Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Leia todos os ensaios do autor, clicando no link abaixo.
Read all JB Xavier's analysis. Click HERE.
 
Assista a todos os vídeos do autor no YOUTUBE, clicando no link abaixo 
Click to watch all JB Xavier's works on YOUTUBE:

Adquira o livro de contos "Caminhos" de JB Xavier, clicando no link abaixo.
Purchase JB Xavier's short stories book "Paths". Clik HERE.
_____________________________

WAGNER E NIETZSCHE – A POLÊMICA CONTINUA! – EPÍLOGO

Bem vindos ao mundo da música e da filosofia. Esta é a última parte deste ensaio composto de 07 partes.

Para quem está chegando agora:
Contemporâneas, essas duas mentes prodigiosas estiveram intimamente associadas por algum tempo, ligadas, como não poderia deixar de ser, pelas idéias grandiosas que ambas produziam.
Ao contrário de Nietzsche, Wagner era – e se considerava - um fim em si mesmo. Não se deixava influenciar por nada que não fosse monumental, especialmente no terreno musical. Sua personalidade marcante era de tal forma carismática que Nietzsche sucumbiu a ela e deixou-se apaixonar por suas idéias, para mais tarde, delas discordar e dar início à mais longa polêmica de que se tem notícia na história do pensamento humano!

* * *

PARTE VII – EPÍLOGO

No capítulo anterior, analisamos a maneira como se deu a formação psicológica de Nietzsche, bem como a gênese das idéias que o levaram a ser reconhecido mundialmente.
Neste, analisaremos como se deu o fim da vida útil de Nietzsche e como nasceu o wagnerismo.

De 1880 a 1889, Nietzsche viveu como um nômade. Ele nunca adotou a cidadania suíça, embora tendo vivido no país por tantos anos. Quase anualmente ele visitava sua mãe, em Naumburg, e circulava por várias cidades da França, Suíça, Alemanha e Itália. Ia para Nice, nas costas do Mediterrâneo, durante o inverno e para os Alpes Suíços – para o vilarejo de Sils-Maria - durante o verão. Viajava constantemente por Leipzig, Turim, Gênova, Recoaro, Messina, Rapallo, Florença, Veneza e Roma.

Estes foram os anos nos quais sua criatividade chegou ao ápice, tendo, nesse período, publicado seus trabalhos de maior repercussão, como Assim Falou Zarathustra (1883-85), Para além da Bondade e da Maldade,(1886), Genealogia da Moral (1887). A Decadência dos Ídolos (Agosto-Setembro de 1888) O Anticristo (Setembro de 1888), Ecce Homo (Outubro-Novembro 1888) e outros.

Foi exatamente nessa série de trabalhos monumentais, escritos já ao fim de sua vida produtiva, que Nietzsche abriu fogo contra o autor de O ANEL DO NIBELUNGO, em dois panfletos que circularam como uma enxurrada nas encostas de uma montanha, entre a intelectualidade de Turim: O Caso Wagner, publicado entre Maio e Agosto de 1888, e Nietzsche Contra Wagner, em Dezembro do mesmo ano.

Em O Caso Wagner, Problemas De Um Músico – (Der Fall Wagner, Ein Musikanten-Problem) que, melhor traduzido, seria: A Queda de Wagner-Um Músico Problemático, Nietzsche repete a dose, como já fizera em 1873 com David Strauss em seu devastador e desenfreado ataque a uma figura cultural pública.

Neste ataque, Nietzsche "declara guerrra" contra Richard Wagner, afirmando que sua música é a versão acabada da mais completa decadência moral da sociedade.

Numa análise desapaixonada, entretanto, veremos - se conseguirmos escapar ilesos à influência que a retórica deste trabalho desperta - que Nietzsche era um talentoso crítico de arte, como atesta suas observações sobre o estilo do teatro wagneriano, as reflexões sobre a redenção por via da arte, sobre a “filosofia da arte” e suas respectivas virtudes associadas, como a ascensão e queda das energias da vida, motivadas pela música.

Nietzsche Contra Wagner (Nietzsche contra Wagner, Aktenstücke eines Psychologen), são passagens curtas de seleções extraídas de seus trabalhos publicados entre 1878-1887. Muitas delas se referem a Wagner, mas o centro de sua crítica neste trabalho, não é exatamente o músico, e sim a decadência geral que o filósofo julgava estar mergulhada a Alemanha.

