Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O papel da ficcão na pós-modernidade

   A velocidade da informação e da comunidação digital mudaram para sempre a forma de se ler e interpretar o mundo.  O excesso de signos que saturam os campos viusais, sonoros e tantos outros, acaba por produzir uma sensação de hiper-realidade. O indivíduo, imerso nesse sistema, nem sequer se dá conta de que a vida não é um produto a venda em uma prateleira de supermercado ou numa rede qualquer de fast-food.
 
  A sociedade de consumo constrói uma realidade onírica calcada na ilusão gerada pela propaganda. Com efeito, as aparências das coisas, que nos saltam aos olhos, são manipuladas em espaços digitalizados e são construídas para ressaltar não a essência ou natureza do produto, mas uma impressão de qualidade e de necessidade. Dessa forma, tudo se consome nos dois sentidos da palavra consumir: tanto consumir de adquirir bens de consumo, quanto consumir de fenecer, acabar, ou seja ser engolido pelo tempo, assim como Cronos que engolia seus filhos.

   Somos consumidos pela mídia, que provoca sempre a sensação de realiadade, criando simulacros a fim de nos convencer de sua infalível certeza. E, como resultado, nos tornamos consumidores de falsas necessidades, as quais nos levam a ilusão de acumularmos riquezas em paraísos virtuais. Enfim, Somos consumidos pela idéia de um espaço virtual utópico.

   Assim, vivendo das migalhas de uma realidde paralela,  esquecemos dos bolsões de miséria, do lixo neoliberal, da realidade que está bem alí ao lado da realidade virtual utópica, como se vivêssemos em um mundo a parte, onde as relações e os valores humanos se esfacelaram.

   Mas, felizmente, a arte se impõe, por ser livre de amarras e ser espaço aberto às contradições . A ficção, muitas vezes, provoca os sentidos ao apresentar uma
supra-realidade que se parece com o mundo real e suas mazelas. Assim, vemos nas telas de cinema filmes como Matrix, Crash, O Cubo entre outros,  e na arte escrita, autores literários como Saramago, que desmascara o simulacro do mundo virtual, na fotgrafia, temos Sebastião Salgado que traz a tona as miséria, provocando um choque.

   O problema é que, no mundo pós-moderno,a ficção assumiu um papel tão grande em nossas vidas que não podemos mais saber ao certo o que é real ou não, se não vejamos:  há lendas urbanas que nos atormentam como realidades plangentes que vão nos engolir, mas ao mesmo tempo a violência é uma realidade com a qual devemos lidar. Acreditamos no homem e na ciência, mas nunca sabemos se a mais nova descoberta é de fato uma verdade. Acreditamos em Deus, mas não sabemos em qual Deus, pois há uma religião nova em cada esquina, e o mais incrível é que cada uma descreve seu deus de uma forma diversa. Acreditamos na família e no casamento, mas as estatísticas mostram que há quase o mesmo número de separações quanto o de uniões, além do mais as pessoas vivem escravas de uma vida infeliz.

   Se levantarmos todas as possibilidades de incoerências e incongruências que vemos no mundo, não vamos nos sustentar, pois é mais fácil "viver feliz" em uma "realidade" simulada, a estar o tempo todo se chocando com a realidade. Mas... o que é a realidade? Num mundo onde a ficção tomou conta de todos os espaços, a realidade está com quem? Com o teórico? com o político? Com o crítico? com o consumidor? com o artista gráfico? ...

   A única realidade possível de ser ver, são os índices de violência, descaso com a saúde pública, dos desvios de verbas que deveriam servir aos mais necessitados e promover uma sociedade um pouco mais equilibrada. Mas, será que os indices não são também uma ficção? Até que ponto não se manipulam essas informações?
 
   Até a arte chegou a um beco que parecia não ter saída. Pois, com tanta ficção por todos os lados, como fazer o diferencial? Afinal, a ficção é própria da arte e não da realidade.

   Arte passa por um processo de derreferencialização, pois para subsistir ela necessita se mostrar real. Ela mesma se questiona: se a natureza própria de seu fazer se fundamenta na construção de espaços ficcionais, deverá fazer o papel inverso - precisa estar mais perto da realidade para conseguir chamar atenção.

    Ainda bem que a arte não cai nessa armadilha de construções de aparência no lugar da essência e continua buscando ser um elemento de representação e não de descrição de uma realidade. O espaço de questinamento permanece aberto, apesar de tudo.

    Assim, a literatura, por exemplo, apresenta uma desrefencialização quando desfigura o personagem, quando usa de múltiplos referenciais e cortes temporais. No cinema, as histórias perdem a linealidade tanto temporal,quando de núcleo narrativo. A escultura passa a exacerbar as dimensões das formas humanas e a expor retratos cada vez mais fieis de momentos fracionados do mundo real, e o que dizer da fotografia, que capta instantes dessa realidade fragmentária e global.

     Enfim, a criatividade não conseguiu ser suplantada pela criação de universos paralelos, e isso dá uma nova visão à leitura que a arte faz do mundo e de si.
Hanna Karenina
Enviado por Hanna Karenina em 28/11/2006
Reeditado em 27/12/2006
Código do texto: T303987

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Hanna Karenina
Samambaia - Distrito Federal - Brasil
6 textos (599 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 17:54)
Hanna Karenina