Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PODER ABSOLUTO: Cap. 8 - A Culpa do Poder

A CULPA DO PODER


Na análise dos conflitos e valores de nossos personagens, podemos visualizar as razões que levam ‘juízos’ superficiais a considerarem incompatíveis, a ética e o poder.

Em princípio, toda relação social é um exercício de dominação, e sendo assim, dominadores e dominados se alternam constantemente. A dissociação entre o poder e a ética, normalmente decorre da observação através da experiência prática, de que muitos indivíduos quando investidos de poder (imaterial) ou no poder (material), deixam-se ingênuamente invadir por sentimentos desenfreados de ambição desmedida, que nada mais é do que a própria ganância. Outros declinam e tornam-se escravos da vaidade, quase sempre que instigados por outros indivíduos, que via de regra também anseiam, buscam e exercem o poder.

É quase irônica a identificação do sentimento de ambição e vaidade acrescido ao “ocaso” da inveja e da ganância.

Outros muitos, tornam-se dissimulados e arrogantes, quase sempre estimulados por bajuladores e manipuladores, e neste caso, tratam o poder como algo fim e ao mesmo tempo vetor desses mesmos sentimentos, pois que é inerente ao individuo social. Afinal, todos querem dominar, nem que para isso se submetam conscientemente à dominação. Eis uma contradição, submetem-se ao domínio visando a dominação.

Nessa situação de ruptura, os indivíduos se corrompem e paulatinamente transgridem os limites da ética e dos bons costumes, pois são dominados pelas paixões e têm o intelecto submerso em maquinações e conchavos da mais perversa espécie. Muitos desses indivíduos ao corromperem-se e paulatinamente transgredirem a ética e os bons costumes tornando-se reféns de suas iniqüidades, se vêem na realidade mais escravos do que livres, e conseqüentemente submetidos ao poder de outrem. Parece viverem em mentira.

Nessa “colorida colcha de retalhos” de sentimentos exteriores e interiores dessa específica instituição familiar, observamos as múltiplas faces da ética e o poder, atuando sob os influxos de vetores subjacentes como: perdas e sofrimentos; paciência e tolerância, ambição e vaidade, preconceitos e crenças, superstições e dogmas, inveja e dissimulação, etc... O que parece, é que os indivíduos não têm um poder e uma moral auto-suficiente por si próprios, pois que são esses vetores que dominam suas ações. Esses vetores, portanto, exercem poder sobre os indivíduos, pois que não têm controle e domínio sobre eles. Esses sentimentos são dominadores dos individuo. Podemos dizer que ao indivíduo que não se descuida da ética, dificilmente lhe é dado atingir ou exercer as benesses do Poder? Ou ainda que: Raramente os indivíduos que desfrutam do Poder,  ou estão no Poder, ou detêm Poder,  lhes é dado pelo menos em algum momento, as dádivas da ética, da moral, ou dos bons costumes?

Ora, sentimentos desmedidos de ambição, vaidade, a própria arrogância e dissimulação que advém do exercício do poder, sugerem a extrapolação da moral; E, por conseguinte da própria razão. Observe que mesmo os indivíduos que agem involuntariamente sob a sedução do poder em detrimento da moral, se vêem expostos frágilmente a uma espécie de impotência. Jogam qualquer moralidade às “favas” em troca das benesses do poder, mas, interiormente se recriminam e procuram manter certos atos como um segredo inconfessável. Qual o caminho seguro para que os indivíduos tenham poder para atingir seus objetivos sem violentarem-se?  Sem terem o sentimento de culpa a espreitar suas ações? Observe que mesmo os indivíduos que agem inconscientemente quanto à culpa, invariávelmente acabam por perderem-se num “labirinto de angústias” de suas próprias ações de dominação. É como que se para cada ação, os indivíduos carregassem uma balança, onde a moral e o poder assumem ”dois pesos e duas medidas”, de acordo com os fins a serem atingidos.

A ética, como ciência da moral, e enquanto ciência com limites reguladores da convivência social, uma vez que estes mesmos limites sejam violados pela faculdade do poder, nos parece resultar numa ruptura que o julgamento popular atribui a uma dissociação da ética com o poder. Parece que a ética torna-se sitiada pelo poder, e o poder também é limitado pela ética, e até mesmo quando esses limites sejam tangenciados, advém a culpa no indivíduo social, e a culpa parece que assume neste exercício reflexivo, o contraponto do poder.  O poder, dentro de uma escala particular de cada indivíduo,  parece ser uma necessidade. Mas, e a moral?  Aqui parece ser um contrário, um elemento limitante e acusador em contraponto ao poder. E os indivíduos vivem assim, permanentemente entre o poder e a ética. É o que parece.

Que poder é esse que traz consigo a culpa? Como funciona a ‘felicidade’ diante do sentimento de culpa? Será essa, a culpa do poder?
Hector Di Leon
Enviado por Hector Di Leon em 26/10/2006
Código do texto: T274144

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Hector Di Léon in Poder Absoluto 1958-2007). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Hector Di Leon
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil
9 textos (645 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:29)
Hector Di Leon