Para esclarecer algumas de suas idéias, ele usava Wagner como paradigma dessa decadência. Em sua auto biografia, completada apenas alguns meses antes do fim de sua vida produtiva, Nietzsche caracteriza bem seus sentimentos anticristãos e clama que a verdadeira força corruptora é o Cristianismo. Paradoxalmente – talvez porque o intelectual falava mais alto que o moralista – ele descreve, neste trabalho, a grande admiração que nutria pela música de Wagner, à qual se referia como profunda e psicologicamente impossível de ser descrita satisfatoriamente.

Quis o Destino que o ataque ao ex-amigo fosse um de seus últimos trabalhos.

Numa das viagens que constantemente empreendia, na fatídica manhã de 3 de Janeiro de 1889, estando Nietzsche em Turim, o destino lhe pregou uma peça definitiva, que poria fim à sua vida de intelectual, e o reduziria a uma sombra do que fora. Neste dia ele sofreu um colapso mental que o incapacitou pelo resto de seus dias.

Nesta manhã, afirmam os que testemunharam o fato, passava pela praça Carlo Alberto, um coche, cujo cavalo estava sendo chicoteado pelo condutor. Nietzsche agarrou-se ao pescoço do animal e o domínio sobre a mente o abandonou. Nunca mais ele recobraria a sanidade.

Querem alguns analistas da vida de Nietzsche que o colapso tenha sido conseqüência de uma infecção por sífilis, que já havia sido diagnosticada em Basel e Jena, anos antes, e contraída quando ainda era estudante e servia em um hospital durante a guerra Franco-Prussiana. Outros alegam que a droga que ele tomava como sedativo acabou por deteriorar seus sistema nervoso, e outros ainda especulam que a doença mental que o incapacitou era hereditária, já que seu pai também morrera por distúrbios mentais. A única verdade conhecida e fartamente documentada, é que Nietzsche tinha constituição nervosa extremamente sensível, e tomava uma grande variedade de medicamentos.

Após uma breve hospitalização em Basel, e outra breve internação num sanatório em Jena, na clínica Binswanger, em Março de 1890, Nietzsche foi levado por sua mãe, para o lar de onde saíra, em Naumburg, onde viveu por sete anos sob seus cuidados. Depois da morte de sua mãe, em 1897, sua irmã Elisabeth, assumiu a responsabilidade por seus cuidados. Para isso, ela retornou do Paraguay, onde, juntamente com seu marido, estava fundando uma colônia alemã ariana anti-semita, chamada “Nova Alemanha”.

Num esforço para promover a filosofia de seu irmão, ela alugou uma grande casa nas colinas de Weimar, chamada “Villa Silberblick” e lá o instalou, juntamente com todos os seus manuscritos.

Num triste crepúsculo para uma mente tão brilhante, lá ele ficou exposto aos visitantes que desejavam observar o outrora grande filósofo, agora incapacitado.

Finalmente, onze anos depois de uma vida quase vegetativa, quando se aproximava dos 56 anos de idade, morria o homem e nascia o mito! Seu corpo foi transladado para o túmulo da família, em Röcken bei Lützen, onde tudo começou, e onde jaz até hoje ao lado dos restos mortais de sua mãe e irmã.

* * *

Após a morte de Nietzsche , teve início o tiroteio, entre seus discípulos e os de Wagner.
Há época, os seguidores do músico superavam em muito os do filósofo, pois, tendo se instalado em Bayereuth, Wagner só fez aumentar seu número. Ali, ele viveu rodeado por uma corte de admiradores, discípulos e colaboradores que formavam à sua volta uma comunidade de crentes.

Para o escárnio final aos que o criticaram durante os anos difíceis, em 1876, Wagner inaugurou a FESTPIELHAUS, seu teatro, e o evento atraiu à pequena cidade bávara reis, príncipes, e – vitória das vitórias – veio também o Imperador Guilherme I, numa deferência impensada anos antes. E mais! Num acontecimento musical único – nem a Beethoven isso foi concedido – PARSIFAL, sua monumental obra, foi exclusiva de Bayereuth durante trinta anos! Esta exclusividade consolidou a fama do lugar como um local ecumênico, sagrado e de peregrinação.

