Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O AMOR EXIGENTE

Ensaio: O Amor Exigente

Os pais, autores da vida de seus filhos, deverão ser os seus companheiros presentes em todos os momentos e situações.
Ao cuidarem de suas crianças, mães, dêem-lhes amor, afeto, atenção e ternura. Não desperdicem suas energias em gritos, porque as crianças aprenderão a gritar com vocês; não machuquem o seu amor com agressões, porque elas poderão machucar vocês; não comprometam o seu relacionamento com seus filhos, porque eles tornar-se-ão seres humanos distantes, agressivos e mal resolvidos.
E vocês, pais, ao chegarem a casa, depois de um dia carregado de problemas, não se isolem, tampouco emudeçam, porque seus filhos tornar-se-ão pessoas arredias e silenciosas, demonstrando um péssimo relacionamento dentro e fora da família.
O amor entre pais e filhos não pode ser um amor de ocasiões: quando tudo está bem, tudo bem com os filhos que ouvem palavras carinhosas e recebem abraços e beijos; o amor entre pais e filhos não pode ser um amor utilitarista, mas um amor concebido numa dimensão maior, sem resquícios de posse. Os filhos querem um amor que ultrapasse as trocas, os interesses; um amor dado gratuitamente, sem nada exigir.
Mas quando se fala em amor que nada exige não se quer falar do amor que tudo aceita, que tudo permite e que tudo dá. O amor verdadeiro é aquele que nega também, quando uma resposta negativa se faz necessária para se converter num bem maior para os filhos. O sim, que é mais fácil numa resposta é, muitas vezes, causa de omissão, de descaso e de cumplicidade.
É comum ouvirmos dizer que o amor dos pais para com os filhos deve ser um “amor exigente”, aquele amor que não cede sempre aos caprichos dos filhos. Amor exigente é o amor consciente que afaga, que acolhe, que aconselha, que estende a mão, que dá seu coração, mas é também o amor que corrige, que nega e que impõe limites. Daí é que não podemos falar que o amor dos pais é um amor sem limites. A dubiedade de sentido a que nos leva essa afirmação, pode-nos colocar na situação daqueles pais que tudo permitem, que tudo aceitam, mas que tudo podem receber em troca a essa fartura ilimitada de cedência.
Pai e mãe precisam reconhecer que não são seres completos, mas que podem, um dia, chegar à completude, vivendo em harmonia com seus filhos, com a sociedade e com Deus. E, para viverem em harmonia não significa que eles tenham de dizer sempre “sim”. Precisam aprender a dizer “não”, se é não que precisam dizer.

Mena
Enviado por Mena em 04/09/2006
Reeditado em 04/09/2006
Código do texto: T232333

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mena
Brumado - Bahia - Brasil
539 textos (113488 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:16)
Mena