Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO RECONQUISTAR UM AMOR PERDIDO

Venho produzindo alguns ensaios nessa área de relacionamentos amorosos (Como cantar uma mulher; Como conquistar uma mulher definitivamente, veja links abaixo)  Tenho tido um bom “feed-back” de pessoas que me escrevem (via e-mail), me pedindo dicas adicionais sobre a questão. Tenho observado que muitos dos casos não são de CONQUISTA, mas sim de RECONQUISTA. Pessoas que passaram por situações de rompimento e que querem reatar o namoro ou o casamento.

Então, vamos lá. O que tenho dito é que se CONQUISTAR  já é uma tarefa difícil, RECONQUISTAR torna-se mais complicado ainda. Por que? A reconquista implica numa série de fatores que conspiram totalmente contra. Vejamos. Quem quer reconquistar é porque perdeu algo. Houve uma ruptura. Algo se quebrou. E, vamos e venhamos, remendar, colar é algo difícil. Quando se quebra um vaso raro, digamos assim, juntar os cacos é tarefa delicada. E, depois que se cola tudo, nem sempre fica uma obra de arte. Todo o mundo fica vendo as rachaduras, os sinais dos estragos que haviam sido feitos. E o vaso nunca mais será o mesmo.

Um relacionamento rompido é semelhante a um vaso que se quebrou. Às vezes foi o ciúme (infundado ou não). Às vezes foi a incompatibilidade de gênios. A falta de afinidades. As brigas constantes. A desarmonia. A infidelidade (de um lado ou do outro). A mentira. O desencanto. A perda da confiança.

As coisas acontecem mais ou menos assim: alguém se encanta com alguém, começa a namorar, trata bem, é atencioso, é gentil, dá presentes, cerca de mimos e carinhos. Ou seja, no princípio, tudo são flores. Com o tempo, cai-se na rotina. Já está mesmo conquistado, não precisa mais de cuidados. E aí começa a decadência da relação. E tudo passa a ser espinho:  vêm as cobranças, os desentendimentos, as brigas. E depois o rompimento. Ou então, acontece algo fatal: infidelidade, traição. Aí a coisa fica feia. E o namoro ou o casamento chega ao fim.

As situações que levam a um rompimento são múltiplas. Exemplifiquei apenas algumas, as mais comuns. É claro que cada caso é um caso e não se pode generalizar. Mas, de uma coisa vocês podem estar certos: geralmente quando uma relação termina, não existe só um lado culpado: ambos têm que assumir a responsabilidade pelo fracasso da relação. E têm que refletir muito.

Eu tenho notado que as pessoas quando brigam, ficam fora de si e dizem coisas impensadas, coisas que, em situações normais jamais seriam ditas. E palavras também ferem. Às vezes mais que uma estocada física.

Então, para se reconquistar alguém, para se reatar um namoro, para se reconstruir um casamento, qualquer relação,  é preciso que se analise bem as causas que levaram ao rompimento. Não se trata de buscar culpados. Esse é o pior caminho. Porque essa é uma maneira fácil de acusar o outro, e de tirar o corpo fora. Quando acontece uma discórdia qualquer, volte-se para si mesmo. Analise, em primeiro lugar você. Veja onde errou. O que você fez que não deveria ter feito? Ou o que você poderia ter feito e não fez? É preciso ter uma grandiosidade de alma para reconhecer erros. A maioria das pessoas não veem os próprios erros e ficam sempre dizendo que a culpa foi do outro. Agindo assim o que acontece é um aprofundamento do problema e um maior distanciamento. Reconhecer os próprios erros. Essa é uma atitude sábia. A outra atitude é a do perdão. Saber perdoar a si mesmo. E ter força de vontade, o firme propósito de não cometer os mesmos erros. E ter também a capacidade de perdoar o outro. Perdoar é esquecer. É passar uma borracha por cima. Zerar. E começar com ficha limpa. Alma leve. Porque acontece muito de a pessoa dizer que perdoou. Mas apenas da boca para fora. A todo o momento fica jogando na cara o erro do outro. De algo que está no passado, algo que não existe mais. Mas que fica enganchado, feito um disco arranhado repetindo sempre o mesmo refrão. Perdoar é apagar os registros. É deletar.  É dar uma chance para que as coisas aconteçam de maneira diferente, é renovar as oportunidades de viver uma nova relação, sem as nódoas do passado.

Outra coisa importante: não adianta alguém querer reconquistar alguém que não quer mais a volta. Porque têm casos em que a relação se exauriu mesmo. Deu o que tinha que dar. Chegou ao fim. Então, retomar pode significar o risco da volta de  velhos fantasmas. Só que voltam com mais força, mais assustadores. É reabrir uma ferida que poderia estar cicatrizada. É fazer sangrar de novo. Nesses casos, não vale a pena tentar a reconciliação. E tem mais: às vezes é melhor se ter um bom ou uma boa amiga do que uma péssima esposa/esposo ou namorado/namorada. Então, novamente, é preciso que se analise bem a siituação. Cada caso é um caso. Tem gente que fica insistindo em retomar algo que não tem mais sentido. E acabam criando inimizades e aprofundando ainda mais a distância. Nesses casos, não fica nada: nem sequer boas lembranças e tampouco a amizade.