Em verdade foi a consolidação dessa fama e messianismo que despertou a ira de seus inimigos, e de Nietzsche mais que a todos. Um deus músico! Ora essa!

Numa visão histórica, porém, talvez tenha sido esse o ponto mais alto do humanismo, pois nunca antes se pusera tanta fé nos homens e na sua capacidade de criação.

Quem tentar reduzir Wagner à condição de compositor de Óperas, cometerá o mesmo erro de quem tentar reduzir Nietzsche à condição de ateu empedernido, ou Beethoven à condição de compositor de sinfonias. Estes são homens grandes demais para caber em reduções.

Eles foram homens hercúleos, gigantes do pensamento e do sentir - artistas, na mais elevada concepção do termo. Homens que, por expandirem suas idéias, por lutarem por elas, acabaram por não mais caber no estreito cadinho das convenções sociais, e, através de suas obras, derreteram essas convenções e a despejaram, incandescente, sobre a humanidade, pelas bordas do caldeirão fervente da criatividade. Homens que sintetizaram em seus escritos as crises de uma sociedade burguesa, e, por serem eternas essas crises, eternas serão também suas idéias e as mensagens que nos legaram.

Vivemos num combate constante conosco mesmos, e a não ser que se encontre urgentemente uma válvula de segurança, aliviando a pressão dessa grande caldeira humana – o que eles fizeram através da sua arte – não haverá esperança para nós, pobres mortais.

Desejo que o presente trabalho auxilie no entendimento de uma questão primordial, e que compreendamos a lição última que esses gigantes do pensamento nos deixaram:

A verdadeira arte não pode ser imitada!

FIM

Agradeço aos que acompanharam esta publicação, torcendo para que ela tenha acrescentado algo ao espírito dos que buscam a arte como forma maior da expressão humana.
(J.B.Xavier)



BIBLIOGRAFIA PESQUISADA:

SOBRE NIETZSCHE

Escritos de autoria de Nietzsche

Kritische Gesamtausgabe Briefwechsel. ed. G. Colli and M. Montinari, 24 vols. in 4 parts. Berlin: Walter de Gruyter, 1975.

The Antichrist. trans. Walter Kaufmann, in The Portable Nietzsche, ed. Walter Kaufmann. New York: Viking Press, 1968.

Beyond Good and Evil. trans. Walter Kaufmann. New York: Random House, 1966.
The Birth of Tragedy. trans. Walter Kaufmann, in The Birth of Tragedy and The Case of Wagner. New York: Random House, 1967.

The Case of Wagner. trans. Walter Kaufmann, in The Birth of Tragedy and The Case of Wagner. New York: Random House, 1967.

Daybreak: Thoughts on the Prejudices of Morality. trans. R. J. Hollingdale. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

Ecce Homo: How One Becomes What One Is. trans. Walter Kaufmann, in On the Genealogy of Morals and Ecce Homo. New York: Random House, 1967.

The Gay Science, with a Prelude of Rhymes and an Appendix of Songs. tr. Walter Kaufmann. New York: Random House, 1974.

Human, All Too Human: A Book for Free Spirits. trans. R. J. Hollingdale. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

Nietzsche Contra Wagner. trans. Walter Kaufmann, in The Portable Nietzsche. New York: Viking Press, 1968.

On the Genealogy of Morals. trans. Walter Kaufmann and R.J. Hollingdale, in On the Genealogy of Morals and Ecce Homo. New York: Random House, 1967.

Philosophy and Truth: Selections from Nietzsche’s Notebooks of the Early 1870’s. trans. and ed. Daniel Breazeale. Atlantic Highlands, N.J.: Humanities Press, 1979.

Philosophy in the Tragic Age of the Greeks. trans. Marianne Cowan. Chicago: Henry Regnery Company, 1962.

Thus Spoke Zarathustra. trans. Walter Kaufmann, in The Portable Nietzsche. New York: Viking Press, 1968.

Twilight of the Idols. trans. Walter Kaufmann, in The Portable Nietzsche. New York: Viking Press, 1968.

Untimely Meditations. trans. R. J. Hollingdale. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

The Will to Power. trans. Walter Kaufmann. New York: Random House, 1967.
------------------------------

Livros sobre Nietzsche

Allison, David. Reading the New Nietzsche. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield Publishing, 2000.

Aschheim, Steven E. The Nietzsche Legacy in Germany, 1890-1990. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1992.

