e remuneração baseada nas competências desenvolvidas.

         d) gerir suas competências traz à organização a possibilidade de definir padrões de desempenho, divulgar os perfis das competências necessárias para a obtenção de resultados em seus processos e apontar indicadores que permitam nortear os investimentos  de  capacitação  das  pessoas. Isso também possibilita à empresa  estar consciente das possíveis melhorias em seus processos  internos,  pois  estes  são  dirigidos por pessoas.

         A gestão de competências veio para auxiliar as empresas a enxergarem o que elas precisam buscar e treinar em seus colaboradores, buscando a excelência na Gestão de Pessoas, podendo sair um pouco da subjetividade e adentrar para um terreno mais objetivo e mensurável. Neste tipo de gestão, o gestor de RH pode traçar o desenvolvimento da organização (independente do tamanho da organização e de seu alcance no mercado através de seus colaboradores).

         Segundo Chiavenato, "gestão por  competências  é um  programa  sistematizado  e desenvolvido no sentido de definir perfis profissionais que proporcionem maior produtividade e adequação  ao  negócio,  identificando  os  pontos  de  excelência  e  os  pontos  de  carência, suprindo  lacunas  e  agregando  conhecimento,  tendo  por  base  certos  critérios  objetivamente mensuráveis".

         Uma contribuição inovadora foi dada por Prahalad e Hamel (1994), ao proporem o enfoque de  estratégia  baseada  nas competências  essenciais  da  corporação.  O conceito de “estratégia  baseada  em competências essenciais ” -  core competence-based strategy, introduzido pelos  dois  autores  no  início  dos  anos  90, parece ser o mais adequado para direcionar a inovação em  sistemas organizacionais.

         Esses autores  afirmavam  que  as organizações,  para se  tornarem competitivas, deveriam  procurar parceiros com competências  complementares  às  suas,  de modo  a  maximizar  o  valor  oferecido  aos clientes.

         A Gestão por competências busca os seguintes resultados:
- Maior produtividade
- Gerências fortalecidas
- Assertividade
- Foco nos resultados
- Ambiente participativo
- Ambiente motivacional
- Competitividade
- Comprometimento

         A noção de competência lança luz sobre um aspecto importante: se por um lado, agrega valor econômico à organização, por outro deve agregar valor social ao indivíduo. As pessoas, ao desenvolverem competências essenciais para o sucesso da organização, estão também investindo em si  mesmas, não só como cidadãos organizacionais, mas como cidadãos do próprio país e do mundo.

         As competências são essencialmente recursos intangíveis de uma organização e a sua utilização ou administração depende da compreensão que delas se tenha, e por isso é necessário que sejam devidamente modeladas. Isso pode ser feito com recursos explícitos. A complexidade das relações de trabalho, abrangendo os  aspectos  técnicos, sociais  e  comportamentais  requer  métricas que permitam dimensionar de  forma confiável o capital  intelectual de uma organização.

         A melhor compreensão do processo de Gestão de Competências e da própria administração das competências nos profissionais e nas empresas deve ocorrer através da análise e da relação entre estes dois aspectos complementares do potencial do desempenho e desenvolvimento.

BIBLIOGRAFIA

DUTRA, Joel Souza, HIPÓLITO José Antônio Monteiro, SILVA Cassiano Machado. Gestão de pessoas por competências: o caso de uma empresa do setor de telecomunicações. Em: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 22. Anais… Foz Iguaçu: ANPAD, 1998.

FISCHER, R. A construção do modelo competitivo de gestão de pessoas no Brasil: um estudo sobre as empresas consideradas exemplares. Tese  (Doutorado)  Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo: FEA  USP , 1998.

GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de competências e gestão dos talentos. São Paulo: Pearson Makron Books, 2002.

LE BOTERF, Guy. Competénce et navigation profissionnelle. Paris: Éditions  d´Organisation, 1999.

MAGALHÃES, Sérgio, et all. Desenvolvimento de competências: o futuro agora! Revista Treinamento & Desenvolvimento, São Paulo, p. 12-14, jan. 1997.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. Competing for the Future. Boston: Harvard Business School Press, 1994.
Andréa Sant Anna
Enviado por Andréa Sant Anna em 25/06/2009
Código do texto: T1666666

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Andréa Sant Anna
Salvador - Bahia - Brasil, 36 anos
31 textos (9328 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/04/14 21:49)