Então, uma reconquista passa por muito diálogo, muita conversa franca. É preciso que se abra o coração. E que se veja o real sentimento que está por trás dessa tentativa de volta. Às vezes a pessoa quer voltar apenas para se vingar, como uma atitude de revanche. O que é o pior cenário. Às vezes é apenas por orgulho ferido. Às vezes é apenas para dar satisfação à sociedade, aos outros. Para não ficar mal no filme. Tudo isso não tem sentido. Mas, infelizmente, acontece.

Então, a reconquista passa por muita conversa, muita análise, muita observação, de si e do outro. Eu digo sempre: relacionamento é rua de mão dupla. Ambos têm que querer. Ambos têm que estar dispostos a cortar na própria carne, a reconhecer os próprios erros. Isso significa humildade. Tolerância. Despreendimento. Capacidade de perdão.
 
Numa reconquista ambos têm que ter a consciênciia de que tiveram uma história que não estava sendo bem escrita. E que, daqui pra frente, tem que haver um novo roteiro. Novas formas de viver o relacionamento. Cada um reconhecendo onde errou e tendo o propósito de não cometer os mesmos erros. É uma oportunidade de crescimento, de amadurecimento.

Então, as bases de uma reconquista passam por: reflexão, análise, reconhecimento, perdão e propósito de se renovar, de saber se fazer diferente. Tudo com uma base sólida na VERDADE, na TRANSPARÊNCIA, na SINCERIDADE, na CONFIANÇA.  Nenhum relacionamento sobrevive ao ciúme, à desconfiança, à infidelidade, à traição, à mentira. No limite, reconquista significa, na verdade, o restabelecimento, o resgate, a reconstrução da CONFIANÇA perdida.

De volta ao começo. Reconquistar é mais difícil do que conquistar. Mas pode ser também um bom desafio para a pessoa crescer e RENOVAR-SE inteiramete. Reconquistar é como partir da ESTACA ZERO. É, na verdade, uma CONQUISTA, só que agora feita com mais maturidade, por alguém que já sofreu o desengano, que se decepcionou e que não quer, de forma alguma, passar pelos mesmos sofrimentos.
 
E esse é o maior problema da reconquista. Tanto a mulher quanto o homem ficam com medo de passarem pelas mesmas situações já vividas. Ninguém quer sofrer. Todo o mundo quer é ser feliz. Então, por que retomar as brigas, os desentendimentos, as confusões? Ninguém quer isso. Então,  é preciso que ambos saibam que NOVAS BASES terão que ser construídas. E que precisará haver uma COMPLETA RUPTURA com o passado. O que passou, passou. Como dizem: o passado é uma roupa que não nos serve mais.

Resumindo: quem ama perdoa, quem ama confia, quem ama é verdadeiro consigo mesmo e com o outro. Quem ama tem um compromisso com a VERDADE, com a transparência, com a sinceridade.
 
Se não existirem todas essas bases, a reconquista não valerá a pena. Porque significará a mera repetição de um filme que todo o mundo já viu e que não teve um final feliz.

 A RECONQUISTA é o resgate de uma oportunidade perdida, a recuperação e a reconstrução de algo que o casal não soube aproveitar, não soube vivenciar. Uma nova chance de desmanchar o tempo em que não houve compreensão, nem humildade e nem sabedoria.

A RECONQUISTA é possível quando ainda existe a chama do amor lá por dentro, feito uma brasa viva, queimando, ansiosa para virar labareda. De ambos os lados. De dois seres que têm a plena consciência de que numa relação precisa haver harmonia, entendimento, cumplicidade, carinho, ternura, atenção, cuidados constantes e muito... muito amor.

Se não for assim, a reconquista será apenas uma tentativa UNILATERAL, egoística, apenas mais uma ilusão, uma mera fantasia ou o capricho de alguém que quer continuar se enganando. E arriscando-se a sofrer novamente. É como querer juntar cinzas que, melhor seria, fossem levadas de vez pelo vento.
-----------------------------------------------
LEIA TAMBÉM
Links:
Como cantar uma mulher: http://www.recantodasletras.com.br/ensaios/208872

Como conquistar uma mulher definitivamente:
http://www.recantodasletras.com.br/ensaios/747473

PS. Novamente eu digo: não esgotei o assunto, que é por demais vasto. Quem quiser alguma dica adicional, envie mensagem direta para o meu e-mail. josedecastro9@gmail.com
Procurarei ajudar, na medida do possível.
José de Castro
Enviado por José de Castro em 30/01/2011
Reeditado em 29/10/2012
Código do texto: T2762166
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José de Castro
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
2056 textos (631956 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/11/14 02:56)
José de Castro



Rádio Poética