Babich, Babette E. Nietzsche’s Philosophy of Science. Albany: State University of New York Press, 1994.

Bataille, Georges. On Nietzsche. trans. Bruce Boone. London: Athlone Press, 1992.
Clark, Maudemarie. Nietzsche on Truth and Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

Danto, Arthur C. Nietzsche as Philosopher: An Original Study. New York: Columbia University Press, 1965.

Deleuze, Gilles. Nietzsche and Philosophy. trans. Hugh Tomlinson. New York: Columbia University Press, 1983.

Derrida, Jacques. Spurs: Nietzsche’s Styles. trans. Barbara Harlow. Chicago: University of Chicago Press, 1979.

Gilman, Sander L., ed., and David J. Parent, trans. Conversations with Nietzsche: A Life in the Words of his Contemporaries. New York: Oxford University Press, Inc., 1987.

Hayman, Ronald. Nietzsche, a Critical Life. New York: Oxford University Press, 1980.

Heidegger, Martin. Nietzsche, Vol. I: The Will to Power as Art. trans. David F. Krell.

New York: Harper & Row, 1979. Nietzsche, Vol. II: The Eternal Recurrence of the Same. trans.

David F. Krell. San Francisco: Harper & Row, 1984. Nietzsche, Vol. III.: Will to Power as Knowledge and as Metaphysics. trans. Joan Stambaugh and Frank

Capuzzi. San Francisco: Harper & Row, 1986. Nietzsche, Vol. IV: Nihilism. trans. David F Krell. New York: Harper & Row, 1982.

Higgins, Kathleen Marie. Nietzsche’s "Zarathustra." Philadelphia: Temple University Press, 1987.

Hollingdale, R. J. Nietzsche. London and New York: Routledge and Kegan Paul, 1973.
Hunt, Lester H. Nietzsche and the Origin of Virtue. London: Routledge, 1991.

Irigaray, Luce. Marine Lover of Friedrich Nietzsche. trans. Gillian C. Gill. New York: Columbia University Press, 1991.

Jaspers, Karl. Nietzsche: An Introduction to the Understanding of His Philosophical Activity. trans. Charles F. Wallraff and Frederick J. Schmitz. South Bend, Indiana: Regentry/Gateway, Inc., 1979.

Jung, Carl G., Nietzsche’s "Zarathustra." ed. James L. Jarrett. Princeton: Princeton University Press, 1988.

Kaufmann, Walter. Nietzsche: Philosopher, Psychologist, Antichrist. Princeton: Princeton University Press, 1950.

Klossowski, Pierre. Nietzsche and the Vicious Circle. London: Athlone, 1993.

Kofman, Sarah. Nietzsche and Metaphor. ed. and trans., Duncan Large. London: Athlone Press; Stanford, CA: Stanford University Press, 1993

Krell, David Farrell. Postponements: Women, Sensuality, and Death in Nietzsche. Bloomington: Indiana University Press, 1986.

Lambert, Laurence. Nietzsche’s Teaching: An Interpretation of "Thus Spoke Zarathustra." New Haven: Yale University Press, 1987.

Löwith, Karl. Nietzsche’s Philosophy of the Eternal Recurrence of the Same." [1956], translated by J. Harvey Lomax, foreword by Bernd Magnus. Berkeley: University of California Press, 1997.

Macintyre, Ben. Forgotten Fatherland: The Search for Elisabeth Nietzsche. London: Macmillan, 1992.

Magnus, Bernd, Stanley Stewart, and Jean-Pierre Mileur. Nietzsche’s Case: Philosophy as/and Literature. New York and London: Routledge, 1993.

Magnus, Bernd. Nietzsche’s Existential Imperative. Bloomington: Indiana University Press, 1978.

Mandel, Siegfried. Nietzsche & the Jews. New York: Prometheus Books, 1998.
Nehamas, Alexander. Nietzsche: Life as Literature. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1985.

Oliver, Kelly. Womanizing Nietzsche: Philosophy’s Relation to the "Feminine." New York and London: Routledge, 1995.

Parkes, Graham. Composing the Soul: Reaches of Nietzsche’s Psychology. Chicago and London: University of Chicago Press, 1994.

