Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Praça

A Praça

 Existem praças  Brasil a fora que o IBGE talvez não consegue fazer a estatística.
Praças históricas por onde passaram Reis e Rainhas, Presidentes, Trabalhadores, Artistas famosos e anônimos, mendigos e outras personagens ilustres e outras não menos ilustres.
Aqui em Uberlândia, Cidade grande diga-se de passagem, espetacular e espetaculosa, tem uma praça bem no centro, no coração da cidade, onde pulsa o comércio nervoso.
 É toda cercada de grandes Magazines e do comércio popular. É assim  que durante a semana a praça funciona. Nos finais de semana, toca a Banda de Musica com seus lindos dobrados e outros números ensaiados.
E tem ali bem no meio da praça duas estátuas,Uma é do Juscelino Kubitschek
 a outra do  prefeito que melhorou e modernizou o centro da cidade Tubal Vilela da Silva, (até parece aquele refrão de uma musica, "Seu guarda eu não sou vagabundo,
eu dormi na “Praça Tubal Vilela " .. desculpe o trocadilho eu não resisti).
Quero falar da praça, com bancos de cimento bem comprido e na ponta de cada um cuidadosamente desenhado um tabuleiro de damos ou xadrez, uns já gastos outros ainda vivo, toda ajardinada com canteiros de azaléias, sempre-vivas, rosas e arvores quase centenárias.
Ali na praça naqueles bancos, os aposentados, os desempregados, os que não gosta nem de ver falar em trabalho, os estudantes enfim as personagens da praça fica passeado. Enquanto outros passando apressado para o trabalho do dia a dia, também tem  Ciganas que lêem a sorte, que advinham tudo, o passado o presente e o futuro.
Lá na praça, na ponta de um dos bancos fica o “Seu Antonio”.  Um negro bem grisalho, rosto arredondado pele ainda boa sorriso fácil ,olhos vivos,  chapéu (tipo Indiana Jones) surrado na cabeça, sentado assim, meio de lado pernas cruzadas, hoje Aposentado, mas foi um dos trabalhadores que ajudou a construir essa cidade, fica esperando um parceiro, ele é bom  Jogador de Damas.
Passa um estudante e mexe com ele
- Ai “seu Antonio” já ganhou quantas hoje?
- Fica queto minino, num conta que eu sei jogar isso aqui, sou até meio bobo.
Senta mais parceiro,  e ele aplica uma surra de mestre, depois ensina a jogada ao seu oponente e explica o  jogo que fez.  Dizendo eu vi no livro tal,  estudei o jogo dessa maneira.
"Seu Antonio" é um sábio, quem senta  para uma prosa, tem o prazer de falar vários assuntos.  Com seus  oitenta ou mais anos, fala de futebol, do daqui e dos de lá, do tempo em que futebol era paixão dos jogadores que não trocava de clube tão rápido, e era poético, escala o Santos de Pelé, o Botafôgo de Didí e Zagallo, e Garrincha. E assim vai a prosa.
E fala com absoluta sabedoria, esse time jogou junto muitos anos.  Fala sobre política. O governo  de Getulio, por exemplo:  Narra fatos e detalhes de como eram as greves e as brigas com os empresários para fazer a CLT, e criar a Petrobrás.
E sentado no seu trono, ali na praça, o assunto vai fluindo, suas histórias, seus causos, do tempo em que a jardineira fazia um outro trajeto indo pra diversos lugares aqui nos arredores da cidade. E avião, até hoje é aeroplano, apesar de modernos jatos e que desce aqui no aeroporto da cidade.
E assim desfila suas memórias.
Quando um aluno do Colégio em frente a praça precisa  fazer um trabalho sobre História, vai lá na praça onde está o "Seu Antonio" e é só perguntar, em que época aconteceu esse fato e como aconteceu, a resposta vem na hora, as vezes atrapalha com os nomes dos vultos históricos, ele esquece ou não sabe como pronunciar, mais vai assim, com simplicidade nas palavras, falando: "foi aquele minino ali o da estauta cabeçuda que feiz essa praça, a estação de tratamento de agua em 1950. menino bão aquele, foi o mio prefeito daquela tempo.
Outro dia uma emissora de televisão fez uma reportagem da praça e seus ilustres personagens , "Seu Antonio" não  apareceu, desconfiado disse: sei não essas imagens eles usam pra outra coisa,  ainda tem muito comunista por ai. Referindo-se ao tempo que os  militares vigiavam todos e distorcia alguns fatos.
                  Na praça, tem bancas de revistas, ponto de ônibus, camelô que vende de tudo, ciganas que lêem sorte, tem tecla dista que exibe sua arte. tem fonte luminosa, a Igreja Matriz, um Colégio,  tinha também muitos prédios históricos. que os desavisados derrubaram:
O Antigo fórum da cidade, construção de estilo colonial era um bonito e prédio imponente, o Hotel Zárdo, ponto de encontro de muitos viajantes, hoje deu lugar para uma loja de departamentos. Assim é a praça de Uberlândia, a Praça Tubal Vilela.
                                                        jan
jan
Enviado por jan em 14/06/2006
Código do texto: T175596
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jan
Uberlândia - Minas Gerais - Brasil, 56 anos
16 textos (9507 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:18)
jan