Pletch, Carl. Young Nietzsche: Becoming a Genius. New York: Free Press, 1991.
Rosen, Stanley. The Mask of Enlightenment: Nietzsche’s Zarathustra. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

Salomé, Lou. Nietzsche. ed. and trans. Siegfried Mandel. Redding Ridge, Connecticut: Black Swan Books, Ltd., 1988.

Schacht, Richard. Nietzsche. London: Routledge and Kegan Paul, 1983.
Shapiro, Gary. Nietzschean Narratives. Bloomington: Indiana University Press, 1989.
Simmel, Georg. Schopenhauer and Nietzsche. trans. Helmut Loiskandle, Deena Weinstein, and Michael Weinstein. Urbana and Chicago: University of Illinois Press, 1991.

Schrift, Alan D. Nietzsche and the Question of Interpretation: Between Hermeneutics and Deconstruction. New York: Routledge, 1990.

Stambaugh, Joan. The Problem of Time in Nietzsche. trans. John F. Humphrey. Philadelphia: Bucknell University Press, 1987.

White, Alan. Within Nietzsche’s Labyrinth. New York and London: Routledge, 1990.
Wilcox, John T. Truth and Value in Nietzsche. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1974.

Young, Julian. Nietzsche’s Philosophy of Art. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

-------------------------------------

ENSAIOS SOBRE NIETZSCHE

Allison, David B., ed., The New Nietzsche: Contemporary Styles of Interpretation. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1985.

Bloom, Harold., ed., Modern Critical Views: Friedrich Nietzsche. New York, New Haven, Philadelphia: Chelsea House Publishers, 1987.

Koelb, Clayton., ed., Nietzsche as Postmodernist: Essays Pro and Contra. Albany: State University of New York Press, 1990.

Magnus, Bernd, and Higgins, Kathleen M., eds., The Cambridge Companion to Nietzsche. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

Parkes, Graham., ed., Nietzsche and Asian Thought. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

Sedgwick, Peter R., ed., Nietzsche: A Critical Reader. Oxford, UK and Cambridge, USA: Blackwell, 1995.

Solomon, Robert C., and Higgins, Kathleen M., eds., Reading Nietzsche. New York and Oxford: Oxford University Press, 1988.

Solomon, Robert. ed., Nietzsche: A Collection of Critical Essays. Garden City, New York: Anchor Books, 1973.

Yovel, Yirmiyahu., ed., Nietzsche as Affirmative Thinker. Dordrecht: Martinus Nihoff Publishers, 1986.
--------------------------------


SOBRE WAGNER

Eine Pilgerfahrt zu Beethoven, 1840

Über deutsche Musik, 1840

Der Virtuos und der Künstler, 1840

Stabat mater de Pergolèse par Lvoff, 1840

Über die Ouvertüre, 1840-41

Pariser Amüsements, 1841

Pariser Fatalitäten für Deutsche, 1841

Der Freischütz. An das Pariser Publikum, 1841

Le Freischütz in Paris. Bericht nach Deutschland, 1841

Rossini's Stabat mater, 1841

Der Künstler und die Öffentlichkeit, 1841

Rede an Weber's letzter Ruhestätte, 1844

Die Königliche Kapelle betreffend, 1846

Zu Beethoven's Neunter Symphonie, 1846

Bericht über die Aufführung der neunten Symphonie von Beethoven im Jahre 1846 in Dresden, 1846

Künstler und Kritiker, mit Bezug auf einen besonderen Fall, 1846

Das Künstlertum der Zukunft [Verschiedene Notizen zu einem geplanten Essay], 1849

Zu Die Kunst und die Revolution, 1849

Entwürfe, Gedanken und Fragmente aus der Zeit der grossen Kunstschriften, 1849-51

Kunst und Klima, 1850

Das Judentum in der Musik, 1850, rev. 1869

Das Kunstwerk der Zukunft. Widmung an L. Feuerbach, 1850
Eine Skizze zu Oper und Drama [Brief an Uhlig], 1850

Über die musikal. Direktion der Züricher Oper, 1850

Oper und Drama, 1851, überarbeitet 1868

Ein Theater in Zürich, 1851


* * *
JB Xavier
Enviado por JB Xavier em 03/09/2005
Reeditado em 16/01/2011
Código do texto: T47254
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
JB Xavier
São Paulo - São Paulo - Brasil
1049 textos (179037 leituras)
50 áudios (18289 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:51)
JB Xavier

Site do Escritor